Entre o subsídio e a subversão

Negociações e disputas ao redor dos "batuques" e das "danças nativas" no Sul de Moçambique (1900-1950)

Palavras-chave: Sul de Moçambique, música, dança, espetacularização, colonialismo

Resumo

Ao longo da primeira metade do século XX, o linguajar colonial português unificou diferentes práticas musicais e dançantes das populações do sul de Moçambique no termo batuque. Por um lado, o artigo pretende analisar os processos de transformação dessas práticas no contexto de colonização portuguesa, promovedor de uma homogeneização e espetacularização das diversidades socioculturais existentes naquela região, incorporando-as à retórica da dominação. Por outro lado, acompanhar as entrelinhas das apresentações dos “batuques” e das “danças nativas” para um público não praticante revela traços de uma multifacetada experiência das populações sul-moçambicanas colonizadas que, por meio de suas ações, produziram incontáveis e inesperadas reinterpretações e ressignificações de suas próprias práticas e experiências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Serva Pereira, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em História Social da África pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, com financiamento da Fundação de Amparo e Pesquisa de São Paulo – Fapesp (2013/11516-8). Pós-doutorando no Departamento de História da Unicamp, com pesquisa sendo desenvolvida no Centro de Pesquisa em História Social da Cultura (Cecult-Unicamp), Campinas, Brasil, e investigador visitante no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa), Portugal. Ambas as atividades são financiadas pela Fapesp (2017/07096-4 e 2018/05617-0). Investigador no Projeto Indigenous colonial archives: microhistories and comparisons (PTDC/HAR- HIS/28577/2017).

Referências

ALLINA, Eric. Para compreender a “escravidão moderna”: vozes dos arquivos. Cadernos de Estudos Africanos (online), n. 33, jan.-jun. 2017, p. 131-155. ISSN: 2182-7400. Disponível em https://journals.openedition.org/cea/pdf/2216. Acesso em: 21 set. 2018. DOI: 10.4000/cea.2216.

CENTRO DE ESTUDOS AFRICANOS. O mineiro moçambicano: um estudo sobre a exportação de mão de obra em Inhambane. Maputo: Centro de Estudos Africanos, Universidade Eduardo Mondlane, [1977] 1998.

COOPER, Frederick. Colonialism in question: theory, knowledge, history. Berkeley e Los Angeles: University of California, 2005.

CORBEY, Raymond. Ethnographic showcases, 1870-1930. Cultural Anthropology, vol. 8, n. 3, 1993, p. 338-369.

CRAVEIRINHA, José. O folclore moçambicano e as suas tendências. Maputo: Alcance Editores, 2009.

DOMINGOS, Nuno. Cultura popular urbana e configurações imperiais. In: JERÓNIMO, Miguel Bandeira (org.). O império colonial em questão (séc. XIX-XX). Poderes, saberes e instituições. Lisboa: Edições 70, 2002.

FILIPE, Eléusio dos Prazeres Viegas. A invenção de uma sociedade lusotropical na era da descolonização em África: música e espaços culturais em Lourenço Marques entre 1960-1974. In: MATTOS, Regiane Augusto de (org.). Áfricas: histórias, identidades e narrativas. Rio de Janeiro: Editora Prismas, 2017.

HARRIES, Patrick. Work, culture, and identity: migrant laborers in Mozambique and South Africa, c. 1860-1910. Portsmouth: Heinemann/ Joanesburgo: Witwatersrand University Press/ Londres: James Currey, 1994.

LARANJEIRA, Rui. A Marrabenta – sua evolução e estilização, 1950 – 2002. Maputo: Minerva Print, 2014.

MANGHEZI, Alpheus. Massacane: uma cooperativa de mulheres velhas no sul de Moçambique. Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique, 2003.

MANGHEZI, Alpheus. Guijá, Província de Gaza 1895-1977: trabalho forçado, cultura obrigatória do algodão, o Colonato do Limpopo e reassentamento pós-independência. Entrevistas e canções recolhidas 1979-1981. Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique, 2003.

