Paisagens Integradas dos Municípios Costeiros da Foz do Rio São Francisco: Brejo Grande/SE e Piaçabuçu/AL

Palavras-chave: Geocomplexos, Geofáceis, Dinâmica Costeira, Uso e Ocupação do Solo

Resumo

Os ambientes costeiros destacam-se pela complexa dinâmica condicionada pela atuação de fatores oceanográficos, hidrológicos, climáticos, geológicos e antrópicos que resulta em diferentes unidades de paisagem. Neste sentido, o trabalho objetivou classificar e analisar as unidades de paisagens considerando os geocomplexos e geofácies dos municípios de Piaçabuçu/ AL e Brejo Grande/ SE. O esboço metodológico da abordagem geossistêmica norteou a pesquisa, desenvolvida através de revisão bibliográfica, levantamento e processamento de dados cartográficos e confecção de mapas temáticos. Os processos de origem marinha, fluviomarinha e eólica, associados ao pacote sedimentar que integra as Formações Continentais Superficiais do Quaternário possibilitaram a formação de ambientes com características distintas, que integram os três (03) geocomplexos – Planície Costeira, Terraços Marinhos e Planície Fluviolagunar integrados por quatorze (14) geofácies. Nos últimos anos, a planície fluviomarinha tem apresentando algumas mudanças relacionadas ao processo de erosão marinha e atividades de carcinicultura, resultado de alterações que ocorreram na dinâmica do rio São Francisco. Quanto aos terraços marinhos, em Piaçabuçu ocorrem intercalados com depressões formadas entre os cordões litorâneos, predominando como uso o cultivo de coco-da-baía. Em Brejo Grande, os sedimentos arenosos dos terraços marinhos holocênicos têm avançado sobre a planície fluviomarinha, alterando parcialmente a vegetação do mangue. Nos ambientes que compreendem a planície fluviolagunar dos municípios verifica-se alterações nos aspectos pertinentes ao uso e ocupação do solo. Assim, a partir do mapeamento com imagens de satélites dos anos de 1984 e 2017, foi possível concluir que a atuação dos processos naturais associados à ação antrópica estão proporcionando reajustes no equilíbrio dinâmico da paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Túlio Mendonça Diniz, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor do Programa de Pós-graduação em Geografia/UFRN e do Departamento de Geografia - CERES - UFRN

