Estruturas Antigas, Tectônica Recente: Diferentes Controles na Evolução do Relevo na Região das Altas Cristas Quartzíticas da Mantiqueira Meridional

Palavras-chave: Morfotectônica; grandes escarpamentos; cristas quartzíticas.

Resumo

As altas cristas da Mantiqueira Meridional figuram como estruturas festonadas pela rede de drenagem que demanda indiretamente o Oceano Atlântico, figurando como uma unidade morfoestrutural cuja geomorfogênese coaduna retração erosiva de escarpas a processos diastróficos morfotectônicos, encerrando um sistema geomorfológico de alta complexidade, onde os efeitos neotectônicos se sobrepõem às expressões geomorfológicas regionais forjadas em estruturas antigas reativadas durante o rifte Continental do Sudeste do Brasil. Com base em abordagens metodológicas voltadas para as interpretações morfoestruturais e morfotectônicas, a pesquisa aqui divulgada identificou importantes aspectos da tectônica ativa atuando na evolução do relevo regional, cuja espacialidade é estabelecida pelas superfícies de base, pela configuração da drenagem e padrão de lineamentos, pelo reconhecimento e mapeamento de feições morfotectônicas e interpretação de seu significado, bem como pela compartimentação da área segundo seu significado morfoestrutural e morfotectônico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Marques Neto, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Juiz de Fora

Prof. do Departamento de Geociências da Universidade Federal de Juiz de Fora

Felipe Pacheco da Silva, Departamento de Geografia, Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Juliana Alves Moreira, Departamento de Geociências, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal de Juiz de Fora

