Revolução no Brasil, séculos XVIII a XXI

a história de um conceito, um conceito na história

Palavras-chave: revolução, história dos conceitos, história intelectual, história das historiografia, história do Brasil

Resumo

Este artigo empreende uma análise do conceito de revolução na história do Brasil, desde o século XVIII até o atual momento político do país. Entende-se que a história de um conceito jamais é bem apreendida em curtos recortes temporais, e por isso este artigo assume a forma de uma síntese interpretativa de longa duração. Tendo por base esclarecimentos teóricos iniciais, sua estratégia consiste em pontuar e articular alguns contextos históricos específicos – e não exaustivos – nos quais “revolução” expressou realidades sociais relevantes, sendo capaz de interagir com essas mesmas realidades. A tese central aqui defendida é que, a partir de certas variáveis estruturantes, o conceito de revolução desempenhou e continua a desempenhar um papel relevante na trajetória política do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Garrido Pimenta, Universidade de São Paulo

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e livre-docente em História do Brasil Colonial na mesma instituição; professor do Departamento de História da Universidade de São Paulo.

Rafael Fanni, Universidade de São Paulo

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo; professor do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas Campos Salles.

Referências

ANAIS do Senado do Império do Brasil. Segunda Sessão da Primeira Legislatura de 4 de maio a 17 de junho de 1839, Rio de Janeiro, Tomo I, 1912.

ARENDT, Hanna. On revolution. London: Faber and Faber, 1963.

ASTRÉA. Rio de Janeiro: [s.n.], n. 768, 10/11/1831.

ASTRÉA. Rio de Janeiro: [s.n.], n. 805, 01/03/1832.

AUTOS da Devassa da Conspiração dos Alfaiates, v. 1. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo: Arquivo Público do Estado da Bahia, 1998a.

AUTOS da Devassa da Conspiração dos Alfaiates, v. 2. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo: Arquivo Público do Estado da Bahia, 1998b.

AUTOS de Devassa da Inconfidência Mineira, 10 v. 2ª edição. Brasília: Câmara dos Deputados; Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1976-1983.

AUTOS de Devassa da Inconfidência Mineira, v. 1. 2ª edição. Brasília: Câmara dos Deputados; Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1976.

AUTOS de Devassa da Inconfidência Mineira, v. 5. 2ª edição. Brasília: Câmara dos Deputados; Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1982.

ÁVILA, Affonso. Código de Minas & poesia anterior. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

BASILE, Marcello. O laboratório da nação: a era regencial (1831-1840). In: GRINBERG, Keila & SALLES, Ricardo (org.) O Brasil Imperial: 1831-1870, v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 53-119.

BERNARDES, Denis. O patriotismo constitucional: Pernambuco, 1820-1822. São Paulo: Hucitec: Fapesp; Recife: Editora UFPE, 2006.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário portuguez & latino, v. 7. Lisboa: Officina de Pascoal da Sylva, Impressor de Sua Magestade, 1720.

BOIDIN, Capucine. Pensar la modernidad/colonialidad en guaraní (XVI-XVIII). Cuadernos de Antropología Social, Buenos Aires, n. 44, p. 7-25, 2016. ISSN 1850-275X. Disponível em: <https://bit.ly/30OJhUs>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.34096%2Fcas.i44.3577.

BOLDRINI, Angela. Planalto e Eduardo Bolsonaro divulgam vídeo que celebra golpe de 64. Folha de S.Paulo, São Paulo, 31/03/2019, Poder. Disponível em: <https://bit.ly/2CKOR0g>. Acesso em: 3 abr. 2019.

BRANDÃO, Carlos Alberto. A influência da Revolução Cubana sobre a esquerda brasileira nos anos 60. In: MORAES, João Q. de & REIS, Daniel A. (org.). História do Marxismo no Brasil, v. 1. 2ª edição revisada. Campinas: Editora Unicamp, 2003, p. 259-316.

CAPELLÁN DE MIGUEL, Gonzalo. Los “momentos conceptuales”: una nueva herramienta para el estudio de la semántica histórica. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier & CAPELLÁN DE MIGUEL, Gonzalo (ed.). Conceptos políticos, tiempo e historia. Santander: Editorial de la Universidad de Cantabria; Madrid: McGraw-Hill, 2013, p. 195-233.

