Estado, transportes e mercado de trabalho

Livres, libertos e escravos em obras públicas na província de Minas Gerais nas décadas de 1830-1840

Palavras-chave: Trabalhadores, escravidão, aluguel, tráfico, Brasil

Resumo

Durante as décadas de 1830 e 1840, o Governo Provincial de Minas Gerais investiu diretamente na construção da Estrada do Paraibuna. A intervenção viária exigiu a contratação de trabalhadores braçais e qualificados. Pretende-se neste estudo explorar o ajustamento de trabalhadores livres e libertos e o sistema de aluguel de escravos. Enfatiza-se a participação de artífices forros no sistema de aluguel e a negociação para o ajustamento contratual de trabalho de um mestre carpinteiro livre. Valendo-se do cruzamento de fontes primárias, analisa-se a mobilidade social ascendente de um mestre pedreiro livre. A pesquisa identifica três resultados: (I) organização social laboral caracterizada pelo trabalho intermitente; (II) elevada taxa bruta de retorno obtida pelos donos de escravos alugados; (III) acumulação de capital-dinheiro e a inversão na importação de escravos do tráfico negreiro transatlântico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Télio Anísio Cravo, Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Economia

Mestre em História Social, Departamento de História, Universidade de São Paulo - USP. Doutorando em Desenvolvimento Econômico, Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

 

Marcelo Magalhães Godoy, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo.

