Dicionários infantis de Pedro Bloch

compêndios sobre a graciosa sabedoria da criança

Palavras-chave: criança, dicionário, História, humor, Pedro Bloch

Resumo

Na segunda metade do século XX, o médico foniatra e escritor Pedro Bloch (1914-2004) publicou livros infantis e tratados sobre a voz e a fala de crianças. Bloch ouvia os pequenos e registrava suas interpretações do mundo, que soavam engraçadas. Neste artigo analisamos como fontes seus dois dicionários infantis (1998 e 2001), partindo da hipótese de que eles marcam o surgimento de uma nova posição da criança na cultura e na sociedade, na qual ela passa a exercer papel de interlocutora legítima. Metodologicamente nossa leitura se escora no ideário de autores como R. Darnton, J. Huizinga, R. Williams e, especialmente, da História cultural do humor de J. Bremmer e H. Roodenburg, que apostam na comicidade como chave para a compreensão de fenômenos históricos e culturais, o que concluímos ter ocorrido nesses volumes que consideram o posicionamento infantil e apontam a possibilidade de uma nova escrita da história da criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Rodrigues, Universidade de São Paulo
Sou doutora em História pela USP, onde também conclui bacharelado, licenciatura,  mestrado e pós-doutorado na área de História. Tenho  experiência na área de História, com ênfase em História Cultural e Teoria da História, atuando principalmente nos seguintes temas: José Saramago ; João Guimarães Rosa ; História e Literatura, História e Infância e História e Humor.

Referências

Referências bibliográficas

Fontes

BLOCH, Pedro. Dicionário de anedotas: de crianças para adultos. Rio de Janeiro: Revinter, 2001.

BLOCH, Pedro. Dicionário de humor infantil. 3ª edição. Ilustrações de Mariana Massarani. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998.

Bibliografia básica

BLOCH, Pedro. A sabedoria da criança: você conhece seu filho? Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1998a.

BLOCH, Pedro. Criança diz cada uma. Rio de Janeiro: Biblos, 1963.

BLOCH, Pedro. Criança é isso aí. Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1980.

BLOCH, Pedro. Essas crianças de hoje! Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1970.

BLOCH, Pedro. Histórias de rir, de sentir e pensar. Rio de Janeiro: Editora Bloch, s. d.

BLOCH, Pedro. O incrível humor infantil. Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1989.

BLOCH, Pedro. O problema da gagueira. Rio de Janeiro: Brasiluso, 1958. (Coleção Fala)

BLOCH, Pedro. Poxa, que meninos! Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1977.

BLOCH, Pedro. Você tem personalidade? Rio de Janeiro: Editora Bloch, 1974.

Bibliografia geral

ALMEIDA, Sandra Irene Cubas de. 105 anos de foniatria. Braz. J. Otorhinolaryngol, vol. 76, n. 3 (impr.), São Paulo, jun. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-86942010000300001. Acesso em: 30 jul. 2019.

APTE, Mahadev L. Humor and laughter: an anthropological approach. Nova York: Cornell University Press, 1985.

APUD, Adriana. Participación infantil. In: Enredate con Unicef, s. d. Disponível em: http://www.sename.cl/wsename/otros/unicef.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019.

ATTARDO, Salvatore (org.). Encyclopedia of humor studies (versão eletrônica). Nova York: Sage Publications, 2014.

BECCHI, Egle & JULIA, Dominique. Histoire de l’enfance. Paris: Seuil, 1998. (L’Univers historique)

BENJAMIN, Walter. A hora das crianças: narrativas radiofônicas de Walter Benjamin. Tradução de Aldo Medeiros. Rio de Janeiro: NAU, 2015.

BLOCH, Arnaldo. Os irmãos Karamabloch: ascensão e queda de um império familiar. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

BONNELL, Victoria E.; HUNT, Lynn; BIERNACKI, Richard. Beyond the cultural turn: new directions in the study of society and culture. Berkeley: University of California Press, 1999.

BORBA, Francisco da Silva. Organização de dicionários: uma introdução à lexicografia. São Paulo: Edusp, 2003.

BREMMER, Jan & ROODENBURG, Herman (org.). Humor e história. In: Idem. Uma história cultural do humor. Tradução de Cynthia Azevedo e Paulo Soares. Rio de Janeiro: Record, 2000, p. 13-25.

BUTTI, Cassiano. Léxico e cognição: as representações de mundo por meio de designações infantis. Dissertação de mestrado na área de Letras, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2007.

CASTELLO, Luís Alberto. & MÁRSICO, Claudia Teresa. O oculto nas palavras: dicionário etimológico para ensinar e aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico da literatura infantil e juvenil brasileira: séculos XIX e XX. São Paulo: Edusp, 1995.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2009.

DARNTON, Robert. Os filósofos podam a árvore do conhecimento: a estratégia epistemológica da “Encyclopédie”. In: Idem. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. 5ª edição. Tradução de Sonia Coutinho. Rio de Janeiro: Graal, 1986, p. 247-276. (Biblioteca de História, 13)

DARNTON, Robert. Os processos do Iluminismo. In: Idem. Os dentes falsos de George Washington: um guia não convencional para o século XVIII. Tradução de José Geraldo Couto. São Paulo: Cia das Letras, 2005, p. 17-39.

