Unidades de paisagem da Costa Branca, nordeste do Brasil

Palavras-chave: Costa semiárida brasileira, Costa do sal, Geografia costeira, Planície costeira

Resumo

A Costa Branca é uma porção da Costa Semiárida Brasileira que se estende por 230 km entre os estados do Ceará e o Rio Grande do Norte. Partindo de tal área como o recorte empírico da pesquisa, o objetivo do trabalho foi mapear as unidades de paisagem de sua planície costeira. A área, predominantemente semiárida, é composta por nove unidades de paisagem, que foram mapeadas mediante os aspectos fisionômicos (geofácies) visualizados na escala de 1:50.000, além da realização da subdivisão da Costa Branca em seis subcompartimentos. Para tanto, foram utilizadas técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto, por meio da vetorização de dados cartográficos em imagens de alta resolução, em conjunto com trabalhos de campo, propiciando o apontamento e discussão de potencialidades e fragilidades das unidades de paisagem. Em termos biogeográficos, o clima semiárido influencia na ocorrência, distribuição e formação peculiares da flora encontrada nos diferentes ambientes analisados. Mesmo sob condições de estresse hídrico anual, os ecossistemas aí encontrados ainda provêm uma série de serviços de grande importância para as comunidades tradicionais locais. Estes importantes aspectos devem ser levados em consideração para o gerenciamento costeiro deste trecho litorâneo específico do Brasil.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Túlio Mendonça Diniz, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor do Programa de Pós-graduação em Geografia/UFRN e do Departamento de Geografia - CERES - UFRN

Referências

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. Cruz, O. (trad.) Cadernos de Ciências da Terra. São Paulo: USP-IGEOG, n. 43, 1972.

BERTRAND, G.; BERTRAND, C. Uma Geografia transversal e de travessias: o meio

ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Massoni, 2007.

CEARÁ, 2006. Lei nº 13.796, de 30 de junho de 2006 (DOE - 30.06.06).

COSTA, D. F. S. Análise fitoecológica do manguezal e ocupação das margens do estuário hipersalino Apodi/Mossoró (RN – Brasil). 2010. Dissertação (Mestrado) - Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.

COSTA, D. F. S. Caracterização ecológica e serviços ambientais prestados por salinas tropicais. 2013. 206f. Tese (Doutorado em Ecologia, Biodiversidade e Gestão de Ecossistemas) - Programa de Pós-graduação em Biologia, Departamento de Biologia, Universidade de Aveiro. Aveiro – Portugal, 2013.

COSTA, D. F. S. Serviços ecossistêmicos prestados pelos manguezais do Rio Grande do Norte (Nordeste do Brasil). Os desafios da geografia física na fronteira do conhecimento, Campinas, v. 1, n. 1, p 1127-1136, 2017.

COSTA, D. F. S. et al. Breve revisão sobre a evolução histórica da atividade salineira no estado do Rio Grande do Norte (Brasil). Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 25, n. 1, p. 21-34, 2013.

COSTA, D. F. S. et al. Análise dos serviços ambientais prestados pelas salinas solares. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 41, p. 206-220, 2014a.

COSTA, D. F. S. et al. Análise fitoecológica e zonação do manguezal em um estuário hipersalino. Mercator (Fortaleza. Online), v. 13, p. 119-126, 2014b.

COSTA, D. F. S. et al. O sal de ontem e as salinas de hoje: análise da produção de sal marinho no Rio Grande do Norte. In: ALBANO, G.P.; ALVES, L.S.F.; ALVES, A.M. (Org.). Capítulos de Geografia do Rio Grande Norte. Natal: Imprensa Oficial do Rio Grande do Norte e CCHLA-UFRN, 2015, v. 2, p. 37-63.

DINIZ, M. T. M. Condicionantes socioeconômicos e naturais para a produção de sal marinho no Brasil: as particularidades da principal região produtora. 2013. 227f. Tese

(Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual do Ceará, 2013.

DINIZ, M. T. M.; OLIVEIRA, A. V. P. Mapeamento das unidades de paisagem do estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 38, n. 2, p. 342 - 364, 2018.

DINIZ, M. T. M.; OLIVEIRA, G. P. Proposta de compartimentação em mesoescala para o litoral do Nordeste Brasileiro. Revista Brasileira de Geomorfologia, Brasília, v. 17, p. 565-590, 2016.

DINIZ, M. T. M.; PEREIRA, V. H. C. Climatologia do estado do Rio Grande do Norte, Brasil: Sistemas atmosféricos atuantes e mapeamento de tipos de clima. Boletim Goiano de Geografia (Online), Goiânia, v. 35, p. 488-506, 2015.

