Áreas Vulneráveis à Ocorrência de Acidentes Envolvendo Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Trecho Alagoano da Rodovia BR-101

Palavras-chave: Vulnerabilidade, produtos químicos, geoprocessamento, modal rodoviário

Resumo

O transporte de produtos químicos perigosos, enquanto parte integrante da cadeia produtiva, é considerado um fator de risco a acidentes, pois os sinistros podem ocorrer em qualquer lugar ao longo da rota. Nesse sentido, buscou-se identificar, localizar e mensurar as áreas vulneráveis sujeitas a sofrerem prejuízos materiais, humanos e ambientais na área de influência da Rodovia BR-101 que traspassa o território alagoano. O entendimento de áreas vulneráveis abordado neste trabalho agrega os fatores suscetibilidade e criticidade, já que são compostos por variáveis que apresentam características potenciais de serem impactados negativamente quando da exposição dos meios físico e antrópico aos produtos perigosos. Esses fatores foram integrados em um ambiente de sistema geográfico de informação, através do emprego de análise multicritério, mediante a estrutura integradora de média ponderada. Tal procedimento resultou em um mapa sinótico composto por quatro classes, ordenadas por níveis de vulnerabilidade, variando de muito baixa à alta. Destes, as classes somadas de baixa e média vulnerabilidade representaram 79,44% da área estudada. De modo geral, essas áreas abrangem terras usadas para fins de atividades agropastoris, como a criação extensiva de bovídeos e o cultivo da cana-de-açúcar. A classe de alta vulnerabilidade abrange uma proporção de 18,76% da mesma superfície analisada e os corpos d’água, os assentamentos humanos e as unidades de conservação da natureza se apresentam como locais demasiadamente críticos em situações de contato com as implicações dos produtos perigosos. Por fim, conclui-se que a variável criticidade tende a definir as áreas classificadas como de maior vulnerabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALHEIROS, M. M. Avaliação econômica de perdas ambientais na análise de riscos geológicos. In: Encontro Nacional da ECOECO, 1., 1996, Campinas. Anais... Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, 1996, p. 1-3.
ALONSO, M. A. et al. (Ed.). Guía para la elaboración de estudios del medio físico: contenido y metodología. 5. ed. Madrid: Mopu, Ceotma, 2004. 804 p. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2019.
ANDRADE, E. L. Áreas de risco ambiental aos acidentes com transporte rodoviário de produtos perigosos no trecho alagoano da rodovia BR-101: Uma proposta metodológica. 2016. 192 p. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Alagoas, 2016.
BELTRAMI, A. C. Acidentes com produtos perigosos: análise de dados dos sistemas de informações como subsídio às ações de vigilância em saúde ambiental. 2009. 46 f. Dissertação (Mestrado em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana) - Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2019.
BRASIL. Decreto-lei n. 2.063, de 6 de outubro de 1983. Dispõe sobre multas a serem aplicadas por infrações à regulamentação para a execução do serviço de transporte rodoviário de cargas ou produtos perigosos e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 7 out. 1983.
BRASIL. Decreto nº 96.044, de 18 de maio de 1988. Aprova o Regulamento para o transporte rodoviário de produtos perigosos e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 19 maio 1988.
BRASIL. Congresso; Câmara dos Deputados. Portaria nº 291, de 31 de maio de 1988. Baixas instruções complementares ao regulamento do transporte rodoviário de produtos perigosos. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 16 jun. 1988.
BRASIL. Decreto nº 875, de 19 de julho de 1993. Promulga o texto da convenção sobre o controle de movimentos transfronteiriços de resíduos perigosos e seu depósito. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 20 jul. 1993.
BRASIL. Decreto nº 1080, de 8 de março de 1994. Regulamenta o fundo especial para calamidades públicas (Funcap) e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 9 mar. 1994.
BRASIL. Agência Nacional de Transportes e Tráfego. Resolução nº 420, de 11 de fevereiro de 2004. Aprova As Instruções Complementares Ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. Brasília, DF: ANTT, 12 fev. 2004.
BRASIL. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Ministério dos Transportes. IPR-711: manual rodoviário de conservação, monitoramento e controle ambientais. 2 ed. Rio de Janeiro. Ministério dos Transportes, 2005. 68 p.
