Medicina Oriental

Filosofia natural, medicina e farmácia na obra de Luís Caetano de Meneses

Palavras-chave: Índia Portuguesa, Circulação de conhecimento, História da medicina, Luís Caetano de Meneses, Medicina oriental

Resumo

O objetivo deste artigo é, através da análise da obra Medicina oriental, do médico goês Luís Caetano de Meneses, contribuir para uma melhor compreensão a respeito da produção de conhecimentos médicos/farmacêuticos na Índia Portuguesa durante o século XVIII. As questões fundamentais deste artigo estão relacionadas à construção do conhecimento nos espaços coloniais e à relevância dos contextos locais para o processo de produção de conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiano Bracht, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Doutor em História pela Universidade do Porto. Pesquisador do programa de Pós Doutorado do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) e Pesquisador integrado do Centro de Investigação Transdisciplinar, Cultura, Espaço e Memória, da Universidade do Porto. Tem experiência na área de História Moderna e História das Ciências, atuando principalmente nos seguintes temas: História das Ciências; História da Filosofia Natural; História da Botânica e História da Farmácia e Medicina.

Referências

AUSTIN, Daniel. Florida ethnobotany: Fairchild Tropical Garden, Coral Gables, Florida, Arizona-
Sonora Desert Museum, Tucson, Arizona: with more than 500 species illustrated by
Penelope N. Honychurch… [et al.]. Boca Raton: CRC Press, 2004.
BASTOS, Cristiana. Hospitais e sociedade colonial: esplendor, ruína, memória
e mudança em Goa. Ler História, Lisboa, n. 58, p. 61-79, 2010. doi: 10.4000/
lerhistoria.1157.
BETHENCOURT, Francisco & CURTO, Diogo Ramada. Introdução. In: BETHENCOURT,
Francisco & CURTO, Diogo Ramada (org.). A expansão marítima portuguesa,
1400-1800. Lisboa: Edições 70, 2010.
BRACHT, Fabiano. Condicionantes sociais e políticos nos processos de produção
de conhecimento: o caso da Índia Portuguesa do século XVIII. In: POLÓNIA,
Amélia et al. (org.). História e ciência: ciência e poder na Primeira Idade Global, v. 1.
Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2016, p. 94-121.
BRACHT, Fabiano. Ao ritmo das monções: medicina, farmácia, história natural e produção de
conhecimento na Índia Portuguesa no século XVIII. Tese de doutorado em História,
Universidade do Porto, Porto, 2017.
38
Fabiano Bracht
Medicina Oriental: Filosofia Natural, Medicina e Farmácia na obra de Luís
Caetano de Meneses
rev. hist. (São Paulo), n.178, a05218, 2019
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2019.145084
BRACHT, Fabiano. The Eastern Portuguese Empire: frontiers and contact zones
in knowledge production contexts. In: POLÓNIA, Amélia et al. (ed.). Cross-cultural
exchange and the circulation of knowledge in the first global age. Porto: CITCEM:
Afrontamentos, 2018, p. 167-192.
BRACHT, Fabiano & POLÓNIA, Amélia. Circulating knowledge: eighteenth century
medical manuscripts produced in Portuguese India. In: BALA, Poonam
(ed.). Learning from Empire: medicine, knowledge and transfers under Portuguese Rule.
Newcastle: Cambridge Scholars Publishing, 2018, p. 51-73.
BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2008.
COOK, Harold. Creative misunderstandings: Chinese medicine in seventeenthcentury
Europe. In: RODGERS, Daniel T.; RAMAN, Bhavani; REIMITZ, Helmut
(ed.). Cultures in motion. Princeton: Princeton University Press, 2013, p. 215-240.
CROSBY, Alfred. Imperialismo ecológico: a expansão biológica da Europa, 900-1900. São
Paulo: Companhia das Letras, 2011.
DIAS, José Pedro Souza. A farmácia e a história. In: MENEZES, Ricardo Fernandes
de (org.). Da história da farmácia e dos medicamentos. Lisboa: Faculdade de Farmácia
da Universidade de Lisboa, 2005, p. 5-39.
DIAS, Mariano. Fr. Caetano Vitorino de Faria. In: SOUZA, Teotónio de (ed.). Essays
in Goan History. Nova Deli: Concept Publishing Company, 2002, p. 139-154.
FERRÃO, José Eduardo Mendes. A aventura das plantas e os descobrimentos portugueses.
Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, 1993.
FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Lisboa:
Edições 70, 2014.
HANKINS, Thomas Leroy. Ciência e iluminismo. Porto: Porto Editora, 2002.
LOPES, Maria de Jesus dos Mártires. Ensino e cultura. In: LOPES, Maria de Jesus
dos Mártires (coord.). Nova história da expansão portuguesa: o Império Oriental, 1660-
1820, vol. 5, tomo 2. Lisboa: Editorial Estampa, 2006, p. 133-160.
LOPES, Maria de Jesus dos Mártires. Estudo introdutório. In: LOPES, Maria de Jesus
dos Mártires (org.) & REGO, Sebastião do. Cronologia da Congregação do Oratório
de Goa. Lisboa: CHAM, 2009, p. XIII- XXIV.
LOPES, Maria de Jesus dos Mártires & MATOS, Paulo Lopes. Naturais, reinóis e
luso-descendentes: a socialização conseguida. In: LOPES, Maria de Jesus dos
Mártires (coord.). Nova história da expansão portuguesa: o Império Oriental, 1660-1820,
vol. 5, tomo 2. Lisboa: Editorial Estampa, 2006, p. 15-70.
MANOHARAR YA, Saradesāya. A history of Konkani literature: from 1500 to 1992. New
