Prevenção da hipotermia no transoperatório: comparação entre manta e colchão térmicos

  • Ariane Marques Moysés Paulista State University
  • Armando dos Santos Trettene University of Sao Paulo; Hospital for Rehabilitation of Craniofacial Anomalies
  • Laís Helena Camacho Navarro Paulista State University; Faculty of Medicine
  • Jairo Aparecido Ayres Paulista State University; Department of Nursing

Resumo


O objetivo deste estudo foi comparar a eficiência da manta e colchão térmicos na prevenção da hipotermia no transoperatório. Participaram 38 pacientes randomizados em 2 grupos (G1 – manta térmica e G2 – colchão térmico). As variáveis estudadas foram: tempo cirúrgico, tempo de permanência na sala de recuperação pós-anestésica, tempo sem a utilização do dispositivo térmico após a indução anestésica, tempo de transporte entre a sala cirúrgica e a de recuperação, infusão defluido no intraoperatório, porte cirúrgico, técnica anestésica, idade, índice de massa corpórea, temperatura axilar, esofágica e da sala cirúrgica. No G2, o tempo cirúrgico e a infusão de amido foram maiores (ambos p=0,03), porém, não ocorreu hipotermia. Durante o procedimento anestésico cirúrgico, a temperatura axilar foi maior aos 120 minutos (p=0,04) e a temperatura esofágica foi maior aos 120 (p=0,002), aos 180 minutos (p=0,03) e ao final da cirurgia (p=0,002). O colchão térmico mostrou-se mais eficaz na prevenção da hipotermia no transoperatório.


Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-04-01
Como Citar
Moysés, A., Trettene, A., Navarro, L., & Ayres, J. (2014). Prevenção da hipotermia no transoperatório: comparação entre manta e colchão térmicos . Revista Da Escola De Enfermagem Da USP, 48(2), 228-235. https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000200005
Seção
Artigos Originais