A historiografia do Império Romano tardio: do Estado máximo ao Estado mínimo, e de volta outra vez

  • Uiran Gebara da Silva Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas. Departamento de História
Palavras-chave: Império romano tardio, governo romano, economia antiga, historiografia, concepções de Estado

Resumo

Este artigo analisa os modelos conceituais de Estado utilizados pela historiografia sobre o Império romano tardio ao longo do século XX. A argumentação busca demonstrar que é possível observar uma alternância entre concepções opostas de Estado, ora maximalistas, ora minimalistas e que tais concepções quase sempre se apresentam como estruturas explicativas da história do Império romano tardio, considerando a extensão do Estado como causa da desarticulação ou da manutenção do sistema romano no Mediterrâneo. O texto analisa a historicidade dessas concepções, e demonstra sua conexão com o debate entre modernismo e primitivismo na economia antiga; critica igualmente os pressupostos e a quase ubiquidade das categorizações e ideologias liberais na historiografia (mesmo entre autores marxistas). Na conclusão demonstramos como a oposição historiográfica entre concepções minimalistas e maximalistas obscurecem o entendimento das relações de classe desenvolvidas no interior do sistema de governo imperial romano tardio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Uiran Gebara da Silva, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas. Departamento de História
Pós-doutorando em História Antiga no Departamento de História na Universidade de São Paulo com auxílio Fapesp. Estágio de Pós doutoramento na Faculty of Classics da Universidade de Orxford.
Publicado
2017-11-14
Seção
Artigos