DINIZ, M. T. M.; SILVA, S. D. R. O Método Indutivo e a pesquisa em Geografia: aplicação no mapeamento de unidades da Paisagem. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 28, n. 54, p. 731-745, 2018.

DINIZ, M. T. M.; VASCONCELOS, F. P. Aspectos históricos e dinâmica locacional da economia salineira brasileira. Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 43, p. 1-26, 2016.

DINIZ, M. T. M.; VASCONCELOS, F. P. Condicionantes naturais à produção de sal marinho no Brasil. Mercator (Fortaleza On-line), v. 16, p. 1-19, 2017.

DNPM. Departamento Nacional de Produção Mineral. Sumário Mineral. Brasília: DNPM/DIPLAM, 2015.

GUERRA, A. T. Dicionário Geológico-Geomorfológico. 8 ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 2009. 175p.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. 271p.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Normais Climatológicas do Brasil 1961-1990. Organizadores: Andrea Malheiros Ramos, Luiz André Rodrigues dos Santos, Lauro Tadeu Guimarães Fortes. Brasília, DF: INMET, 2009.

JUNK. W. J. et al. Brazilian wetlands: their definition, delineation, and classification for research, sustainable management, and protection. Aquatic Conserv: Ma. Freshw. Ecosyst., Chichester v. 24, n. 1, p. 05-22, 2014.

KOUSKY, V. E. Diurnall rainfall variation in the Northeast Brazil. Monthly Weather Review, Boston, v. 108, n. 4, p. 488 – 498. 1980.

LACERDA, L. D. The changing pressures on neotropical mangroves. ITTO Tropical Forest Update, Yokohama, v. 26, p. 8, 2017.

LOVELOCK, C. E. et al. Nutrient enrichment increases mortality of mangroves. PLoS ONE, San Francisco, v. 4, n. 5, e5600, 2009.

MAIA, R. P. Geomorfologia e neotectônica no vale do rio Apodi-Mossoró RN. Natal, 2012. 218f. Tese (Doutorado em Geodinâmica). Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

MEIRELES, A. J. A. Geomorfologia costeira: funções ambientais e sociais. 2. ed. Fortaleza: Edições UFC, 2014. 489p.

MEIRELES, A. J. A.; RUBIO, R. P. Un abordaje sistémico - las terrazas marinas como geoelemento de integración entre los procesos morfogenéticos en llanuras costeras. In: VII Congresso da ABEQUA, 1999, Porto Seguro. VII Congresso da ABEQUA. Porto Seguro - BA, 1999. v. 1.

PANIZZA, A.; FONSECA, F. Técnicas de interpretação visual de imagens. GEOUSP - Espaço e Tempo (Online), São Paulo, v. 30, p. 30-43, 2011.

PELLEGRINI, J. A. C. Caracterização da Planície Hipersalina (apicum) associada a um bosque de mangue em Guaratiba, Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro - RJ. 2000. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

SAYRE, R. et al. Natureza em foco: avaliação ecológica rápida. Arlington: The Nature Conservancy, 2003.

SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; COELHO JR., C.; TOGNELLA-DE-ROSA, M. Manguezais. São Paulo: Ática, 2004. 48 p.

SILVA, A. M. A et al. Zooplankton (Cladocera and Rotifera) variations along a horizontal salinity gradient and during two seasons (dry and rainy) in a tropical inverse estuary (Northeast Brazil). Pan-American Journal of Aquatic Sciences, Montevidéu: v. 4, n. 2, p. 226-238, 2009.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de angiospermas da flora brasileira, baseado em AGP II. Nova Odesa-SP: Instituto Plantarum, 2005. 640p.

SUGUIO, K. Geologia do quaternário e mudanças ambientais. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

TABOSA, W. F. T. Monitoramento Costeira das Praias de São Bento do Norte e Caiçara do Norte - RN. 2002. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2002.

TOMLINSON, P. B. The botany of mangroves. Cambridge: Cambridge University Press, 1986. 413 p.

VITAL, H. Rio Grande do Norte. In: MUEHE, D. (Org.). Erosão e Progradação do Litoral Brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério do Meio Ambiente (MMA), 2006, v. 1, p. 132- 154.

Publicado
2020-07-06
Como Citar
Diniz, M. T., Silva, S., Silva, J., & Costa, D. (2020). Unidades de paisagem da Costa Branca, nordeste do Brasil. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 169-183. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.159807
Seção
Artigos

Dados de financiamento

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)