CARDOSO, Lucileide Costa. Os discursos de celebração da “Revolução de 1964”. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 31, n. 62, p. 117-140, dez. 2011. ISSN 1806-9347. Disponível em: <https://bit.ly/2UjNeOG>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-01882011000200008.

CARTA segunda do Compadre de Belém ao redator do Astro da Lusitânia dada à luz pelo Compadre de Lisboa. Reimpresso no Rio de Janeiro: Tip. Real, 1821.

CORREIO Braziliense, ou Armazém Literário. Londres: [s.n.], 1817-1820.

CORREIO Braziliense, ou Armazém Literário. Londres: [s.n.], v. 19, n. 110, 07/1817.

CORREIO Braziliense, ou Armazém Literário. Londres: [s.n.], v. 24, n. 143, 04/1820.

COSTA, Wilma Peres. A independência na historiografia brasileira. In: JANCSÓ, István (org.) Independência: história e historiografia. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 2005, p. 53-118.

DEL ROIO, Marcos. O impacto da Revolução Russa e da Internacional Comunista no Brasil. In: MORAES, João Q. de & REIS, Daniel A. (org.). História do Marxismo no Brasil, v. 1. 2ª edição revisada. Campinas: Editora Unicamp, 2003, p. 59-121.

DEL ROIO, Marcos. Os comunistas, a luta social e o marxismo. In: RIDENTI, Marcelo & REIS, Daniel A. (org.) História do Marxismo no Brasil, v. 5. Campinas: Editora Unicamp, 2007, p. 11-72.

DIÁRIO DA NOITE. Rio de Janeiro: [s.n.], n. 199, 29/05/1930.

DIÁRIO DO GOVERNO. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, n. 28, 05/02/1823.

FANNI, Rafael. Temporalização dos discursos políticos no processo de independência do Brasil (1820-1822). Dissertação de mestrado em História, Universidade de São Paulo, 2015.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 3ª edição revista. São Paulo: Globo, 2001.

FAUSTO, Boris. A Revolução de 1930: historiografia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

FERNANDES, Ana Cláudia. Revolução em pauta: o debate Correo del Orinoco-Correio Braziliense (1817-1820). Dissertação de mestrado em História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo ibero-americano, v. 1. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009a.

FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier. Hacia una historia atlántica de los conceptos políticos. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano, v. 1. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009b, p. 23-45.

FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano, 10 v. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2014.

FICO, Carlos. O grande irmão: da Operação Brother Sam aos anos de chumbo: o governo dos Estados Unidos e a ditadura militar brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

GODECHOT, Jacques. La grande nation: l’expansion révolutionnaire de la France dans le monde de 1789 à 1799. Paris: Aubier, 1956.

GOMES, Ângela de Castro. Trabalhismo e democracia: o PTB sem Vargas. In: GOMES, Ângela de Castro (org.). Vargas e a crise dos anos 50. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994, p. 133-160.

HOUAISS, Antonio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Instituto Antonio Houaiss: Objetiva, 2004.

JANCSÓ, István. Na Bahia, contra o Império: história do ensaio de sedição de 1798. São Paulo: Hucitec: Edufba, 1996.

JANCSÓ, István & PIMENTA, João Paulo G. Peças de um mosaico (ou apontamentos para o estudo da emergência da identidade nacional brasileira). In: MOTA, Carlos G. (org.). Viagem incompleta: a experiência brasileira: 1500-2000: formação: histórias. São Paulo: Senac, 2000, p. 127-175.

KAREPOVS, Dainis. A classe operária vai ao parlamento: o Bloco Operário e Camponês do Brasil, 1924-1930. São Paulo: Alameda, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução de Wilma Patrícia Mass e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC-Rio, 2006.

LOUREIRO, Felipe Pereira. The alliance for or against progress? US-Brazilian financial relations in the early 1960s. Journal of Latin American Studies, Cambridge, v. 46, n. 2, p. 323-351, maio 2014. ISSN 0022-216X. Disponível em: <https://bit.ly/30KMNzr>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1017/S0022216X14000029.