MARTINS, Leonor Pires. Um império de papel: imagens do colonialismo português na imprensa periódica ilustrada (1875-1940). Lisboa: Edições 70, 2014.

MATOS, Patrícia Ferraz de. As cores do Império: representações raciais no Império colonial português. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais – ICS, 2006.

MEDEIROS, António Fernando Gomes. A primeira exposição colonial portuguesa e a representação etnográfica das províncias. In: Dois lados de um rio: nacionalismo e etnografias na Galiza e em Portugal. Lisboa: ICS, 2006.

PEREIRA, Matheus Serva. The Lourenço Marques Frontier Limitation Committe and its pictorial records (Mozambique – 1891). In: RICE-UNICAMP SEMINAR III. CROSSING PLACES, CROSSING CULTURES. Resumos. Houston, 2015.

SERÉM, Maria do Carmo. A porta do meio: a Exposição Colonial de 1934: fotografias da casa Alvão. Porto: Centro Português de Fotografia, 2001.

SERRA, Filomena. Visões do Império: a 1ª Exposição Colonial Portuguesa de 1934 e alguns dos seus álbuns. Revista Brasileira de História da Mídia (RBHM), vol. 5, n. 1, jan.-jun. 2016.

SOPA, António. A alegria é uma coisa rara – subsídios para a história da música popular urbana em Lourenço Marques (1920-1975). Maputo: Marimbique, Conteúdos e Publicações Ltda., 2014.

THOMAZ, Omar Ribeiro. Ecos do Atlântico sul: representações sobre o terceiro Império português. Rio de Janeiro: Editora UERJ/Fapesp, 2002.

TRACEY, Hugh. Chopi musicians. Their music, poetry, and instruments. Londres: Oxford University Press, 1970.

VAIL Leroy & WHITE, Landeg. Power and the praise poem. Southern African voices in history. Virginia: University Press of Virginia, 1991.

VAIL Leroy & WHITE, Landeg. Plantation protest. The history of a Mozambican song. In: BARBER, Karin (ed.). Readings in African popular culture. Londres: The International African Institute School of Oriental & African Studies/ Oxford: James Currey Publishers/ Indiana: Indiana University Press, 1997.

WANE, Marílio. A Timbila chopi: construção de identidade étnica e política da diversidade cultural em Moçambique (1934-2005). Dissertação de mestrado apresentada ao Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBa, Salvador, 2010.

Fontes e documentos

ANDRADE, Alfredo Freire de & MATHEUS SERRANO, José António. Explorações portuguesas em Lourenço Marques. Relatórios da Comissão de Limitação da Fronteira de Lourenço Marques. Lisboa: Imprensa Nacional, 1894.

Auto de investigação procedido pelo secretário da Administração do Concelho de Lourenço Marques, 20 de agosto de 1907 e 26 de agosto de 1907. AHM, DSNI, Tribunais Indígenas, caixa 1630.

CABRAL, António Augusto Pereira. Raças, usos e costumes dos indígenas da província de Moçambique. Lourenço Marques: Imprensa Nacional, 1925.

Carta do chefe da Repartição Central de Lourenço Marques ao governador geral, 24 de dezembro de 1940. Carta do chefe da Repartição Central de Lourenço Marques ao administrador da Circunscrição de Zavala, 25 de janeiro de 1941. AHM, DSNI, diversos, caixa 84.

Cartas dos comerciantes Corrêa & Martins ao presidente e vogais da Grande Comissão promotora de festejos e recepção de S. A. o Príncipe Real, 5 de agosto de 1907 e 23 de agosto de 1907. AHM, DSNI, Tribunais Indígenas, caixa 1630.

Carta do Comissário Geral da Exposição do Mundo Português para o governador geral de Moçambique, 21 de junho de 1939. AHM, DSNI, diversos, caixa 84.

