Previsão de escorregamentos no município de Maceió (AL) a partir do modelo AHP

Palavras-chave: Geomorfologia, Suscetibilidade, Escorregamentos, AHP, Nordeste brasileiro

Resumo

A previsão de escorregamentos é bastante relevante para o planejamento territorial, na medida que indica os locais com maior probabilidade de serem atingidos por estes processos. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é avaliar a suscetibilidade a escorregamentos no litoral norte de Maceió, Nordeste do Brasil, por meio do modelo AHP (Analytic Hierarchy Process) em ambiente SIG (Sistemas de Informação Geográfica). Na hierarquização do modelo foram utilizados parâmetros relativos à geologia, à geomorfologia, aos solos, à declividade e à forma da encosta. A análise espacial foi realizada por meio de métodos multicritérios e álgebra de mapas com a ponderação das variáveis via AHP. Para a validação dos resultados, foi utilizado um mapa de inventário com 29 cicatrizes de escorregamentos mapeadas do ano de 2017. Os resultados mostraram que o mapa de suscetibilidade apresentou um predomínio da classe de suscetibilidade média, ou seja, com médio potencial para ocorrência de escorregamentos. Nesse sentido, as classes de suscetibilidade baixa, média e alta, apresentaram, respectivamente, uma frequência de 26%, 64% e 10%. Ao validar os resultados, 69% das cicatrizes de escorregamentos concentraram-se na classe de suscetibilidade alta; 30% na classe de suscetibilidade média e, apenas, 1% na classe de suscetibilidade baixa, indicando sucesso na previsão realizada. Os mapeamentos indicaram que os locais mais suscetíveis a escorregamentos se situam nas áreas de encostas, principalmente quando correlacionadas com a forte influência da declividade e dos padrões côncavos do terreno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabrizio de Luiz Rosito Listo, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Geografia Física pela Universidade de São Paulo (USP), é professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), atuando no Departamento de Ciências Geográficas. Na Graduação, é responsável pelas disciplinas da área de Geotecnologias. Membro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGEO) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É Líder do Grupo de Pesquisa ENPLAGEO (Grupo de Pesquisa em Geotecnologias Aplicadas a Geomorfologia de Encostas e Planícies) junto ao Departamento de Ciências Geográficas da UFPE. É membro do Conselho da União da Geomorfologia Brasileira (Gestão 2017-2020). Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia e Geotecnologias aplicadas à Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: processos de dinâmica superficial em ambientes tropicais úmidos e semiáridos; cartografia de risco; geoprocessamento, modelos matemáticos de previsão e desastres naturais. Recebeu em 2013 o prêmio Young Geomorphologists durante a 8th International Conference on Geomorphology realizada em Paris pela International Association of Geomorphologists (IAG).

Nivaneide Alves de Melo Falcão, Universidade Federal de Alagoas

Possui graduação em Geografia (Bacharelado) pela Universidade Federal da Paraíba (1998), mestrado (2001) e doutorado (2007) em Geociências pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é professora do curso de bacharelado e licenciatura em Geografia e também do Mestrado em Geografia da Universidade Federal de Alagoas. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: análise ambiental por geoprocessamento, mapeamento geomorfológico, diagnóstico ambiental, degradação ambiental e educação ambiental. É coordenadora do Laboratório de Geomorfologia e Solos - GEOMORFOS da Universidade Federal de Alagoas.

Danielle Gomes da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Possui graduação em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2005), mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2007) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de Pernambuco (2013). Atualmente é docente da Universidade Federal de Pernambuco e líder do Grupo de Estudos em Mapeamento Geomorfológico e do Quaternário Continental (GEODEQC) e vice-líder do Grupo de Pesquisa em Geotecnologias Aplicadas a Geomorfologia de Encostas e Planícies da Universidade Federal de Pernambuco, onde atua como pesquisadora. Tem experiência na área de Geografia Física, com ênfase em Geomorfologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Geomorfologia do Quaternário, Cartografia Geomorfológica e Geomorfologia de Ambientes Semiáridos.

Referências

AUGUSTO FILHO, O. Caracterização geológico-geotécnica voltada à estabilização de encostas: uma proposta metodológica. In: Conferência Brasileira sobre Estabilidade de Encostas, 1992, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABMS/ABGE/PUCRJ, 1992. p.721-733.

BRASIL. Lei Federal n. 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 29 de dezembro de 1979. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/> Acesso em: 10 jan. 2017.

BRASIL. Mapeamento de Riscos em Encostas e Margem de Rios. Celso Santos Carvalho, Eduardo Soares de Macedo e Agostinho Tadashi Ogura, (orgs). – Brasília: Ministério das Cidades; Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007. 175 p.

BRITO, M. M. Geoprocessamento aplicado ao mapeamento da suscetibilidade a escorregamentos no município de Porto Alegre, RS. 2014. 167 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, 2014.

CAMARINHA, P. I. M.; CANAVESI, V.; ALVALÁ, R. C. S. Shallow landslide prediction and analysis with risk assessment using a spatial model in a coastal region in the state of São Paulo, Brazil. Natural Hazards and Earth System Sciences, v. 14, 2449-2468, 2014.

CARDOZO, F. S.; HERRMANN, M. L. P. Uso da técnica AHP no mapeamento de áreas suscetíveis a escorregamentos. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 15; 2011, Curitiba. Anais... Curitiba: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2011. p. 4134-4141.

