Geoconservação no Geossítio Trilha Ubajara-Araticum, Parque Nacional de Ubajara, Ceará, Brasil

Palavras-chave: Geodiversidade, Geopatrimônio, Inventário

Resumo

O Parque Nacional de Ubajara, localizado no noroeste do Estado do Ceará, é um mosaico natural composto por floresta pluvionebular, a principal província espeleológica do estado e o contato do Glint da Ibiapaba e a depressão sertaneja, originando feições escarpadas de grande beleza cênica. A unidade de conservação também se destaca como polo de estudos científicos socioambientais, embora sejam poucos os orientados aos elementos da geodiversidade e do patrimônio geológico, resultando no desconhecimento das potencialidades dos elementos abióticos presentes. Nesse sentido, este trabalho propôs uma estratégia de geoconservação para o geossítio Trilha Ubajara-Araticum, que se caracteriza enquanto um retrato exemplar da estratigrafia da região. Para tanto realizou-se o inventário, a avaliação quantitativa e a proposição de ferramentas de valorização e divulgação. O geossítio Trilha Ubajara-Araticum é considerado de relevância nacional em todos os critérios de uso, destacando-se como espaço passível de utilização em atividades científicas, educativas e turísticas, tanto por suas aptidões como pelo baixo risco de degradação. As medidas de valorização e divulgação, compreendidas pela confecção de painel interpretativo, cartão postal, roteiro geoturístico e livro gráfico, expressam a diversidade de abordagens ambientais que o geossítio propicia, como a litológica, a geomorfológica e a paleoambiental. As propostas também expõem o caráter aplicado dos estudos em geoconservação ao integrar conceitos relativos às temáticas da interpretação ambiental, educação ambiental e geocomunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suedio Alves Meira, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Ceará

Doutorando em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceara (UFC), onde realiza pesquisa com foco no planejamento do Geopatrimônio do Parque Nacional de Ubajara, Ceará. Encontra-se inserido no Laboratório de Geoecologia da Paisagem e Planejamento (LAGEPLAN - UFC). Mestre em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), tendo como trabalho de dissertação pesquisa sobre o Patrimônio Geológico do Parque Nacional de Jericoacoara, Ceará. Bacharel em Geografia pela Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), com dois período sanduíche no exterior, o primeiro alocado no curso de Geografia e Planeamento da Universidade do Minho, Portugal (Bolsa Santander Luso-Brasileiro, 2012) e no segundo período alocado no curso de Geologia, também na Universidade do Minho (Bolsa Ciência sem Fronteiras, 2012-2013. Apresenta afinidade e trabalhos nas temáticas relativas ao Geopatrimônio, Geodiversidade, Geoconservação, Geoturismo, Geomorfologia, Geotecnologia e Pedologia.

