Atributos químicos, físicos e mineralogia de Latossolos e sua relação com a paisagem no oeste do Paraná

Palavras-chave: Pedogênese, Latossolo, Paisagem, Oeste do Paraná

Resumo

Os solos fazem parte da paisagem e podem inferir sobre sua evolução. Em áreas de relevos mais estáveis é possível encontrar solos espessos e muito evoluídos pedogeneticamente, pois a natureza e a paisagem local permitiram tal evolução. Os solos guardam registros da sua evolução e através de seus atributos é possível inferir sobre seu atual estágio evolutivo. Com esse intuito foi realizado um estudo pedológico para investigar dois perfis de Latossolos em Marechal Cândido Rondon-Pr. A escolha desta classe de solos é justificada por ser a mais representativa da região e haver grande carência de estudos sobre a caracterização mineralógica e evolutiva desses solos na região oeste do Paraná. Foi estudado um perfil de alteração completo e um perfil de até dois metros de profundidade (seção de controle) visando obter uma primeira aproximação do nível de evolução da cobertura pedológica e os processos pedogenéticos atuantes. Neste trabalho foram realizadas análises químicas, físicas e mineralógicas, onde os resultados confirmam a natureza caulinítica dos Latossolos Vermelhos. A assembleia mineralógica é composta predominantemente por minerais 1:1 (Caulinita), mas também apresenta mineral 2:1 (Vermiculita com hidroxi-entrecamadas). Os resultados indicam que predominou o processo de monossialitização com hidrólise parcial ao longo da pedogênese, em concordância a paisagem local e ambiente de formação sob clima subtropical (muito intemperizado).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, A. C. & VIDAL-TORRADO, P. Esmectita, vermiculita, minerais com hidróxi entrecamadas e clorita. In: Melo, V.F.; Alleoni, L.R.F. (Ed.). Química e mineralogia do solo: Parte I - Conceitos básicos. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, cap. 6, p. 381-426, 2009.

BECKER, E. L. S.; BURIOL, G. A.; STRECK, N. A. Clima e Intemperismo na Formação dos Solos do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física 01 (2012) 33-46, 2012.

BOUTTON, T. W. Stable carbon isotope ratios of soil organic matter and their use as indicators of vegetation and climate change. In “Mass Spectrometry of Soils” (T. W. Boutton and S. Yamasaki, Eds.), pp. 47–82. Dekker, New York. (1996).

BROW G.; Brindley G.W. Crystal Structures of Clay Minerals and their X-ray Identification.MineralogicalSociety, 41 Queen's Gate, London SW7 5HR, 495 p. 1980.

CALEGARI, M. R. &MARCOLIN, L. Relação Solo - Paisagem na Bacia da Sanga Matilde Cuê, Marechal Cândido Rondon (Pr). Boletim de Geografia. Maringá, v. 32, n. 3, p. 110-121. 2014.

CAMARGO, O.A.; MONIZ, A.C.; JORGE, J.A.; VALADARES, J.M.A.S. Métodos de Análise Química, Mineralógica e Física de Solos do Instituto Agronômico de Campinas. Campinas, Instituto Agronômico, 2009. 77 p. (Boletim técnico, 106, Edição revista e atualizada).

CAMPOS, M. C.C.; CARDOZO, N. P.; MARQUES JÚNIOR, J. Modelos de paisagem e sua utilização em levantamentos pedológicos. Revista de Biologia e Ciências da Terra. Vol. 6. Nº 1.p. 104-114. 2006.

CAMPOS, M. C. Relações solo-paisagem: conceitos, evolução e aplicações. Revista Ambiência. V. 8. Nº 3. p. 963-982. 2012.

CAVIGLIONE, J. H; KIIHL, L. R. B.; CARAMORI, P. H.; OLIVEIRA, D. Cartas climáticas do Paraná. Londrina: IAPAR, 2000.

CURI, N. Lithosequence and toposequence of Oxisols from Goias and Minas Gerais States, Brazil. West Lafayette, Purdue University.158p. (Tese de Doutorado). 1983.

CURI, N.; FRANZMEIER, D.P. Topossequence of Oxisols from Central Plateau of Brazil.Soil Science Society American Journal.V. 48. p. 341-346. 1984.

