Estratégia e vantagem competitiva no mercado brasileiro de telecomunicações: um estudo de casos múltiplos para o período de 1999 a 2007

  • Rodolfo Ribeiro Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Marcelo Moraes Garcia Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Alexandre Luzzi Las Casas Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: Vantagem competitiva, Estratégia, Telecomunicações

Resumo

Este artigo analisa o mercado brasileiro de telecomunicações no período pós-privatização (1999 a 2007), com o objetivo de estabelecer uma comparação entre as razões que levaram ao melhor e ao pior desempenho econômico registrados entre os competidores desse mercado. Público até 1998, o setor registrou crescimento em seus principais índices após a privatização. Esta pesquisa contou com dois procedimentos metodológicos: o estabelecimento de um ranking de rentabilidade das empresas do mercado, baseado no critério de rentabilidade definido por Matarazzo (1997), e um posterior estudo de casos múltiplos, no qual os casos selecionados foram aqueles que apresentaram o melhor e o pior desempenho econômico durante o período de análise. Os resultados sugerem que as principais razões para o desempenho superior foram uma estratégia de redução de custos e a posse de recursos intangíveis, materializados em uma forte cultura organizacional de geração de resultados financeiros. Por outro lado, os motivos que levaram uma empresa ao pior desempenho registrado no período foram estratégias equivocadas relativas ao padrão tecnológico do setor e o investimento em índices de rentabilidade questionável, como a participação de mercado. As empresas que ilustraram as condições de melhor e pior desempenho foram, respectivamente, Telefonica e Vivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-09-01
Como Citar
Ribeiro, R., Garcia, M., & Las Casas, A. (2010). Estratégia e vantagem competitiva no mercado brasileiro de telecomunicações: um estudo de casos múltiplos para o período de 1999 a 2007 . REGE Revista De Gestão, 17(3), 297-312. https://doi.org/10.5700/issn.2177-8736.rege.2010.36709
Seção
Estratégia Empresarial