Referências

ALVES, N. M. S.; FONTES, A. L.; SILVA, D. B.; ALMEIDA, J. P. Dinâmica geoambiental, processos morfodinâmicos e uso das terras em Brejo Grande, baixo São Francisco – Sergipe. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.8, n.2, p.11-21, 2007.
ALVES, N. M. S. Análise Geoambiental e Socioeconômica dos municípios costeiros do Litoral Norte do estado de Sergipe: diagnóstico como subsídio ao ordenamento e gestão do território. 2010. 348f. Tese (Doutorado em Geografia) – Núcleo de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2010.
ALVES, N. M. S.; SILVA, D. B.; CARVALHO, I. S. M.; SANTANA, B. L. P.; ANDRADE, R. S. Mudanças no cotidiano das comunidades tradicionais pesqueiras de brejo grande – Sergipe, Brasil. Revista GeoNordeste, São Cristóvão, Ano XXVIII, n. 1, p. 187-202, Jan./Jun. 2017.
AMORIM, R. R.; OLIVEIRA, R. C. As unidades da paisagem como uma categoria de análise geográfica: o exemplo do município de São Vicente – SP. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v.2, n.20, p. 177-198, dez. 2008.
ARAÚJO, Sérgio Silva de. Apropriação dos recursos naturais e conflitos socioambientais no baixo São Francisco em Sergipe e Alagoas. 2015. 359 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente)- Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.
BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global: esboço metodológico. Cruz, Olga (trad.) Cadernos de Ciências da Terra. São Paulo, USP-IGEOG, nº 43, 1972.
BERTRAND, G.; BERTRAND, C. Uma geografia transversal e de travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Massoni, 2007.
BITTENCOURT, A. C. S. P.; MARTIN, L.; DOMINGUEZ, J. M. L.; FERREIRA, Y. A. Evolução paleogeográfica quaternária da costa do estado de Sergipe e costa sul do estado de Alagoas. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v.13, n. 2, p. 93-97, 1983.
BITTENCOURT A. C. S. P., OLIVEIRA M. B.; DOMINGUEZ J. M. L. Sergipe In: Muehe D. (org.). Erosão e progradação no litoral brasileiro. Brasília: MMA, 2006.
BOLÓS, M. de I. Capdevila. Problemática actual de los estúdios de paisaje integrado. Revista de Geografia, Barcelona, v. 15, n.1-2, enero-deciembre, 1981.
BOMFIM, L. F. C. Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe. Diagnóstico do Município de Brejo Grande. CPRM: Aracaju, 2002.
CAILLEUX, A.; TRICART, J. Le problème de la classification des faits géomorphologiques. Ann. de Géogr.,V. 65, N. 162 -186, 1956.
CARVALHO, M. E. S.; FONTES, A. L. A carcinicultura no espaço litorâneo Sergipano. Revista da FAPESE, v. 3, n. 1, p. 87-112, 2007.
CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil: Mapa Geológico do Estado de Sergipe, 2007. 65 p.
DINIZ. M. T. M. Bases para um plano de Gestão Integrada de Zonas Costeiras em Jacaúna – Aquiraz-CE. 2008. 138f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2008.
DINIZ, M. T. M.; OLIVEIRA, A. V. L. C. Mapeamento das unidades de paisagem do estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Boletim Goiano de Geografia, v.38, N.2, p.342-364, 2018.
DINIZ, M. T. M.; OLIVEIRA, G. P. Compartimentação e Caracterização das Unidades de Paisagem do Seridó Potiguar. Brazilian Geographical Journal: geosciences and humanities research medium, v. 6, p. 291-318, 2015.
DINIZ, M. T. M.; OLIVEIRA, G. P.; BERNARDINO, D. B. S. M. Proposta de classificação das paisagens integradas. Revista de Geociências do Nordeste, v. 1, p. 50-69, 2015.
DINIZ, M. T. M; VASCONCELOS, F. P.; OLIVEIRA, G. P.; BERNARDINO, D. B. S. M. Geografia Costeira do Nordeste: bases naturais e tipos de uso. 1. ed. Curitiba: CRV, 135p. 2016.
DOMINGUEZ J. M. L., BITTENCOURT A. C. S. P., SANTOS A. N., NASCIMENTO L. The Sandy Beaches of the States of Sergipe-Alagoas. In: SHORT A. D., KLEIN A. H. F. (Orgs.). Brazilian Beach Systems. 1ed. Switzerland: Springer International Publishing, p. 281-305, 2016.
FORMOSO, L. C. Erosão e sedimentação no Delta do São Francisco: considerações sobre a interferência dos barramentos no sistema costeiro. Monografia (Graduado em Engenharia Ambiental). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, 2008.
ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo: Área de Proteção Ambiental de Piaçabuçu. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasília: MMA/ICMBio, 2010.
ILHA, D. B. Mapeamento e caracterização da carcinicultura no extremo norte do litoral sergipano. Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto – GEONORDESTE, Salvador, 2017.
MELO e SOUZA, R. Redes de monitoramento socioambiental e tramas da sustentabilidade. Geoplan, São Paulo: Annablume, 2007.
MEIRELES, A. J. A. Geomorfologia Costeira: funções ambientais e sociais. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014.
MEIRELES, A. J. A.; RAVENTOS, J. S. Y. Os promontórios e as dunas mantenedoras de um aporte regulador de sedimentos ao longo da linha de praia. Ceará, Brasil. Jornal de Gerenciamento Costeiro Integrado para Países de Língua Portuguesa, Santa Catarina, v. 2, p. 1-4, 2002.
OLIVEIRA, T. R. de A. Meu lugar é o Rio: aspectos identitários e territoriais da comunidade de pescadores artesanais do povoado Resina, Brejo Grande/SE. 2012. 82f. Dissertação (Mestrado em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental). Programa de Pós-Graduação em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental, Universidade do Estado da Bahia, Paulo Afonso, 2012.
RODRIGUES, F. G. de S.; KELTING, F. M. S. Paisagem e carcinicultura marinha no estuário do rio Jaguaribe – Aracati – Ceará. Revista GeoNordeste, São Cristóvão, Ano XXI, n.1, 2010.
SANTANA, B. L. P; ALVES, N. M. S.; ANDRADE, R. S.; FARIAS, M. C. V. Interações dos processos ambientais na paisagem do município costeiro de Brejo Grande/Sergipe. Salvador: III Seminário Nacional Espaços Costeiros, 2016.
SANTOS, H. G. dos; JACOMINE, P. K. T.; ANJOS, L. H. C. dos; OLIVEIRA, V. A. de; LUMBRERAS, J. F.; COELHO, M. R.; ALMEIDA, J. A. de; ARAUJO FILHO, J. C. de; OLIVEIRA, J. B. de; CUNHA, T. J. F. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5. ed. rev. e ampl. Brasília: Embrapa, 2018.
SEMARH. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe. Programa de Ação Estadual de Combate a Desertificação PAE Final. Aracajú, 2011.
SOCHAVA, V. B. O estudo de geossistemas. Métodos em questão. Universidade de São Paulo. São Paulo: Instituto de Geografia, 1977.
TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE/SUPREN, 1977.
Publicado
2019-07-04
Como Citar
Diniz, M. T., Santana, B., Lima, L., França, E., Santos, F., & Souza, R. (2019). Paisagens Integradas dos Municípios Costeiros da Foz do Rio São Francisco: Brejo Grande/SE e Piaçabuçu/AL. Revista Do Departamento De Geografia, 37, 108-122. https://doi.org/10.11606/rdg.v37i0.155023
Seção
Artigos