DANIELS, R.B.; GAMBLE, E.F.; CADY, J.G.The relation between geomorphology and soil morphology and genesis. Adv.Agron., 23: 51-87, 1971.

DENT, D; HARTEMINK, A; KIMBLE, J. Soil: Earth skin. 16p. 2007. Disponível em: http://www.yearofplanetearth.org/. Consultado em 24/02/2015.

DIXON J.B. Kaolinite and serpentine group minerals.In: Minerals in Soil Environments (J.B. Dixon and S.B. Weed, editors). Soil Science Society of America, Madison, U.S.A, p. 357-403. 1977.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA.CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação. 353 p. 2013.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA.CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOLOS. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação. 353 p. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Solos do Estado de Santa Catarina. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento Nº 46. ISSN 1678-0892, 2004.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA.Manual de métodos de análise de solo. 2ª edição, Rio de janeiro, 1997. 212p.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA.Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Levantamento de Reconhecimento dos Solos do Estado do Paraná. Curitiba, EMBRAPA-SNLCS/SUDESUL/IAPAR, TOMO I, 791p. 1984.

FONTES, M. P. F; Intemperismo de rochas e minerais.p.171-206.In: KER, João Carlos; CURI, Nilton; SCHAEFER, Carlos Ernesto G.R; TORRADO, Pablo Vidal. Pedologia: Fundamentos. Viçosa, MG, SBCS, 343p. 2012.

GHIDIN, A. A.; MELO, V. F.; LIMA V. C.; LIMA, J. M. J. C.Topossequências de Latossolos originados de rochas basálticas no Paraná. I - Mineralogia da fração argila. Revista Brasileira de Ciência do Solo. 30: 293-306, 2006a.

KAMPF, N.; CURI, N. & MARQUES, J.J. Óxidos de alumínio, silício, manganês e titânio. In: Melo, V.F. &Alleoni, L.R.F., eds. Química e mineralogia do solo. Viçosa, MG, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, v.1. p.573-610. 2009.

KAMPF, N.; MARQUES, J. J.; CURI, N. IV- Mineralogia de solos brasileiros, p. 81-145.IN: Ker, J.C.; Curi, N.; Schaefer, C. E.G.R; Vidal-Torrado, P. V. Pedologia: Fundamentos. Viçosa, MG, SBCS, 343p. 2012.

KER, J. C. Mineralogia, sorção e dessorção de fosfato, magnetização e elementos traços de Latossolos do Brasil. Viçosa, MG, Universidade Federal de Viçosa (Tese de Doutorado). 181p. 1995.

KER, J. C.Latossolos do Brasil: uma revisão. Geonomos, 5(1):17-40, 1997.

MAGALHÃES, V. L.Gênese e evolução de sistemas pedológicos em unidades de paisagem do município de Marechal Cândido Rondon-PR.Maringá, PR 2013. 123 f. Tese (Doutorado em Geografia).

MELFI, A. J. & PEDRO, G. Estudo geoquímico dos solos e formações superficiais do Brasil. Parte 1- Caracterização e repartição dos principais tipos de evolução pedogeoquímica. Revista Brasileira Geociências, p. 271-286. 1977.

MELO, V. F.; SINGH, B.; SCHAEFER, C.E.G.R.; NOVAIS, R.F. &FONTES, M.P.F.Chemical and mineralogical properties of kaolinite-rich Brazilians oils. Soil Science Soc. Am. J, 65:1324-1333, 2001a.

MELO, V. F.; FONTES, M.P.F.; NOVAIS, R.F.; SINGH, B. &SCHAEFER, C.E.G.R. Características dos óxidos de ferro e de alumínio de diferentes classes de solos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 25:19-32, 2001b.

MELO, V. F.; & WYPYCH, F. Caulinita e Haloisita. In: Melo, V.F. &Alleoni, L.R.F., eds. Química e mineralogia do solo: Conceitos básicos. Parte 1. Viçosa, MG, Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, v.1. p.427-504, 2009.

MINEROPAR (Minerais do Paraná S/A). Projeto riquezas minerais: avaliação do potencial mineral e consultoria técnica no município de Marechal Cândido Rondon. Curitiba, (Relatório Final) 2001.

MINEROPAR, Minerais do Paraná. Atlas geomorfológico do Estado do Paraná: Escala base 1:250.000 modelos reduzidos 1500.00. Curitiba, Universidade Federal do Paraná, 2006.