LYNCH, Christian E. C. Modulando o tempo histórico: Bernardo Pereira de Vasconcelos e conceito de “regresso” no debate parlamentar brasileiro (1838-1840). Almanack, Guarulhos, n. 10, p. 314-334, ago. 2015. ISSN 2236-4633. Disponível em: <https://bit.ly/2MIOOc5>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2236-463320151006.

MATTOS, Ilmar R. O gigante e o espelho. In: GRINBERG, Keila & SALLES, Ricardo (org.). O Brasil Imperial: 1831-1870, v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p. 13-51.

MAXWELL, Kenneth. A devassa da devassa: a Inconfidência Mineira: Brasil e Portugal, 1750-1808. 2ª edição. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1978.

MBL – MOVIMENTO BRASIL LIVRE. [s.l.], 18/07/2017. Facebook: @mblivre. Disponível em: <https://bit.ly/2NGK7il>. Acesso em 23 de janeiro de 2018.

MELLO, Patrícia Campos. Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp. Folha de S.Paulo, São Paulo, 18/10/2018, Poder. Disponível em: <https://bit.ly/2NKhptj>. Acesso em: 3 abr. 2019.

MOREL, Marco. O período das Regências: (1831-1840). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

MOTA, Carlos G. Ideia de Revolução no Brasil (1789-1801): estudo das formas de pensamento. Petrópolis: Vozes, 1979.

MUGGLESTONE, Lynda. Dictionaries: a very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 2011.

NETO, Lira. Getúlio, 1882-1930: dos anos de formação à conquista do poder. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

NEUMANN Eduardo & BOIDIN Capucine. A escrita política e o pensamento dos Guarani em tempos de autogoverno (c. 1753). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 37, n. 75, p. 97-118, 2017. ISSN 1806-9347. Disponível em: <https://bit.ly/2LaafR1>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93472017v37n75-04.

NEVES, Lúcia Bastos P. das. Revolução: em busca de um conceito no império luso-brasileiro (1789-1822). In: FERES JÚNIOR, João & JASMIN, Marcelo (org.). História dos conceitos: diálogos transatlânticos. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio: Loyola: Iuperj, 2007, p. 129-140.

NEVES, Lucia M. Bastos P. das & NEVES, Guilherme Pereira das. Revolução/Brasil. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano, v. 2, t. 9. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2014, p. 65-80.

O ESTADO DE S. PAULO. São Paulo: Grupo Estado, n. 28097, 20/11/1966.

O GLOBO. Rio de Janeiro: Editora Globo, n. 11825, 02/04/1964.

OLIVEIRA, Cecília Helena. A astúcia liberal: relações de mercado e projetos políticos no Rio de Janeiro (1820-1824). Bragança Paulista: Edusf: Ícone, 1999.

O SETE D’ABRIL. Rio de Janeiro: [s.n.], n. 516, 13/01/1838.

O TRIBUNO DO POVO. Rio de Janeiro: Typographia de T. B. Hunt & C., 1830-1832.

O TRIBUNO DO POVO. Rio de Janeiro: Typographia de T. B. Hunt & C., n. 28, 21/04/1831a.

O TRIBUNO DO POVO. Rio de Janeiro: Typographia de T. B. Hunt & C., n. 29, 29/04/1831b.

O TRIBUNO DO POVO. Rio de Janeiro: Typographia de T. B. Hunt & C., n. 48, 28/02/1832.

PALMER, Robert R. The age of the democratic revolution: a political history of Europe and America: 1760-1800, v. 1. New Jersey: Princeton University Press, 1959.

PAULINO, Mariana Ferraz. Tempo e mudança nas Américas Ibéricas: vocábulos e conceitos no discurso de reformistas ilustrados portugueses e espanhóis (c. 1750-c. 1807). Projeto de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.PIMENTA, João Paulo. A independência do Brasil como uma revolução: história e atualidade de um tema clássico. História da Historiografia, Ouro Preto, n. 3, p. 53-82, set. 2009. ISSN 1983-9928. Disponível em: <https://bit.ly/2MMEaku>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.15848/hh.v0i3.69.