Carta do Gold Producers Committee para a Curadoria dos indígenas portugueses no Transvaal, 26 de abril de 1928. AHM, DSNI, diversos, caixa 37.

Carta do secretário geral aos cônsules de Portugal em Pretória, Durban e Cabo, 17 de junho de 1907. AHM, FDSAC, caixa 2195.

Carta do secretário geral ao governador do Distrito de Lourenço Marques, 17 de junho de 1907. AHM, FDSAC, caixa 2195.

Carta do Secretário Geral, em Lourenço Marques, para o presidente da Direção do “Instituto Goano” de Lourenço Marques, 15 de junho de 1907. AHM, FDSAC, caixa 2195.

CAYOLLA, Lourenço. Marracuene. Lisboa: Divisão de Publicações e Biblioteca, Agência Geral das Colônias, 1935.

Circular do chefe da repartição técnica de estatística para o secretário dos Negócios Indígenas, Lourenço Marques, 27 de abril de 1940. AHM, DSNI, diversos, caixa 84.

Correspondência confidencial do curador dos negócios indígenas em Joanesburgo para o diretor dos Serviços e Negócios Indígenas em Lourenço Marques, 27 de abril de 1928. AHM, DSNI, diversos, caixa 37.

Diário de Notícias, 13 de junho de 1904, 13 de junho de 1905. Periódico (jornal), BNP.

ERSKINE, Vincent. Journey to Umzila’s, South-East Africa, in 1871-1872. The Journal of the Royal Geographical Society of London, vol. 45, 1875.

Explanatory Programme of Monster Native Dance at the Wanderers. AHM, DSNI, diversos, caixa 37.

Informação prestada pelo presidente da Comissão promotora de festejos e recepção de S. A. o Príncipe Real, 25 de agosto de 1907. AHM, DSNI, Tribunais Indígenas, caixa 1630.

Informação prestada pelo administrador da circunscrição de Manhiça, 26 de agosto de 1907. AHM, DSNI, Tribunais Indígenas, caixa 1630.

JUNOD, Henry. The mbila orn ative piano of the Tchopi tribe. Bantu Studies, vol.3, n. 1, 1927, p. 275.

LIMA, Fernando de Castro Pires. Contribuição para o estudo do folclore de Moçambique. Separata da Revista de Etnografia n. 14 Porto: Museu de Etnografia e História, 1934.

Lourenço Marques Guardian, 8 de março de 1906, 12 de março de 1906, 25 e 30 de janeiro de 1945, 3 de fevereiro de 1945. Imprensa, AHM.

O Africano, 7 de agosto de 1912, 29 de agosto de 1912, 19 de setembro de 1912, 17 de outubro de 1912. Imprensa, WNA.

O Brado Africano, 6 de fevereiro de 1943 e 20 de março de 1943. Imprensa, BNP.

O Português, 15 de junho de 1901, 26 de junho de 1901. Imprensa, BNP.

Processo referente a solicitação de indenização de danos causados em propriedade, 28 de agosto de 1907 e 4 de setembro de 1907. AHM, DSNI, Tribunais Indígenas, caixa 1630.

O Progresso, 5 de agosto de 1905, 15 de junho de 1905, 22 de fevereiro de 1906, 15 de julho de 1907, 1 de agosto de 1907, 5 de agosto de 1907. Imprensa, BNP.

Telegrama do ministro da Marinha e do Ultramar para Lisboa, Lourenço Marques, 30 de julho de 1907. AHM, FDSAC, caixa 2195.

Telegrama do ministro da Marinha e do Ultramar para Lisboa, Lourenço Marques, 2 de agosto de 1907. AHM, FDSAC, caixa 2195.

A Tribuna, 29 de julho de 1907, 30 de julho de 1907. Imprensa, BNP.

Publicado
2019-09-02
Seção
Dossiê: Moçambique em perspectiva: histórias conectadas, interdisciplinaridade..

Dados de financiamento