A criação da Biblioteca Pública em 1831

Política e cultura escrita na província do Maranhão

  • Marcelo Cheche Galves Universidade Estadual do Maranhão. Departamento de História e Geografia
Palavras-chave: Império do Brasil, Maranhão, cultura escrita, biblioteca, política

Resumo

O texto apresenta informações sobre cultura escrita na capitania/província do Maranhão nas primeiras décadas dos Oitocentos, fundamentadas nos registros de envio de impressos para o Maranhão, preservados pelo Arquivo Nacional da Torre do Tombo e Arquivo Histórico Ultramarino, nas atas do Conselho Presidial (1825-1831) e nos anúncios publicados por jornais maranhenses, entre 1821 e 1834. Em seguida, analisa os registros do jornal O Farol Maranhense referentes à subscrição de dinheiro e livros para criação da Biblioteca Pública, inaugurada em maio de 1831. O objetivo é explorar a demanda por uma biblioteca como componente de expansão da cultura escrita, captada em meio às tensões entre “brasileiros” e “portugueses” na província, agravadas com a chegada da notícia da abdicação de d. Pedro I. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Cheche Galves, Universidade Estadual do Maranhão. Departamento de História e Geografia

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense. Professor Adjunto IV do Departamento de História e Geografia, da Universidade Estadual do Maranhão. Bolsista produtividade FAPEMA.

Referências

A fidelidade maranhense demonstrada na sumptuosa festividade, que no dia 12 de outubro e seguintes, a solicitação do ilmo e exmo sr. presidente Pedro José da Costa Barros fez à câmara da cidade. São Luís: Tipografia Nacional, 1826.

ABRANTES, Elizabeth Sousa. O “Farol” Maranhense: atuação política do jornalista José Cândido de Morais e Silva nos debates e lutas no pós-Independência no Maranhão (1828-1831). In: GALVES, Marcelo Cheche & COSTA, Yuri (org.). O Maranhão Oitocentista. 2ª edição. São Luís: Café & Lápis; Editora Uema, 2015, p. 53-79.

Arquivo Nacional, Seção de Obras Raras. Estudantes da Universidade de Coimbra 1772-1872.

ARRUDA, José Jobson de. A economia brasileira no fim da época colonial: a diversificação da produção, o ganho de monopólio e a falsa euforia do Maranhão. Revista de História, n. 119. São Paulo: Universidade de São Paulo, jul. 1985-dez. 1988, p. 3-21. Disponível em: http://revhistoria.usp.br/images/stories/revistas/119/a01n119.pdf. Acesso em: 14/12/2017.

BASÍLIO, Romário Sampaio. Impressos e mercadores ao mar: luzes e sombras entre Portugal e o Maranhão (1768-1826). Monografia apresentada ao curso de graduação em História da Universidade Estadual do Maranhão. São Luís, 2014. Disponível em: https://nemouema.com/publicacoes/monografias/. Acesso em: 15/12/2017.

Carta de 20 de outubro de 1823. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei_sn/anterioresa1824/lei-40978-20-outubro-1823-574639-publicacaooriginal-97736-pe.html. Acesso em: 11/01/2018.

CIRINO, Raíssa Gabrielle Vieira. Pelo bem da “pátria” e pelo imperador: o Conselho Presidial do Maranhão na construção do Império (1825-1831). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Maranhão, 2015. Disponível em: http://www.ppghis.ufma.br/wp-content/uploads/2015/05/Dissertacao-Raissa.pdf. Acesso em: 15/12/2017.

Constituição política do Império do Brasil, 1824. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm. Acesso em: 12/01/2018.

COUTINHO, Mílson. O Poder Legislativo do Maranhão (1830-1930), vol. 1. São Luís: Edição da Assessoria de Comunicação Social da Assembleia Legislativa do Maranhão, 1981.

CURTO, Diogo Ramada et al. As gentes do livro: Lisboa, século XVIII. Lisboa: BN, 2007.

CUTRIM, Luísa Moraes Silva. A alma do negócio: a trajetória do negociante António Jozé Meirelles no Maranhão (c. 1820-c. 1832). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, 2017. Disponível em: http://www.historia.uff.br/stricto/td/2109.pdf. Acesso em: 18/12/2018.