Delhi: Sahitya Akademi, 2000.
MARGÓCSY, Dániel. Commercial visions: science, trade, and visual culture in the Dutch Golden
Age. Chicago: The University Chicago Press, 2014.
PAPAVERO, Nelson; LLORENTE-BOUSQUETS, Jorge; ESPINOSA-ORGANISTA,
David. Historia de la biología comparada desde el Génesis hasta el siglo de las luces: el
siglo de las luces (Parte II). Ciudad de México: Universidad Nacional Autónoma
de México, 1996.
39
Fabiano Bracht
Medicina Oriental: Filosofia Natural, Medicina e Farmácia na obra de Luís
Caetano de Meneses
rev. hist. (São Paulo), n.178, a05218, 2019
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2019.145084
PARDO-TOMÁS, José. Pluralismo médico y medicina de la conversión: Fray Agustín
Farfán y los agustinos en Nueva España, 1533-1610. Hispania, Madrid, v. 74, n.
248, p. 749-776, 2014. doi: 10.3989/hispania.2014.022.
PEARSON, Michael Nalyor. The Portuguese State and medicine in sixteenth-century
Goa. In: MALEKANDATHHIL, Pius & SOUZA, Teotónio de (ed.). The Portuguese
and the socio-cultural changes in India, 1500-1800. Kerala: Fundação Oriente, 2001,
p. 401-419.
PEREIRA, Magnus Roberto de Mello. “Plantas novas que os doutos não conhecem”:
a exploração científica da natureza no Oriente português, 1768-1808.
História, ciências, saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 665-685, 2017.
doi: 10.1590/s0104-59702017000300007.
PIEDADE, Carla Delgado de & TAVARES, Célia Cristina da Silva. Oratorianos de
Goa. In: FRANCO, José Eduardo; MOURÃO, José Augusto; GOMES, Ana Cristina
Costa (dir.). Dicionário histórico das ordens e instituições afins em Portugal. Lisboa:
Gradiva, 2010, p. 98- 111.
PINTO, Celsa. The forgotten martyrs: a revolt of the natives of Goa, 1787. Mumbai: Broadway
Publishing House, 2013.
POLÓNIA, Amélia. Jumping frontiers, crossing barriers: transfers between oceans:
the Portuguese overseas expansion case study. In: MUKHERJEE, Rila (ed.).
Oceans connect: reflections on water worlds across time and space. Delhi: Primus Books,
2012, p. 121-142.
POLÓNIA, Amélia. Understanding the role of foreigners in the Portuguese overseas
expansion through the lenses of the theories of cooperation and self-organization.
Storia Economica, Napoli, ano 18, n. 2, p. 385-413, 2014.
PRATT, Mary Louise. Imperial eyes: travel writing and transculturation. London: Routledge,
1992.
RAJ, Kapil. Mapping knowledge go-betweens in Calcutta, 1770-1820. In: SCHAFFER,
Simon et al. (ed). The brokered world: go-betweens and global intelligence, 1770-1820.
Sagamore Beach: Science History Publications, 2009, p. 105-150.
RAJ, Kapil. Relocating modern science: circulation and the construction of knowledge in South
Asia and Europe, 1650-1900. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2010.
RIVARA, Joaquim Heliodoro da Cunha. A conjuração de 1787 em Goa, e varias cousas
desse tempo: memoria historica. Nova Goa: Imprensa Nacional, 1875.
SANTOS, Christian Fausto Moraes dos; BRACHT, Fabiano; CONCEIÇÃO, Gisele Cristina
da. Das virtudes da ardência: uso e disseminação dos frutos de Capsicum
nos séculos XVI e XVII. Boletins do Museu Paraense Emílio Goeldi: ciências humanas,
Belém, v. 8, n. 1, p. 59-76, 2013. doi: 10.1590/S1981-81222013000100004.
THIELE, Kevin R. et al. The controversy over the retypification of Acacia Mill with an
Australian type: a pragmatic view. Taxon, Hoboken, v. 1, n. 60, p. 194-198, 2011.
VIGIER, Jean. Historia das plantas da Europa, e das mais uzadas que vem da Asia, e de Affrica,
& da America: onde ve se suas figuras, seus nomes, em quo tempo florecem & o lugar onde
nacem: com um breve discurso de suas qualidades e virtudes específicas: dividida en dois
volumes, & acomodada na forma do grande Pinax de Gaspar Bauhino. Lion: Officina de
Anisson, Posuel & Rigaud, 1718.
40
Fabiano Bracht
Medicina Oriental: Filosofia Natural, Medicina e Farmácia na obra de Luís
Caetano de Meneses
rev. hist. (São Paulo), n.178, a05218, 2019
http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2019.145084
WALKER, Thimoty Dale. Global cross-cultural dissemination of indigenous medical
practices through the Portuguese Colonial System: evidence from sixteenth to
eighteenth-century ethno-botanical manuscripts. In: WENDT, Helge (ed.). The
globalization of knowledge in the Iberian Colonial World. Berlin: Max Planck Research
Library for the History and Development of Knowledge, 2016, p. 161-192.
Trabalho apresentado na conferência Transfer of Knowledge in the Iberian
Colonial World.
WHITE, Richard. The Middle Ground: Indians, empires and republics in the Great Lakes Region,
1650-1815. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.
XAVIER, Ângela Barreto. A invenção de Goa: poder imperial e conversões culturais nos séculos
XVI e XVII. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2008.
XAVIER, Ângela Barreto & ŽUPANOV, Ines G. Ser brâmane na Goa da época
moderna. Revista de História, São Paulo, n. 172, p. 15-41, 2015. doi: 10.11606/
issn.2316-9141.rh.2015.98757.
Publicado
2019-11-01
Seção
olhar o outro

Dados de financiamento