Referências

Fontes manuscritas
ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO. PP 1/46, caixas 1 a 20.
ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO. Banco de dados dos processos construtivos de pontes e estradas. Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2017. SPOP 3/6, caixas 2 a 28 e 32 a 57.
LISTAS nominativas da década de 1830, organizadas em banco de dados pelo Núcleo de Pesquisas em História Econômica e Demográfica do CEDEPLAR/UFMG. Disponível em: . Acesso em: mar. 2018.
Fontes impressas
COLLECÇÃO das leis da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Ouro Preto: Typ. Universal, 1835.
COLLECÇÃO das leis da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Ouro Preto: Typ. Universal, 1837.
PINTO, Luiz Maria da Silva. Diccionario da lingua brasileira. Ouro Preto: Typ. de Silva, 1832.
RELATÓRIO apresentado a Assembléa Legislativa Provincial de Minas Gerais na Sessão Ordinária de 1869 pelo presidente da mesma Dr. José Maria Corrêa de Sá e Benevides. Rio de Janeiro: Typ. Laemmert, 1870.
RELATÓRIO que a Assembleia Legislativa Provincial de Minas Geraes apresentou na sessão ordinária de 1854 ao Presidente da Província. Ouro Preto: Typ. Bom Senso, 1854.
RIBEIRO, Joaquim Cypriano. Acto Addicional annotado e consolidação das disposições esparsas e vigentes do Regimento Interno da Assemblea Legislativa Provincial de Minas. Ouro Preto: Typ. Actualidade, 1881.
Bibliografia
ANDRADE, Marcos Ferreira de. Elites regionais e a formação do Estado imperial brasileiro: Minas Gerais: Campanha da Princesa (1799-1850). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.
BARBOSA, Lidiany Silva & GODOY, Marcelo Magalhães. Transportes, região e desenvolvimento econômico: a dinâmica da expansão da infra-estrutura viária na província de Minas Gerais, 1840-1889. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 30, n. 53, p. 461-486, 2014. ISSN 0104-8775. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2015. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752014000200007.
BARBOSA, Lidiany Silva et al. Transportes e finanças públicas: contribuição para o estudo do lugar do dispêndio em infra-estrutura viária nos orçamentos provinciais e municipais de Minas Gerais, 1835-1889. In: GOULARTI FILHO, Alcides & QUEIROZ, Paulo Roberto Cimó (org.). Transportes e formação regional: contribuições à história dos transportes no Brasil. Dourados: Editora UFGD, 2011, p. 237-267.
BERGAD, Laird. Escravidão e história econômica: demografia de Minas Gerais, 1720-1880. Bauru: Edusc, 2004.
CHALHOUB, Sidney. Costumes senhoriais: escravização ilegal e precarização da liberdade no Brasil Império. In: AZEVEDO, Elciene et al. (org.). Trabalhadores na cidade: cotidiano e cultura no Rio de Janeiro e em São Paulo, séculos XIX e XX. Campinas: Editora Unicamp, 2009, p. 23-62.
CHALHOUB, Sidney. Precariedade estrutural: o problema da liberdade no Brasil escravista (século XIX). História Social, Campinas, n. 19, p. 33-62, 2º sem. 2010.
CRAVO, Télio. Construindo pontes e estradas no Brasil Império: engenheiros e trabalhadores nas Minas Gerais (1835-1889). São Paulo: Alameda, 2016.
CUNHA, Manuela Carneiro da. Sobre os silêncios da lei: lei costumeira e positiva nas alforrias de escravos no Brasil do século XIX. Campinas: IFCH Unicamp, 1983. (Cadernos IFCH, n. 4).
DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Globo, 2005.
FRANK, Zephyr. Dutra’s world: wealth and family in nineteenth-century Rio de Janeiro. Albuquerque: University of New Mexico Press, 2004.
FREIRE, Jonis. Escravidão e família escrava na Zona da Mata mineira oitocentista. Tese de doutorado em História, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.
FREIRE, Jonis. Crescimento da população cativa em uma economia agroexportadora: Juiz de Fora (Minas Gerais), século XIX. Revista de História, São Paulo, n. 166, p. 245-283, 2012. ISSN 0034-8309. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2019. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i166p245-283.
GODOY, Marcelo Magalhães. Intrépidos viajantes e a construção do espaço: uma proposta de regionalização para as Minas Gerais do século XIX. Belo Horizonte: Cedeplar UFMG, 1996. (Texto para Discussão, n. 109).
GODOY, Marcelo Magalhães & BARBOSA, Lidiany Silva. Uma outra modernização: transportes em uma província não exportadora: Minas Gerais, 1850-1870. Economia e Sociedade, Campinas, v. 17, n. 2, p. 331-358, 2008. ISSN 0104-0618. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-06182008000200007.
GUEDES, Roberto. Egressos do cativeiro: trabalho, família, aliança e mobilidade social (Porto Feliz, São Paulo c.1718-c.1850). Rio de Janeiro: Mauad, 2008.
GUEDES, Roberto. Samuel da Rocha: escravo, aparentado, forro, carpinteiro e senhor (Porto Feliz, São Paulo, século XIX). Anos 90, Porto Alegre, v. 17, n. 31, p. 57-81, 2010. ISSN 1983-201X Disponível em: Acesso em: 20 jun. 2016. doi: https://doi.org/10.22456/1983-201X.18937.
HÉLIN, Etienne. Profissão e estatuto social. In: MARCÍLIO, Maria Luiza (org.). Demografia histórica. São Paulo: Pioneira, 1977, p. 175-198.
HOBSBAWM, Eric. Costumes, salários e carga de trabalho na indústria do século dezenove. In: HOBSBAWM, Eric. Os trabalhadores: estudos sobre a história do operariado. 5ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 2015, p. 461-196.