DEAECTO, Marisa Midori. A cidade e os livros: instituições de leitura e comunidade de leitores em São Paulo (1808-1831). In: BRAGANÇA, Aníbal & ABREU, Márcia (org.). Impressos no Brasil: dois séculos de livros brasileiros. São Paulo: Editora Unesp, 2010, p. 419-437.

FARIA, Regina Helena Martins de. A transformação do trabalho nos trópicos: propostas e realizações. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, 2001. Disponível em: http://repositorio.ufpe.br:8080/bitstream/handle/123456789/7166/arquivo3341_1.pdf?sequence=1. Acesso em: 19/12/2017.

GALVES, Marcelo Cheche. “Aderir”, “jurar” e “aclamar”: O Império no Maranhão (1823-1826). Almanack, n. 1. Guarulhos: Universidade Federal de São Paulo, 2011, p. 105-118. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2236-463320110108. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/alm/n1/2236-4633-alm-01-00105.pdf. Acesso em: 19/12/2017.

GALVES, Marcelo Cheche. Saberes impressos, correspondências e expedições científicas: a capitania do Maranhão e o reformismo ilustrado na virada para os Oitocentos. Outros Tempos, vol. 11, n. 18. São Luís: Universidade Estadual do Maranhão, 2014, p. 119-136. DOI: http://dx.doi.org/10.18817/ot.v11i18.417 Disponível em: http://www.outrostempos.uema.br/OJS/index.php/outros_tempos_uema/article/view/417. Acesso em: 15/12/2017.

GALVES, Marcelo Cheche. “Ao público sincero e imparcial”: Imprensa e Independência na província do Maranhão (1821-1826). São Luís: Editora Uema / Café e Lápis, 2015.

GALVES, Marcelo Cheche & BASILIO, Romário Sampaio. Saberes em circulação na América portuguesa: os estudantes maranhenses na Universidade de Coimbra (1778-1823). Clio, n. 32.1. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2014, p.156-175. (Série História do Nordeste). Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaclio/article/view/24471/19777. Acesso em: 15/12/2017.

GALVES, Marcelo Cheche; BASILIO, Romário Sampaio; PINTO, Lucas Gomes Carvalho. Gramáticas e dicionários em circulação pelo Maranhão no início dos Oitocentos. In: CASTELLANOS, Samuel Luiz Velásquez; CASTRO, César Augusto (org.). Livro, leitura e leitor: perspectiva histórica, vol. 1. 1ª edição. São Luís: EdUFMA / Café & Lápis, 2016, p. 197-214.

GARCIA, Elisa Frühauf. O projeto pombalino de imposição da língua portuguesa aos índios e a sua aplicação na América meridional. Tempo, vol. 12, n. 23. Niterói: EdUFF, 2007, p. 23-38. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tem/v12n23/v12n23a03.pdf. Acesso em: 30/06/2018.

GÓMEZ, Antonio Castillo. Historia de la cultura escrita: ideas para el debate. Revista Brasileira de História da Educação, n. 5. Maringá: Sociedade Brasileira de História da Educação, jan./jun. 2003, p. 93-124. Disponível em: http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/239. Acesso em: 17/12/2017.

GONÇALVES DIAS, Antônio. Exames nos arquivos dos mosteiros e das repartições públicas (Em carta ao ilmo. e exmo. visconde de Monte Alegre, ministro do Império). Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo 16, vol. 16. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1853, p. 370-384. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B_G9pg7CxKSsOURjZ3N0RVNoZms/view. Acesso em: 26/12/2017.

Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Protesto de lealdade e reconhecimento do povo ao Rei. Coleção Instituto Histórico, lata 400, pasta 10, documento 2.

KOSTER, Henry. Viagens ao nordeste do Brasil, vol. 1. Tradução de Luís da Câmara Cascudo. 11ª edição. Recife: Fundação Joaquim Nabuco / Editora Massangana, 2002 [1816].

LEAL, Antônio Henriques. O Pantheon maranhense. Ensaios biográficos dos maranhenses ilustres já falecidos, tomo I. 2ª edição. São Luís: Editorial Alhambra, 1987 [1873].

MACEDO, Joaquim Manuel de. Necrológio de Antônio Elisiário de Miranda e Brito. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo 21, vol. 21. Rio de Janeiro: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 1858, p. 500-503. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B_G9pg7CxKSsZTJGeTRIS0ZJZTg/view. Acesso em: 18/12/2017.