PIMENTA, João Paulo. Tempos e Espaços das Independências: a inserção do Brasil no mundo occidental (1780-1830). São Paulo: Intermeios, 2017.

PIMENTA, João Paulo et al. A independência e uma cultura de história no Brasil. Almanack, Guarulhos, n. 8, p. 5-36, 2º sem. 2014. ISSN 2236-4633. Disponível em: <https://bit.ly/30O5IJE>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2236-463320140801.

PINTO, Álvaro Vieira. Consciência e realidade nacional, v. 1. Rio de Janeiro: MEC: Iseb, 1960.

PINTO, Rolando Morel. Século XVIII. In: SPINA, Segismundo (org.). História da língua portuguesa. Cotia: Ateliê Editorial, 2008, p. 355-398.

PRADO JÚNIOR, Caio. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1966.

REIS, Daniel Aarão. O maoísmo e a trajetória dos marxistas brasileiros. In: MORAES, João Q. de & REIS, Daniel A. (org.). História do marxismo no Brasil, v. 1. 2ª edição revisada. Campinas: Editora Unicamp, 2003, p. 183-223.

RIBEIRO, Gladys Sabino & PEREIRA Vantuil. O Primeiro Reinado em revisão. In: GRINBERG, Keila & SALLES, Ricardo (org.) O Brasil Imperial: 1808-1831, v. 1. 3ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014, p. 137-173.

RODRIGUES, José Honório. Conciliação e reforma no Brasil: um desafio histórico-político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

SCHWARCZ, Lilia M. & STARLING, Heloisa M. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SECCO, Lincoln. Gramsci e a revolução. São Paulo: Alameda, 2006.

SILVA, António de Morais. Diccionario da lingua portuguesa, 2 v. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1813.

SILVA, António de Morais. Diccionario da lingua portugueza, 2 v. Lisboa: Impressão Régia, 1831.

SILVA, Luiz Geraldo. O avesso da independência: Pernambuco (1817-1824). In: MALERBA, J. (org.). A independência brasileira: novas dimensões. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 343-384.

SODRÉ, Nelson Werneck. Introdução à revolução brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1958.

STARLING, Heloisa M. & LYNCH, Cristian E. C. República/Brasil. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano, v. 1. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009, p. 1282-1292.

TOLEDO, Caio Navarro de. Intelectuais do Iseb, esquerda e marxismo. In: MORAES, João Q. de (org.). História do marxismo no Brasil, v. 3. 2ª edição. Campinas: Editora Unicamp, 2007, p. 299-336.

TORRES, Luis Fernándes. Un texto fundacional de Reinhart Koselleck: introducción al Diccionario histórico de conceptos políticos-sociales básicos en lengua alemana. Anthropos, Barcelona, n. 223, p. 92-105, 2009.

TRIBUNA DA IMPRENSA. Rio de Janeiro: [s.n.], n. 132, 01/06/1950.

VIANNA, Luiz Werneck. Caminhos e descaminhos da revolução passiva à brasileira. Dados, Rio de Janeiro, v. 39, n. 3, 1996. ISSN 1678-4588. Disponível em: <https://bit.ly/2ZGlhBw>. Acesso em: 12 jan. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52581996000300004.

VILLALTA, Luiz Carlos. O Brasil e a crise do Antigo Regime português (1788-1822). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2016.

WASSERMAN, Fabio. Argentina/Río de la Plata. In: FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano, v. 2, t. 9. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2014, p. 49-63.

WASSERMAN, Fabio. El mundo en movimiento: el concepto de revolución en Iberoamérica y el Atlántico norte (siglos XVII-XX). Buenos Aires: Niño y Dávila Editores, 2019.

ZERMEÑO PADILLA, Guillermo. La cultura moderna de la historia: una aproximación teórica e historiográfica. Ciudad de México: El Colegio de México, Centro de Estudios Históricos, 2004.

ZERMEÑO PADILLA, Guillermo. Revolución en Iberoamérica (1780-1870): análisis y síntesis de un concepto. FERNÁNDEZ SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo iberoamericano, v. 2, t. 9. Madrid: Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2014, p. 15-47.

Publicado
2019-10-01
Seção
Artigos