Heterotopia e vilegiatura em Lourenço Marques (1890-1930)

Palavras-chave: África, Lourenço Marques, lazer, vilegiatura, colonialismo

Resumo

A invenção do tempo livre em Lourenço Marques favoreceu práticas desportivas e de lazer. Entre outras, destacou-se a vilegiatura marítima. A praia de Polana foi um dos principais destinos da vilegiatura em Lourenço Marques. Fotografias, bilhetes postais e filmes registraram o momento de “tomar fresco”. Nos Álbuns Fotográficos e Descritivos da Colônia de Moçambique (1929), de José dos Santos Rufino, tem-se o registro da vilegiatura e de outras práticas de lazer como propaganda colonial. Por meio da análise de imagens da vilegiatura, busca-se mostrar como certos espaços coloniais destinados ao lazer podem ser vistos como heterotopias de compensação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvio Marcus de Souza Correa, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor do PPGH e do Departamento de História da UFSC e Pesquisador do CNPq.

Referências

Fontes

ESTATUTOS do Club da Polana. Lourenço Marques: Tipografia do Guardian, 1934.

O AFRICANO, Lourenço Marques, 1912 a 1919.

O Brado Africano, Lourenço Marques, 1919 a 1922.

MARQUES, B.; CAMPO, C. Polana. Edição do Rádio Club de Moçambique, Lisboa. Cota: M.P. 2301/24A.

Referências bibliográficas

ARNALTE, Arturo. Richard Burton, cónsul en Guinea española: una visión europea de África en los albores de la colonización. Madrid: Catarata, 2005.

BRIZ, Graça. Vilegiatura balnear: imagem ideal/imagem real. Revista de História da Arte, Lisboa, n. 3, p. 255-267, 2007.

CABAÇO, José Luis. Moçambique: identidade, colonialismo e libertação. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

CHAUÍ, Marilena. Notas sobre utopia. Ciência & Cultura, São Paulo, v. 60, n. 1, p. 7-12, 2008.

CORBIN, Alain. O território do vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CORREA, Sílvio Marcus de Souza. Germanidade e banhos medicinais nos primórdios dos balneários no Rio Grande do Sul. História, Ciência e Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 165-184, 2010.

CORREA, Sílvio Marcus de Souza. O ‘combate’ às doenças tropicais na imprensa colonial alemã. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 69-91, 2013.

CORREA, Sílvio Marcus de Souza. Hooligans numa praça de touros nos confins da África oriental portuguesa. In: MELO, Victor (org.). “Pois temos touros”: touradas no Brasil no século XIX. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017, p. 192-206.

COSTA, Mário. Lourenço Marques: “Um canto da Europa na África do Sul”. In: RUFINO, José dos S. Álbuns fotográficos e descritivos da Colónia de Moçambique, v. I: Lourenço Marques – panoramas da cidade. Hamburgo: Broscheck & Co., 1929a, p. III-V.

COSTA, Mário. Lourenço Marques: “A fisionomia de uma cidade nascente”. In: RUFINO, José dos S. Álbuns fotográficos e descritivos da Colónia de Moçambique, v. III: Lourenço Marques – aspectos da cidade, vida comercial, Praia da Polana, etc. Hamburgo: Broscheck & Co., 1929b, p. III-VI.

COSTA, Mário. Cartas de Moçambique. Lisboa: [s. n.], 1934.

DIAS, Raul. A imprensa periódica de Moçambique (1854-1954): subsídios para a sua história. Lisboa: Imprensa Nacional, 1957.

DOMINGOS, Nuno. Futebol e colonialismo: corpo e cultura popular em Moçambique. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2012.

FOUCAULT, Michel. El cuerpo utópico: las heterotopías. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 2010.

FREYRE, Gilberto. Aventura e rotina. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

MACHADO, Helena C. F. A construção social da praia. Cadernos do Noroeste, Braga, v. 13, p. 201-218, 2000.

MAHARAJ, Bru. The historical development of the apartheid local state in South Africa: the case of Durban. International Journal of Urban and Regional Research, Hoboken, n. 20, p. 587-600, 1996. doi: 10.1111/j.1468-2427.1996.tb00337.x.

MATOS, Madalena & RAMOS, Tânia. Amenizar os trópicos: desenhando cidades-jardim nas ex-colónias portuguesas. In: SEMINÁRIO DE HISTÓRIA DA CIDADE E DO URBANISMO, 10, 2008, Recife. Anais. Recife: Editora Centros de Estudos Avançados da Conservação Integrada: Universidade Federal de Pernambuco, 2008. 1 CD-ROM, Artigo ST2M6T1.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia e história interfaces. Tempo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 73-98, 1996.

MCCLINTOCK, Anne. Couro imperial: raça, travestismo e o culto da domesticidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NATIVEL, Didier. Les musiciens, médiateurs d’échanges culturels entre Mozambique et Afrique du Sud: sur quelques effets culturels de migrations anciennes. Afrique Contemporaine, Paris, v. 254, n. 2, p. 57-72, 2015. doi: 10.3917/afco.254.0057.

ORTIGÃO, Ramalho. As praias de Portugal: guia do banhista e do viajante. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1943.

PEREIRA, Matheus Serva. Algazarras ensurdecedoras: conflitos em torno da construção de um espaço urbano colonial (Lourenço Marques 1900-1920). In: MATTOS, Regiane A. et al. (org.). Encontros com Moçambique. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2016, p. 37-67.

ROCHA, Ilídio. Contribuição para a história da imprensa em Moçambique. [S. l.]: Codam, 1973.

RUFINO, José dos Santos. Álbuns fotográficos e descritivos da Colônia de Moçambique. Hamburgo: Broscheck & Co., 1929. 10 v.

SILVA, Ana Cristina. Fonseca Nogueira da. Fotografando o mundo colonial africano: Moçambique, 1929. VARIA, Belo Horizonte, v. 25, n. 41, p. 107-128, 2009.

THOMAZ, Omar Ribeiro. Ecos do Atlântico Sul. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ; São Paulo: FAPESP, 2002.

ZAMPARONI, Valdemir D. Entre narros & mulungos: colonialismo e paisagem social em Lourenço Marques (c. 1890-c. 1940). Tese de doutorado em História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

Filmografia

A CIDADE de Lourenço Marques. Direção: Fernandes Tomaz. Produção: Brigada Cinematográfica Portuguesa. [S. l.]: Agência Geral do Ultramar, 1929. 1 vídeo (12 min).

DESPORTOS em Lourenço Marques. Direção: Alfredo Cristino Gomes. Produção: Felipe de Solms. [S. l.]: Agência Geral do Ultramar, 1951. 1 vídeo (11 min), 35 mm.

Lourenço Marques. Direção: Felipe de Solms. Produção: Felipe de Solms e Ricardo Malheiro. [S. l.]: Agência Geral do Ultramar, 1950. 1 vídeo (10 min), mono, 35 mm.

Publicado
2019-10-30
Seção
Dossiê: Moçambique em perspectiva: histórias conectadas, interdisciplinaridade..

Dados de financiamento