CARVALHO, C. M.; RIEDEL, P. S. Técnicas de Geoprocessamento aplicadas ao estudo da suscetibilidade a escorregamentos. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 9; 2005, Goiânia. Anais... Goiânia: INPE, 2005. p. 2901 - 2908.

COSTA, J. de A.; RAMOS, V. A. Espaço urbano de Maceió: ambiente físico e organização sócio – econômica. In: ARAUJO, L.M. Geografia espaço, tempo e planejamento. Maceió: Edufal, 2004. pp. 191-205.

CPRM, IPT. Cartas de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundações: 1:25.000. Coordenação Omar Yazbek Bitar. São Paulo: IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Brasília: CPRM – Serviço Geológico do Brasil, 2014.

CREPANI, E. et al. Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico Econômico e ao Ordenamento Territorial. INPE, São José dos Campos, 2001.

FELL, R. et al. Guidelines for landslide susceptibility, hazard and risk zoning for land-use planning. Engineering Geology. v. 102, 83-111, 2008.

GAO, J. Indentification of Topographic Settings Conductive to Landsliding from Nelson County, Virginia, U.S.A. Earth Surface Processes and Landforms, 1993. 79-591p.

GUERRA A J T. et al. Slope Processes, Mass Movement and Soil Erosion: A Review. Pedosphere. v. 27, 27–41, 2017.

GUIDICINI, G.; NIEBLE, C. M. Estabilidade de taludes naturais e de Escavação. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher; 1984.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. População estimada, 2018. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/maceio/>. Acesso em: 02 maio de 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. Manual técnico de geomorfologia – 2. ed. - Rio de Janeiro: IBGE, 2009.182 p.

LISTO, F. L. R.; VIEIRA, B. C. Análise de Condicionantes Topográficos como subsídio para avaliação de áreas de risco a escorregamentos rasos. Recife, Revista de Geografia, vol. especial, n. 3, 193-207, 2010.

LISTO, F. L. R. Análise da suscetibilidade e do grau de risco a escorregamentos rasos na bacia do Alto Aricanduva, RMSP (SP). 2011. 151 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MACEIÓ. Plano Municipal de Redução de Risco. Maceió: Prefeitura Municipal, 2007 a.

MACEIÓ. Lei municipal n. 5.593, de fevereiro de 2007. Maceió: Prefeitura Municipal, 2007 b.

MARTINS, T.D.; OKA-FIORI, C.; VIEIRA, B. C. Mapeamento de cicatrizes de escorregamentos utilizando imagem multiespectral. Revista do Departamento de Geografia. v. 30, 96-109, 2015.

MENEZES JÚNIOR, E. M. Análise geomorfológica da suscetibilidade a deslizamentos na folha Paulista (1:25.000) 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – UFPE, Recife, 2015.

MOLION, L.C.B.; BERNARDO, S.O. Uma revisão da dinâmica das chuvas no Nordeste brasileiro. Revista Brasileira Meteorologia. v. 17, 1-10, 2002.

PFALTZGRAFF, P. A. dos S. Mapa de suscetibilidade a deslizamentos da região metropolitana de Recife. 2007. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

REIS, S.; et al. Remote sensing and GIS-based landslide susceptibility mapping using frequency ratio and analytical hierarchy methods in Rize province (NE Turkey). Environmental Earth Sciences. v. 66, n. 7, 2063-2073, 2012.

RODRIGUES, B. T.; CALHEIROS, S. Q. C.; DE MELO, N. A. Potencial de movimento de massa no município de Maceió-Alagoas. Geo UERJ. v. 1, n. 24, 207-227, 2007.

SAATY, T. L. Método de Análise Hierárquica. São Paulo: Mcgraw-hill, 1991.

SAATY, T. L. Relative measurement and Its generalization in decision making why Pairwise comparisons are Central in mathematics for the measurement of intangible factors the Analytic Hierarchy Process. Rev. R. Acad. Cien. Serie A. Mat. – RACSM. v.102, n. 2, 251–318, 2008.

SHAHABI, H. et al. Landslide susceptibility mapping at central Zab basin, Iran: A comparison between analytical hierarchy process, frequency ratio and logistic regression models. CATENA, v. 115, 55–70, 2014.

SELBY, M. J. Hillslope: materials & processes, New York, 1993.

SOUZA, J. L.; et. al. Características pluviométricas representativas do tabuleiro costeiro de Alagoas, período 1972-1996, 1998, Brasília. In: Anais... Brasília: VII CBM, 1998. p.1-5.

TORRES, F. S. M. Carta de suscetibilidade a movimentos de massa e erosão. 2014. 106 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

TRAN L. K. CG.; et al. Environmental assessment fuzzy decision analysis for integrated environmental vulnerability of the mid-atlantic region. Environ Manag. v. 29, 845–859, 2002.

VALERIANO, M.M.; CARVALHO JÚNIOR, O. A. Geoprocessamento de modelos digitais de elevação para mapeamento da curvatura horizontal em microbacias. Revista Brasileira de Geomorfologia. v. 1, 17-29, 2003.

Publicado
2020-07-06
Como Citar
Bispo, C., Listo, F., Falcão, N., & Silva, D. (2020). Previsão de escorregamentos no município de Maceió (AL) a partir do modelo AHP. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 88-101. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.161388
Seção
Artigos