“Uma maneira de passarmos a conviver”

descrição de um xitiki familiar na cidade de Maputo, Moçambique

Palavras-chave: xitiki, poupança e crédito rotativo, convívios, sociabilidade, família

Resumo

Neste artigo, apresento o xitiki, conhecido como uma prática endógena de poupança e crédito rotativo bastante comum na cidade de Maputo, Moçambique. De maneira a mostrar que esta é uma prática que vai além da sua característica econômica – bastante enfatizada em grande parte dos estudos existentes – descrevo de forma pormenorizada os encontros de um xitiki familiar, evidenciando os diferentes significados que as pessoas atribuem à prática e mostrando também como ele pode ser percebido como um meio de sociabilidade, em que é partilhada uma série de elementos que conectam os participantes uns aos outros, nomeadamente o dinheiro, os afetos, a comida, as relações de vizinhança, informações diversas, conselhos e desabafos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Catarina Casimiro Trindade, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas

Referências

ARDENER, Shirley & BURMAN, Sandra (ed.). Money go-rounds: the importance of rotating savings and credit associations for women. Oxford: Berg Publications Limited, 1995. 320 p.

BANCO DE MOÇAMBIQUE. Operadores de microcrédito. Maputo, 2005. Disponível em: <http://www.bancomoc.mz/Files/DSB/BrochuraOperMicrocredito.pdf>. Acesso em: 21 jun. 2014.

CUNHA, Teresa. A arte de xiticar num mundo de circunstâncias não ideais. Feminismo e descolonização das teorias econômicas e contemporâneas. In: CUNHA, Teresa et al. (org.) Ensaios pela democracia. Justiça dignidade e bem-viver. Porto: Afrontamento, 2011.

DAVA, Gabriel; LOW, Jan; MATUSSE, Cristina. Mecanismos de ajuda mútua e redes informais de proteção social: estudo de caso das províncias de Gaza e Nampula e a cidade de Maputo. Pobreza e bem-estar em Moçambique: 1996-1997, p. 316-370. Disponível em: <http://www.ifpri.org/sites/default/files/pubs/portug/pubs/books/ch6.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2012.

DE VLETTER, Fion. Microfinance in Mozambique – achievements, prospects and challenges. A report of the Mozambique microfinance facility. The Global Development Research Center, Kobe, jun. 2006. Disponível em: <http://www.gdrc.org/icm/country/microfinance-mozambique.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2012.

ESPLING, Margareta. Women´s livelihood strategies in processes of change: cases from urban Mozambique. Tese de doutorado, Department of Human and Economic Geography, School of Economics and Commercial Law, University of Goteborg, 1999. 271 p.

FELICIANO, José. Antropologia econômica dos Thonga do sul de Moçambique. Maputo: Arquivo Histórico de Moçambique (AHM), 1998. 474 p.

FONSECA, Cláudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. 2ª edição. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2000. 245 p.

FRANCISCO, António & PAULO, Margarida. Impacto da economia informal na proteção social, pobreza e exclusão: a dimensão oculta da informalidade em Moçambique. Maputo: Cruzeiro do Sul, Instituto de Investigação para o Desenvolvimento José Negrão, 2006. Disponível em: <http://www.iid.org.mz/impacto_da_economia_informal.pdf>. Acesso em: 12 abr. 2012.

GUGERTY, Mary Kay, You can’t save alone: commitment in rotating savings and credit associations in Kenya. Daniel J. Evans School of Public Affairs, University of Washington, jan. 2005. Disponível em: <http://www.sscnet.ucla.edu/polisci/wgape/papers/2_Gugerty.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2013.

HEVENER, Christy C. Alternative financial vehicles: Rotating Savings and Credit Associations (Roscas). Discussion papers, Community Affairs Department, Federal Reserve Bank of Philadelphia, 2006. Disponível em: <http://www.phil.frb.org/community-development/publications/discussion-papers/discussionpaper-ROSCAs.pdf>. Acesso em: 14 ago. 2013.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Introdução à obra de Marcel Mauss. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac Naify, 2003, p. 11-46.

LOFORTE, Ana. A produção de identidades étnicas em meio urbano. S/d. Disponível em: <http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/7045.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2015.

MAGALHÃES, Juliana de Paiva. Trajetórias e resistências de mulheres sob o colonialismo português (sul de Moçambique, XX). Tese de doutorado, FFLCH, USP, 2016.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. In: Idem. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naif, 2003.

NHATSAVE, Noémia. Mecanismos informais de proteção social em Moçambique: o caso do xitique. Trabalho de conclusão de curso de licenciatura em Economia, Faculdade de Economia, Universidade Eduardo Mondlane, Maputo, 2011. 41 p.

RADOMSKY, Guilherme F. W. As redes sociais da economia local: um estudo de caso na serra gaúcha. Perspectiva Econômica, vol. 2, n. 2, jul./dez. 2006, p. 75-107.

RUTHERFORD, Stuart. The poor & their money: an essay about financial services for poor people. Delhi: Oxford University Press, 2000. 65 p.

SIMMEL, Georg. Sobre la individualidad y las formas sociales. Quilmes: Universidad Nacional de Quilmes, 2002.

SHELDON, Kathleen. Markets and gardens: placing women in the history of urban Mozambique. In: Canadian Journal of African Studies, vol. 37, n. 2/3, 2003, p. 358-395. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/261664782_Markets_and_Gardens_Placing_Women_in_the_History_of_Urban_Mozambique. Acesso em: 10 abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.1080/00083968.2003.10751272

TANIGUTI, Gustavo T. Crédito entre imigrantes: experiências de tanomoshi-ko no bairro da Liberdade, São Paulo. The Annual Report: The Study of Nonwritten Cultural Materials, n. 8, Kanagawa University, mar. 2012, p. 53-79.

WEBER, Max. A objetividade do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, Gabriel (org.). FERNANDES, Florestan (coord.). Weber – Sociologia. São Paulo: Ática, 1999, p. 79-127. (Coleção Grandes Cientistas Sociais, 13)

ZAMPARONI, Valdemir. De escravo a cozinheiro: colonialismo & racismo em Moçambique. Salvador: Edufba, Ceao, 2007.

Publicado
2019-10-08
Seção
Dossiê: Moçambique em perspectiva: histórias conectadas, interdisciplinaridade..