Referências

BRILHA, J. Património Geológico e Geoconservação: A Conservação da Natureza na sua Vertente Geológica. Braga: Palimage Editores, 2005.
CAPUTO, M. V.; LIMA, E. C. Estratigrafia, idade e correlação do Grupo Serra Grande – Bacia do Parnaíba. In: Congresso Brasileiro de Geologia, 33.; 1984, Rio de Janeiro. Anais.... Rio de Janeiro: UFRJ, p. 740-753, 1984.
CARCAVILLA, L.; DURÁN, J. J.; LOPEZ-MARTÍNES, J. Geodiversidade: concepto y relación com el patrimônio geológico. Geo-Temas. v. 10, p. 1299-1303, 2008.
CARCAVILLA, L.; BERRIO, M. P.; BELMONTE, A.; DURÁN, J. J.; LÓPEZ-MARTÍNEZ, J. La divulgacíon de la Geologia al gran público: princípios y técnicas para el diseño de material escrito. Bol. R. Soc. Esp. Hist. Nat. Sec. Geol. v. 104, p. 93-110, 2010.
CAVALCANTE, J. C. Estratigrafia Precambriana do Estado do Ceará – Uma síntese. In: Simpósio de Geologia do Nordeste.; 1993. Atas... Natal, Núcleo Nordeste da SBG, v. 13. p. 313-316, 1993.
CPRM – Serviço Geológico Brasileiro. Carta Geológica Folha Frecheirinha (AS-24-Y-C-VI) em escala de 1:100.000. Brasília, DF: CPRM, 2014.
CPRM – Serviço Geológico Brasileiro. Geossit: cadastro de sítios geológicos. 2018. Disponível em: . Acesso em 19 ago. 2019.
DUNHAM, R. J. Classification of Carbonate Rocks According to Depositional Texture. In: HAM, W.E. (Ed.). Classification of Carbonate Rocks. Tulsa: AAPG, p. 108-121, 1962.
FOLK, R. L. Petrology of Sedimentary Rocks. Austin: University of Texas Publication, 1968.
FUERTEZ-GUTIÉRREZ, I.; FERNANDES-MARTINÉZ, E. Geosites Inventory in the Leon Province (Northwestern Spain): A Tool to Introduce Geoheritage into Regional Environmental Management. Geoheritage. v. 2, p. 57-75, 2010.
GRAY, M. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. Chichester: John Wiley and Sons, 2004. 434p.
GRAY, M. Geodiversity: developing the paradigm. Proceedings of the Geologists' Association, v. 119, p. 287-298, 2008.
GOÉS, A. M. O.; FEIJÓ, F. J. Bacia do Parnaíba. Boletim de Geociências da Petrobrás, v. 8, p. 57-67, 1994.
LIMA, L. C.; MORAIS, J. O.; SOUZA, M. J. N. Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Fortaleza: FUNECE, 2000.
MEIRA, S. A.; NASCIMENTO, M. A. L.; SÁ, A. A. A.; SILVA, E. V. O caminho das pedras: uma proposta de roteiro metodológico para atividades práticas em geoconservação. Estudos Geográficos, v. 15, n. 2, p. 57-77, 2017.
MOURA-FÉ, M. M. Planalto, cuesta, glint: a Geomorfologia da Ibiapaba Setentrional (região noroeste do Ceará, Brasil). Revista Brasileira de Geografia Física, v. 10, n. 6, p. 1846-1858, 2017a.
MOURA-FÉ, M. M. Análise das unidades geomorfológicas da Ibiapaba setentrional (noroeste do estado do Ceará, Brasil). Caminhos de Geografia, v. 18, n. 63, p. 240-266, 2017b.
PILÓ, L. B. Geomorfologia Cárstica. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 1, n. 1, p. 88-102, 2000.
ProGEO – The european association for the Conservation of the geological heritage. Conserving our Shared Geoheritage: A Protocol on Geoconservation Principles, Sustainable Site Use, Management, Fieldwork, Fossil and Mineral Collecting. 2011. Disponível em: . Acesso em 19 ago. 2019.
SHARPLES, C. A. Methodology for the identification of significant landforms and geological sites for geoconservation purposes. Tasmaia: Report to Forestry Commission Tasmania, 1993.
SHARPLES, C. A. Concepts and principles of geoconservation. 2002. Disponível em: . Acesso em 19 ago. 2019.
SOUZA, M. J. N.; LIMA, F. A. M.; PAIVA, J. B. Compartimentação topográfica do estado do Ceará. Ciên. Agron., v. 9, p. 77-86, 1979.
TILDEN, F. Interpreting our heritage. 3 ed. Chapel Hill: The University of North Carolina Press, 1977.
VAZ, P. T.; REZENDE, N. G. A. M.; WANDERLEY FILHO, J. R.; TRAVASSOS, W. A. S. Bacia do Parnaíba. Boletim de Geociências da Petrobrás, v. 15, n. 2, p. 253-263, 2007.
VIANA, M. S. S.; OLIVEIRA, P. V.; SOUSA, M. J. G.; BARROSO, F. R. G.; VASCONCELOS, V. A.; MELO, R. M.; LIMA, T. A.; OLIVEIRA, G. C.; CHAVES, A. P. P. Ocorrências icnofossiliferas do Grupo Serra Grande (Siluriano da Bacia Parnaíba), noroeste do estado do Ceará. Revista de Geologia, v. 23, n. 1, p. 77-89, 2010.
Publicado
2019-12-10
Como Citar
Meira, S., Dantas, T., Leite do Nascimento, M., & Da Silva, E. (2019). Geoconservação no Geossítio Trilha Ubajara-Araticum, Parque Nacional de Ubajara, Ceará, Brasil. Revista Do Departamento De Geografia, 38, 42-57. https://doi.org/10.11606/rdg.v38i1.156027
Seção
Artigos