MOORE, D.M; REYNOLDS, R.C. X-ray Diffraction and the Identification and Analysis of Clay Minerals, Oxford University Press, Oxford.1989.

MORESCO, M.D. Estudo de paisagem no município de Marechal Cândido Rondon-PR. Maringá. Dissertação (Mestrado em Geografia) –DGE/PGE/UEM. 2007.

NETTO, A. R. Influência da mineralogia da fração argila sobre propriedades físico químicas de solos brasileiros. Viçosa: – Universidade Federal de Viçosa. 144p. 1996.Dissertação (Mestrado).

POPP, J. H.Geologia geral.LTC- livros técnicos e científicos, 5ª edição. 376p, 1998.

QUEIROZ NETO, J.P. Geomorfologia e pedologia. Revista Brasileira de Geomorfologia. Volume 1, 59-67, 2000.

RAUEN, M.J. Mineralogicalidentificationof a toposequenceofsoilsfrombasaltic rocks in theStateof Paraná, Brazil. Lafayette, – PurdueUniversity. 161p., 1980. Tese (M. S.)

RESENDE, M. Mineralogy, chemistry, morphology and geomorphology of some soils of the Central Plateau of Brazil.West Lafayette, Purdue University (Tese de Doutorado), 237p.1976.

RESENDE, M. & SANTANA, D.P. Uso das relações Ki e Kr na estimativa da mineralogia para a classificação dos Latossolos. In: Reunião de classificação, correlação de solos e interpretação de aptidão agrícola, 3., Rio de Janeiro, 1988. Anais. Rio de Janeiro, Embrapa – SNLCS, SBCS, p.225-232. 1988.

RESENDE, M.; CURI, N.; KER, J.C.; REZENDE, S. B. Mineralogia de solos brasileiros: interpretações e aplicações. Editora UFLA. 192p. 2005.

SANTANA, D.P. Soilformation in a toposequenceofOxisolsfrom Patos deMinas region, Minas Gerais State, Brazil.West Lafayette, Purdue University, 129p. (Tese de Doutorado). 1984.

SANTOS, L. J. C.; OKA-FIORI, C.; CANALLI, N. E.; FIORI, A. P.; SILVEIRA, C. T..; SILVA, J. M. F.Mapeamento da vulnerabilidade Geoambiental do estado do Paraná.Revista Brasileira de Geociências. 37(4): 812-820. 2007.

SANTOS, L. J. C.; OKA-FIORI, C.; CANALLI, N. E.; FIORI, A. P.; SILVEIRA, C. T..; SILVA, J. M. F.; ROSS, J. L. S. Mapeamento Geomorfológico do Estado do Paraná. Revista Brasileira de Geomorfologia - Ano 7, nº 2, p.03-12. 2006.

SANTOS, R. D.; SANTOS, H. G.; KER, J. C.; ANJOS, L. H. C.; SHIMIZU, S. H.. Manual de Descrição e Coleta de Solos no Campo. SBCS. 102p.2015.

SCHAEFER, C.E.G.R.; FABRIS, J.D. & KER, J.C. Minerals in the clay fraction of Brazilian Latosols (Oxisols): A review. Clay Miner., 43:137-154, 2008.

TRICART, J. The landforms of the humids, forests and savanas.Longman.London. 1972.

UBERTI, A.A.; KLAMT, E. Relações solos-superfícies geomórficas na encosta inferior do nordeste do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Ciência do Solo. Campinas, V. 8. p. 229-234. 1984.

VIDAL-TORRADO, P.; LEPSCH, I.F .Relações material de origem/solo e pedogênese com uma sequência de solos predominantemente argilosos e latossólicos sobre psamitos na Depressão Periférica Paulista. Revista Brasileira de Ciência do Solo. Viçosa. V. 23. p. 357-369. 1999.

WALKLEY, A; BLACK, I. A. An examination of the Degtjareff method for determining soil organic matter and a proposed modification of the chromic acid titration method. Soil Sci., 37: 29-38. 1934.

Publicado
2020-06-23
Como Citar
Marcolin, L., & Calegari, M. (2020). Atributos químicos, físicos e mineralogia de Latossolos e sua relação com a paisagem no oeste do Paraná. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 48-61. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.158400
Seção
Artigos