Tempo e espaço na produção de um território moderno

A “Pátria Cearense” na cartografia de Francisco Saturnino Rodrigues de Brito (1892)

Palavras-chave: História, território, modernização, tempo, ferrovia

Resumo

Nos quarenta dias em que esteve no Ceará a serviço da Estrada de Ferro de Baturité, Francisco Saturnino Rodrigues de Brito mapeou o território e relatou seu parecer sobre o melhor percurso para o prolongamento dessa ferrovia, que deveria atravessar as terras cearenses e chegar até as margens do rio São Francisco, em Pernambuco. Nessa documentação, o engenheiro, convencido de sua obrigação para com a pátria brasileira e o progresso do país, definiu as marcas para a produção de um território moderno, que aliasse o Ceará à rapidez e eficiência dos moldes europeus ocidentais. Suas colocações, via de regra, apresentaram um olhar preconceituoso sobre a realidade observada, classificando o diferente como desigual e inferior. Trata-se de farta documentação a partir da qual é possível refletir sobre os projetos de modernização para o Brasil do final do século XIX e início do XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Isabel Ribeiro Parente Cortes Reis, Universidade Regional do Cariri

Doutora em História Social, coordenadora do Mestrado Profissional em Ensino de História (ProfHistória) da Universidade Regional do Cariri (URCA), professora adjunto do Departamento de História da mesma universidade.

Ana Sara Cortez Irffi, Universidade Federal do Ceará

Doutora em História Social, vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Ceará (UFC), professora adjunto do Departamento de História da mesma universidade.

Referências

Fontes

AUXILIADOR DA INDÚSTRIA NACIONAL. Rio de Janeiro: Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional, 07/01/1852.

BRASIL. Ministério da Viação e Obras Públicas. Relatório. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1918.

MORSING, Carlos Alberto [Correspondência]. Destinatátio: Engenheiro Chefe da Direção de Obras Públicas do Ceará, Dr. José Pompeu Albuquerque Cavalcante. Baturité, 30/09/1878. BR, APEC, EFB, 02, 1878. Ofício.

REDE DE VIAÇÃO CEARENSE. Relatório. Cidade: RVC, 1916.

Bibliografia

ABREU, Capistrano de. Capítulos de história colonial: 1500-1800. Brasília: Conselho Editorial do Senado Federal, 1998. Disponível em: <https://bit.ly/2kFfFcv>. Acesso em: 10 set. 2019.

ALONSO, Angela. De positivismo e de positivistas: interpretações do positivismo brasileiro. BIB, Rio de Janeiro, n. 42, p. 109-134, 1996.

BRITO, Francisco Rodrigues Saturnino de. Primeiras publicações, v. 22. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1943.

BRITO, Francisco Rodrigues Saturnino de. Obras completas, v. 22. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1944.

CASTRO, José Flávio Morais. Georreferenciamento e cartometria dos mapas da capitania de Minas Gerais elaborados por José Joaquim da Rocha em 1778 e 1793. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 25, n. 3, p. 581-593, set./dez. 2013. ISSN 1982-4513. Disponível em: <https://bit.ly/2ka0YOp>. Acesso em: 10 set. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1982-45132013000300011.

DAVIS, Mike. Holocaustos coloniais: clima, fome e imperialismo na formação do terceiro mundo. Rio de Janeiro: Record, 2002.

DELLA CAVA, Ralph. Milagre em Joaseiro. 2ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

DOLHNIKOFF, Miriam. O pacto imperial: origens do federalismo no Brasil. São Paulo: Globo, 2005.

FERREIRA, Benedito Genésio. A Estrada de Ferro de Baturité: 1870-1930. Fortaleza: Edições UFC, 1989. (Projeto História do Ceará, Política, Indústria e Trabalho 1930-1964).

FERREIRA, Luiz Otávio. O ethos positivista e a institucionalização da ciência no Brasil no início do século XIX. Fênix, Uberlândia, v. 4, ano 4, n. 3, p. 1-10, jul.-set. 2007.

FORTI, Maria do Carmo P. Maria de Araújo, a beata do Juazeiro. São Paulo: Edições Paulinas, 1991.

FUNES, Eurípedes et al. (org.). Natureza e cultura: capítulos de história social. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2013.

HARLEY, Brian. Mapas, saber e poder. Confins, São Paulo, n. 5, p. 1-23, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2kFkxy7>. Acesso em: 10 set. 2019. doi: https://dx.doi.org/10.4000/confins.5724

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HERSCHMANN, Micael M. & PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O imaginário moderno no Brasil. In: HERSCHMANN, Micael M. & PEREIRA, Carlos Alberto Messeder (orgs). A invenção do Brasil moderno: medicina, educação e engenharia nos anos 20-30. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 09-42.

LAMARTINE, Alphonse de. Histoire de La Restauration. Paris: Pagnerre, Lecou, Furne e Co. 1851, p 178.

LOPES, André Luís Borges. “Sanear, prever e embelezar”: o engenheiro Saturnino de Brito, o urbanismo sanitarista e o novo projeto urbano do PRR para o Rio Grande do Sul (1908-1929). Tese de doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

MELLO, Evaldo Cabral de. A outra independência: o federalismo pernambucano de 1817 a 1824. São Paulo: Editora 34, 2004.

NEVES, Margarida de Souza. Os cenários da República: o Brasil na virada do século XIX para o século XX. In: FERREIRA, Jorge & DELGADO, Lucília de Almeida Neves (org.). O Brasil republicano: o tempo do liberalismo excludente: da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 13-44.

OLIVEIRA, Gabriel Pereira de. Sentidos de um pedaço de rio que não existiu: A transposição do São Francisco em meados do século XIX. In: FUNES, Eurípedes et al. Natureza e cultura: capítulos de história social. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2013, p. 179-188.

RAMOS, Francisco Régis Lopes. O fato e a fábula: o Ceará na escrita da história. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2012.

REIS, Ana Isabel Ribeiro Parente Cortez. O espaço a serviço do tempo: a Estrada de Ferro de Baturité e a invenção do Ceará. Tese de doutorado em História, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

SILVA, Wendell Guedes da. A todo vapor! Formação de trabalhadores na Estrada de Ferro de Baturité (1877-1880). Dissertação de mestrado em História, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2013.

VILLA, Carlos Eduardo Valencia. Georreferência de mapas históricos: os casos de Cartagena de Índias Colonial e do Rio de Janeiro Imperial. Locus, Juiz de Fora, v. 21, n. 2, p. 517-546, 2015.

VIRILIO, Paul. Cibermundo: a política do pior. Lisboa: Teorema, 2000.

Publicado
2020-02-11
Seção
Artigos