Referências

BULL, W. B.; WALLACE, R. E. Tectonic geomorphology. Geology, Penrose Conference Report, p. 216, 1985.
CHIESSI, C. M. Tectônica Cenozoica no Maciço Alcalino de Passa Quatro (SP-MG-RJ). 2004. Dissertação (Mestrado em Geologia). Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
CORSI, A. C. Compartimentação morfoestrutural da região do Triângulo Mineiro (MG): aplicado à exploração de recursos hídricos subterrâneos. Rio Claro, 2003, 231p. Tese (Doutorado em Geociências), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
CUNHA, C. M. L.; MENDES, I. A. Proposta de análise integrada dos elementos físicos da paisagem: uma abordagem geomorfológica. Estudos geográficos, v. 3, n. 1, p. 111-120, 2005.
ETCHEBEHERE, M. L. C. Terraços Neoquaternários no Vale do Rio do Peixe, Planalto Ocidental Paulista: implicações estratigráficas e tectônicas. Rio Claro, 2000. 264p. Tese (Doutorado em Geociências) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
ETCHEBEHERE, M. L. C. Aplicação do índice “Relação Declividade-Extensão – RDE” na bacia do Rio do Peixe (SP) para detecção de deformações neotectônicas. Geologia USP-Séries Científicas, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 43-56, 2004.
FACINCANI, E. M. Morfotectônica da Depressão Periférica Paulista e cuesta basáltica: regiões de São Carlos, Rio Claro e Piracicaba, SP. Rio Claro, 2000. 222p. Tese (Doutorado em Geologia Regional) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
FERREIRA, M. F. M. Gemorfologia e análise morfotectônica do alto vale do Sapucaí. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). 279p. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2001.
GARROTE, J.; HEYDT, G. G.; COX, R. T. Multi-stream order analyses in basin asymmetry: a tool to discriminate the influence of neotectonics in fluvial landscape development (Madrid basin, Central Spain). Geomorphology, v. 102, n. 1, p. 130-144, 2008.
GONTIJO, A. H. F. Morfotectônica do médio vale do Rio Paraíba do Sul: região da Serra da Bocaina, estados de São Paulo e Rio de Janeiro. 1999, 259p. Tese (Doutorado em Geologia). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, 1999.
HARE, P. W; GARDNER, I. W. Geomorphic indicators of vertical neotectonism along converging plate margins. In: ANNUAL BINGHAMTON GEOMORPHOLOGY SYMPOSIUM. Boston, 1985.
HEINEK, C. A.; SOUZA, H. A.; VASCONCELOS, R. M.; BARRETO, E. L.; GOMES, R. A. A. D.; PINTO, C. P. Programas Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Folha SF.23-X-C-VI, 1991.
HIRUMA, S. T. Significado morfotectônico dos planaltos isolados da Bocaina. Tese (Doutorado em Geoquímica e Geotectônica). Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2007.
JACQUES, P. D.; SALVADOR, E. D.; MACHADO, R.; GROHMANN, C. H.; NUMMER, A. R., Application of morphometry in neotectonic studies at the eastern edge of the Paraná Basin, Santa Catarina State, Brazil. Geomorphology. v. 213, n. 10, 2014.
JAIM, V.E. Geotectónica general. 2. ed. Moscou: Mir Ed., 1984.
MAIA, R. P.; BEZERRA, F. H. R. Inversão neotectônica do relevo na bacia Potiguar, nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 15, n. 1, p. 61-74, 2014.
MARQUES NETO, R. Estudo evolutivo do sistema morfoclimático e morfotectônico da bacia do Rio Verde (MG), sudeste do Brasil. 2012, 429p. Tese (Doutorado em Geografia), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista. Rio Claro, 2012.
MARQUES NETO, R.; MOREIRA, J. A.; SILVA, F. P. (2017) Sistemas geomorfológicos montanhosos e a sua representação cartográfica: mapeamento dos fatos geomórficos no horst do Caparaó (MG/ES). In: PEREZ FILHO, A.; AMORIM, R. R. (Orgs.) Os desafios da Geografia Física nas fronteiras do conhecimento. Campinas: p. 6026-6037.
MORALES, N. Neotectônica em ambiente intraplaca: exemplos da região Sudeste do Brasil. Rio Claro, 2005. 201p. Tese (Livre Docência em Geologia Estrutural e Geotectônica), Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
MOTOKI, A.G.; PETRAKIS, H.; SICHEL, S.E.; CARDOSO, C.E.; MELO, R.C.; SOARES, R.; MOTOKI, K.F. Origem dos relevos do maciço sienítico do Mendanha, RJ, com base nas análises geomorfológicas e sua relação com a hipótese do vulcão de nova Iguaçu. Geociências, v.27 n.1, p.97-113, 2008.
PINHEIRO, M. R.; QUEIROZ NETO, J. P. Neotectônica e evolução do relevo na região da Serra de São Pedro e do baixo rio Piracicaba/sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 16, n. 4, p. 593-633, 2015.
ROY, S.; SAHU, A. S., Quaternary tectonic control on channel morphology over sedimentary low land: A case study in the Ajay-Damodar interfluve of Eastern India Geoscience Frontiers, v. 6, n. 19, 2015.
RUBIN, J. C. Sedimentação Quaternária, Contexto Paleoambiental e Interação Antrópica nos Depósitos Aluviais do Alto Rio Meia-Ponte – Goiás/GO. Rio Claro, 1999. Tese (Doutorado em Geociências) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
SAADI, A. Um “rift” neo-cenozóico na região de São João Del Rei – MG; Borda Sul do Cráton do São Francisco. In: 1º WORKSHOP SOBRE NEOTECTÔNICA E SEDIMENTAÇÃO CENOZÓICA CONTINENTAL NO SUDESTE BRASILEIRO, 1990, Belo Horizonte. Boletim da Sociedade Brasileira de Geologia. Belo Horizonte: SGB, 1990. p. 63-79.
CONTINENTAL NO SUDESTE BRASILEIRO. Ensaio sobre a morfotectônica de Minas Gerais: tensões intraplaca, descontinuidades crustais e morfogênese. Belo Horizonte, 1991. 285p. Tese (Professor Titular), Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais.
SALAMUNI, E. Tectônica da Bacia Sedimentar de Curitiba (PR). Rio Claro, 1998. Tese (Doutorado em Geologia Regional). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
SALVADOR, E. D; PIMENTEL, J. Avaliação da neotectônica no município de Angra dos Reis, setor sul-fluminense da Serra do Mar, com base em mapas morfométricos gerados em Sistemas de Informações Geográficas (SIG). In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 14., 2009, Natal. Anais... Natal: INPE, 2009. p. 3347-3354.
SANTOS, M. Serra da Mantiqueira e Planalto do Alto Rio Grande: a bacia terciária de Aiuruoca e evolução morfotectônica. Rio Claro, 1999. 134p. Tese (Doutorado em Geociências) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.
SILVA, T. P.; MELLO, C. L. Reativações neotectônicas na Zona de Cisalhamento do Rio Paraíba do Sul (sudeste do Brasil). Revista do Instituto de Geociências, v. 11, n. 1, p. 95-111, 2011.
STRAHLER, A. N. Dynamic basis of geomorphology. Geological Society of American Bulletin, v. 63, p. 923-938, 1952.
ZOBACK, M. L.; ZOBACK, M. D.; ADAMS, J.; ASSUMPÇÃO, M.; BELL, S.; BERGMAN, E. A.; BLÜMLING, P.; BRERETON, N. R.; DENHAN, D.; DING, J.; FUCHS, K.; GAY, N.; GREGERSEN, S.; GUPTA, H. K.; GVISHIANI, K.; JACOB, K.; KLEIN, R.; KNOLL, P.; MAGGIE, M.; MERCIER, J. L.; MÜLLER, B. C.; PAQUIN, C.; RAJENDRAN, K.; STEPHANSSON, O.; SUAREZ, G.; SUTER, M.; UDIAS, A.; XU, Z. H.; ZHIZHIN, M. Global patterns of tectonic stress. Nature, v. 341, p. 291-298, 1989.
Publicado
2019-12-12
Como Citar
Marques Neto, R., da Silva, F., & Moreira, J. (2019). Estruturas Antigas, Tectônica Recente: Diferentes Controles na Evolução do Relevo na Região das Altas Cristas Quartzíticas da Mantiqueira Meridional. Revista Do Departamento De Geografia, 38, 70-82. https://doi.org/10.11606/rdg.v38i1.154820
Seção
Artigos