BRASIL. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Ministério dos Transportes (Org.). Anuário estatístico das rodovias federais 2010: Acidentes de trânsito e ações de enfrentamento ao crime. Brasília: Ministério dos Transportes e Ministério da Justiça, 2011. 687 p. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2019.
BROOKFIELD, H. Environmental damage: distinguishing human from geophysical causes. Environmental hazards: human and policy dimensions, v.1, n.1, p. 3-11, jun. 1999.
CALHEIROS, S.Q.C. Turismo versus agricultura no litoral meridional de Alagoas. 2000. v.1 e 2. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2000.
CHAKRABORTY, J.; MAANTAY, J. A.; BRENDER, J. D. Disproportionate proximity to environmental health hazards: Methods, models, and measurement. American Journal of Public Health, v. 101, n. 1, 27-36, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2019.
COELHO, L. R. BR 101: o caminho de ligação do Brasil. Logística Descomplicada, 2010. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2019.
COIMBRA, C. Visão histórica e análise conceitual dos transportes no Brasil. Rio de Janeiro: Cedop, 1974. 364 p.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO TRANSPORTE (Brasil). Anuário CNT do Transporte 2018. CNT, 2018. Disponível em: . Acesso em: 08 mar. 2019.
COSTA, M. A. da. O transporte de produtos perigosos no Brasil (parte 1/3). Logística Descomplicada, 2013. Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2019.
CUTTER, S. L. Vulnerability to environmental hazards. Progress in Human Geography, v. 20, n. 4, 529-539, 1996.
INSTITUTO DE LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN. Panorama ILOS: Custos logísticos no Brasil. Rio de Janeiro: Ilos, 2016.
ENOMOTO, C. F. Método para elaboração de mapas de inundação: estudo de caso na bacia do rio Palmital, Paraná. 2004. 132 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2004.
FRIESECKE, F. Precautionary and sustainable flood protection in Germany: strategies and instruments of spatial planning. Proceedings of 3rd FIG Regional Conference, Jakarta, 2004. Proceedings... Jakarta, 2004.
HOSSINI, V. The rule of vulnerability in risk management. Bonn: UNU, 2008. 51 p. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2019.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; Departamento Nacional de Trânsito; Associação Nacional de Transportes Públicos. Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras: relatório executivo. Brasília, DF: Ipea, 2006. 80 p. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2019.
PÉCURTO, P. C. F. Criação de um modelo para a implementação de um sistema de informação geográfica, à escala nacional, para a gestão da cartografia municipal de risco. 2010. 53 f. Dissertação (Mestrado Ciências Sociais e Humanas) - Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2010. Disponível em: . Acesso em: 6 abr. 2019.
REBELO, F. Riscos naturais e acção antrópica: estudos e reflexões. 2. ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2003. 289 p. Disponível em: . Acesso em: 1 abr. 2019.
SANTOS, J. de O. Relações entre fragilidade ambiental e vulnerabilidade social na susceptibilidade aos riscos. Mercator, v. 14, n. 2, 75-90, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.4215/rm2015.1402.0005. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2018.
SERMAN, C. Análise dos aspectos críticos em processos de concessão de rodovias. 2008. 287 f. Tese (Doutorado em Ciências em Engenharia de Transporte) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
STRAUCH, C. E. Acidentes com produtos químicos perigosos no transporte rodoviário no estado do Rio de Janeiro: propostas de melhoria nas ações que visam respostas emergenciais. 2004. 238 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2018.
UNITED NATIONS (UN). Recommendations on the transport of dangerous goods: Model Regulations. 20. ed. New York And Geneva: UN, 2017. 880 p. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2019.
XAVIER DA SILVA, J. Geoprocessamento para análise ambiental. Rio de Janeiro: J. Xavier da Silva, 2001. 228p.
Publicado
2019-12-10
Como Citar
Andrade, E., Calheiros, S., Nascimento, M., & Junior, S. (2019). Áreas Vulneráveis à Ocorrência de Acidentes Envolvendo Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Trecho Alagoano da Rodovia BR-101. Revista Do Departamento De Geografia, 38, 110-122. https://doi.org/10.11606/rdg.v38i1.159839
Seção
Artigos