DEL RÉ, Alessandra. et al. Diversão partilhada, humor e ironia. In: DEL RÉ, Alessandra & MENDONÇA, Luciane P. M. C. (org.). Explorando o discurso da criança. São Paulo: Contexto, 2014, p. 35-54.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. 8ª edição. Tradução de Salma Tannus Muchail. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1999. (Coleção Tópicos)

FREITAS, Marcos Cézar de & KUHLMANN, Moysés (org.). Os intelectuais e a história da infância. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

GaLLAGHER, Catharine & GREENBLATT, Stephen. Contra-história e anedota. In: Idem. A prática do novo historicismo. Tradução de Gilson César Cardoso de Souza. Bauru: Edusc, 2005, p. 59-88. (Coleção História)

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano e as ideias de um moleiro perseguido pela inquisição. Tradução de Maria Betânia Amoroso. São Paulo: Cia das Letras, 1987.

GINZBURG, Carlo. Tolerância e comércio: Auerbach lê Voltaire. In: Idem. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Cia das Letras, 2007, p. 112-38.

HART, Roger A. Children participation: from tokenism to citizenship. Innocenti Essays, nº 4, Unicef International Child Development Centre, Florença, Itália, 1992.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens – o jogo como elemento da cultura. 5ª edição. Tradução de João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva. 2001.

NARANJO, javier (org.). Casa das estrelas: o universo contado pelas crianças. Ilustrações de Lara Sabatier. Tradução de Carla Branco. Rio de Janeiro: Foz, 2013.

OLARIETA, Beatriz Fabiana. Filosofar com as crianças: um trabalho sobre o excesso das palavras. Childhood & Philosophy, vol. 13, n. 26, jan.-abr. 2017, p. 21-34.

OLARIETA, Beatriz Fabiana. O sol e as laranjas. Ou sobre o lugar onde as crianças e a poesia se encontram. Childhood & Philosophy, vol. 9, n. 17, jan.-jun. 2013, p. 11-23.

PIACENTINI, Telma Anita. Imagens da infância: uma possível historiografia da infância. Revista Linhas, vol. 14, n. 26, Florianópolis, jan.-jun. 2013, p. 157-170.

POSSENTI, Sírio. Fazendo as palavras render: o inconsciente é infantil? In: Idem. Humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas: Mercado de Letras, 1998, p. 93-108.

POSSENTI, Sírio. Humor de criança. In: Idem. Humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas: Mercado de Letras, 1998a, p. 141-50.

REIS, Maria Fernanda de Moura. O dicionário para escolas primárias de Ludwig Wittgenstein e a virada linguística. Dissertação de mestrado em Educação, USP, 2010.

RODRIGUES, Camila. A hora da história das crianças. Revista História da Historiografia, vol. 22, Ouro Preto, Rio de Janeiro, 2016, p. 289-294.

RODRIGUES, Camila. Pedro Bloch: um escutador da graça das crianças. Childhood & Philosophy, vol. 14, n. 29, Rio de Janeiro, jan.-abr. 2018, p. 109-128.

SALIBA, Elias Thomé. Crocodilos, satíricos e humoristas involuntários: ensaios de história cultural do humor. São Paulo: Intermeios; Programa de Pós-Graduação em História Social, USP, 2018. (Coleção Entr(H)istória)

SALIBA, Elias Thomé. História cultural do humor: balanço provisório e perspectivas de pesquisas. Revista de História, n. 176, 2017, p. 1.

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do riso: a representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Cia das Letras, 2002.

SCHILLER, Friedrich. A educação estética do homem numa série de cartas. Tradução de Roberto Schwarz e Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 2014. (Biblioteca Pólen)

SIMÕES, Darcilia Marindir Pinto. Considerações sobre a fala e a escrita: fonologia em nova chave. São Paulo: Parábola, 2006.

TOURAINE, Alain. O retorno do actor: ensaio sobre sociologia. Tradução de Armando Pereira da Silva. Lisboa: Instituto Piaget, 1984. (Coleção Economia e Política)

WILLIAMS, Raymond. Estructuras del sentir. In: Idem. Maxismo y literatura. Tradução de Pablo di Masso. Barcelona: Ediciones Península, 1997, p. 150-8.

Wittgenstein, Ludwig. Aforismos: cultura e valor. Tradução de Elsa Cecilia Frost. Madri: Espasa Calpe, 1995.

Wittgenstein, Ludwig. Prefácio. In: REIS, Maria Fernanda de Moura. O dicionário para escolas primárias de Ludwig Wittgenstein e a virada linguística. Dissertação de mestrado em Educação, USP, 2010, p. 133-9.

Zimmermann, Karina Hess. Children’s humor research. In: ATTARDO, Salvatore (org.). Encyclopedia of humor studies (versão eletrônica). Nova York: Sage Publications, 2014.

Publicado
2019-08-29
Seção
Artigos