KLEIN, Herbert. The colored freedmen in Brazilian slave society. Journal of Social History, Pittsburgh, v. 3, n. 1, p. 30-52, 1969.
LAMOUNIER, Maria Lúcia. Ferrovias e mercado de trabalho no Brasil do século XIX. São Paulo: Edusp, 2012.
LENHARO, Alcir. As tropas da moderação: o abastecimento da Corte na formação política do Brasil, 1808-1842. São Paulo: Símbolo, 1979.
LIBBY, Douglas Cole. Trabalho escravo e capital estrangeiro no Brasil: o caso de Morro Velho. Belo Horizonte: Itatiaia, 1984.
LIBBY, Douglas Cole. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1988.
LIMA, Henrique Espada. Sob o domínio da precariedade: escravidão e os significados da liberdade de trabalho no século XIX. Topoi, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 289-326, 2005. ISSN 2237-101X. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2237-101X006011004.
MAC CORD, Marcelo. Artífices da cidadania. Campinas: Ed. Unicamp, 2012.
MAC CORD, Marcelo. Francisco José Gomes de Santa Rosa: experiências de um mestre pedreiro pardo e pernambucano no Oitocentos. Afro-Ásia, Salvador, n. 49, p. 199-227, 2014. ISSN 0002-0591. Disponível em: . Acesso em: 15 de mai. de 2016. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0002-05912014000100007.
MARTINS, Roberto Borges. A economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte: Cedeplar UFMG, 1980. (Texto para discussão, n. 10).
MARTINS, Roberto Borges. Tschudi, Halfeld, Wagner e a geografia de Minas Gerais no século XIX. In: HALFELD, Henrique & TSCHUDI, Johann Jakob von. A província brasileira de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro: Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1998, p. 15-59.
MARTINS, Roberto Borges. Minas e o tráfico de escravos no século XIX, outra vez. In: SZMRECSÁNYI, Tamás & LAPA, José Roberto do Amaral (org.). História econômica da Independência e do Império. 2ª edição. São Paulo: Edusp, 2002, p. 99-130.
MARTINS, Roberto Borges. Tesouro revelado. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 51, n. 1, p. 80-105, 2015.
MELLO, Pedro Carvalho de. Rates of return on slave capital in Brazilian Coffee Plantations, 1871-1881. In: FOGEL, Robert. Without consent or contract: the rise and fall of American slavery. New York: Norton, 1992, p. 63-79.
MELLO, Pedro Carvalho de & SLENES, Robert Wayne. Análise econômica da escravidão no Brasil. In: NEUHASS, Paulo (coord.). Economia brasileira: uma visão histórica. Rio de Janeiro: Campus, 1980, p. 89-122.
MENDES, Philipe Scherrer. Finanças públicas da província de Minas Gerais. Monografia de graduação em Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.
OLIVEIRA, Maria Inês Côrtes de. O liberto: o seu mundo e os outros: Salvador, 1790-1890. Salvador: Corrupio, 1988.

OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. Negócios de famílias: mercado, terra e poder na formação da cafeicultura mineira, 1780-1870. Juiz de Fora: Edusc, 2005.
OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de. Avô imigrante, pai lavrador, neto cafeicultor: análise de trajetórias intergeracionais na América Portuguesa (séculos XVIII e XIX). Varia Historia, Belo Horizonte, v. 27, n. 46, p. 625-644, 2011. ISSN 0104-8775. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2015. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752011000200012.
PAIVA, Clotilde Andrade. População e economia nas Minas Gerais do século XIX. Tese de doutorado em História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.
PAIVA, Clotilde Andrade & GODOY, Marcelo Magalhães. Território de contrastes: economia e sociedade das Minas Gerais do século XIX. In: SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA, 10, 2002, Diamantina. Anais. Belo Horizonte: Cedeplar, 2002, p. 1-45.
PAULA, João Antônio de. O mercado e o mercado interno no Brasil: conceito e história. História Econômica e História de Empresas, [s.l.], v. 5, n. 1, p. 7-39, 2002. Disponível em: . Acesso em: 5 set. 2019. doi: https://doi.org/10.29182/hehe.v5i1.126.
RODARTE, Claus. Os liberais de Minas e o “Regresso”. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 50, n. 2, p. 68-85, 2014.
RODARTE, Mario Marcos Sampaio. O trabalho do fogo: domicílios ou famílias do passado: Minas Gerais, 1830. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.
SANTOS, Amália Cristovão dos. Em obras: os trabalhadores da cidade de São Paulo entre 1775 e 1809. Dissertação de mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
SOARES, Márcio de Sousa. A remissão do cativeiro: a dádiva da alforria e o governo dos escravos nos Campos dos Goitacases, c.1750-c.1830. Rio de Janeiro: Apicuri, 2009.
STEINFELD, Robert & ENGERMAN, Stanley. Labor: free or coerced? A historical reassessment of differences and similarities. In: BRASS, Tom & LINDEN, Marcel van der (ed.). Free and unfree labour: the debate continues. Paris: Lang, 1997, p. 107-126.
THOMPSON, Edward Palmer. La sociedad inglesa del siglo XVIII: ¿lucha de clases sin clases? In: THOMPSON, Edward Palmer. Tradición, revuelta y consciencia de clase: estudios sobre la crisis de la sociedad preindustrial. Barcelona: Crítica, 1979, p. 13-61.
Publicado
2019-10-08
Seção
Artigos