MADUREIRA, Vicente Antônio Rodrigues. José Cândido de Morais e Silva: outras histórias (1828-1831). Outros Tempos, vol. 6, n. 8. São Luís: Universidade Estadual do Maranhão, dez. 2009, p. 75-95. DOI: http://dx.doi.org/10.18817/ot.v6i8.174. Disponível em: http://www.outrostempos.uema.br/OJS/index.php/outros_tempos_uema/article/view/174. Acesso em: 18/12/2017.

MAGALHÃES, Pablo Antônio Iglesias. A palavra e o Império: a propósito de uma Arte da Grammatica impressa na Bahia em 1811. Anais de História de Além-Mar, vol. X. Lisboa/Ponta Delgada: Cham/FCSH-UNL, 2009, p. 231-248. Disponível em: https://run.unl.pt/bitstream/10362/15891/1/AHAM%20X%20%282009%29.pdf. Acesso em: 30/06/2018.

MELO, Carlos Augusto de. A revisão da história e da historiografia literária oitocentista: o resgate crítico do Curso de Literatura Portuguesa e Brasileira, de Francisco Sotero dos Reis (1800-1871). Nonada, vol. 2, n. 21. Porto Alegre: UniRitter, 2013, p. 1-11. Disponível em: https://seer.uniritter.edu.br/index.php?journal=nonada&page=article&op=view&path%5B%5D=779&path%5B%5D=506. Acesso em: 11/01/2018.

MOLLIER, Jean-Yves. A leitura e seu público no mundo contemporâneo: ensaios sobre a história cultural. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades imperiais (1820-1840). São Paulo: Hucitec, 2005.

MOTA, Antônia da Silva. Família e fortuna no Maranhão colônia. São Luís: EdUFMA, 2006. (Coleção de teses e dissertações, Departamento de História – UFMA).

MOTA, Antônia da Silva. A dinâmica colonial portuguesa e as redes de poder local na capitania do Maranhão. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, 2007. Disponível em: http://repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/7245/arquivo3393_1.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 19/12/2017.

PINTO, Lucas Gomes Carvalho. Circulação de impressos em São Luís (1799-1834). Monografia apresentada ao curso de graduação em História da Universidade Estadual do Maranhão. São Luís, 2014. Disponível em: https://nemouema.com/publicacoes/monografias/. Acesso em: 15/12/2017.

Portal da Câmara dos Deputados. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/a-camara/conheca/historia/presidentes/candido_viana.html. Acesso em: 12/01/2018.

PORTO, Ângela. O sistema de saúde do escravo no Brasil do século XIX: doenças, instituições e práticas terapêuticas. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. 13, n. 4. Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, out.-dez. 2006, p. 1019-1027. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702006000400013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702006000400013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10/01/2018.

QUEIRÓS, Francisco Fortunato. Annaes das Sciencias, das Artes e das Letras (Paris, 1818-1822), 1ª parte. Porto: Edição do Centro de História da Universidade do Porto, 1983. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/54942/2/fortunatoqueirosannaes000123330.pdf. Acesso em: 10/01/2018.

SANTANA. Leyla Menezes de; AMORIM, Simone Silveira; NASCIMENTO, Ester Fraga Vilas-Boas Carvalho do. Entre correspondências e impressos: um olhar sobre a instrução primária em Sergipe (1827-1838). Cadernos de História da Educação, vol. 15, n. 3. Uberlândia: Editora da Universidade Federal de Uberlândia – EdUFU, set.-dez. 2016, p. 1187-1210. DOI: http://dx.doi.org/10.14393/che-v15n3-2016-14. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/view/38491/20296. Acesso em: 11/01/2018.

SERRA, Joaquim (Ignotus). Sessenta anos de jornalismo. A imprensa no Maranhão 1820-1880. 3ª edição. São Paulo: Siciliano, 2001.

SPIX, Johann Baptist von & MARTIUS, Carl Friedrich Philipp. Viagem pelo Brasil (1817-1820), tomo II. Tradução de Lúcia Furquim Lahmeyer. 2ª edição. São Paulo: Melhoramentos, s/d.

Publicado
2019-03-18
Seção
Artigos