Saraivada de Sambas: Segunda Guerra e Música Popular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.155049

Palavras-chave:

Segunda Guerra Mundial, Estado-Novo, Música Popular Brasileira, Crítica social, Radiodifusão

Resumo

No Brasil, várias canções foram compostas durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), tendo o conflito como tema. Seus versos estão repletos de elogios às tropas aliadas bem como de críticas e deboches às lideranças inimigas. Este artigo, entretanto, enfoca certo tipo de ironia. No Brasil, à época, bem no início da década de 1940, o regime político era uma ditadura. Governos autoritários muito frequentemente tentam valer-se da dupla via da propaganda e da censura. Persuasão e repressão. Isso envolve os circuitos de produção musical, meios de comunicação de massa e radiodifusão. Em algumas canções sobre a Segunda Guerra Mundial, é possível ouvir contradições e confrontos de nossa própria sociedade, principalmente os relativos às pessoas pobres e negras. As principais fontes aqui foram gravações originais em 78 rpm. A transcrição das letras dos discos de cera é cheia de desafios (homofonias, termos que caíram em desuso, gírias). Na metodologia, os discursos das canções são lidos tentando-se estar atento aos seus sinais qualitativos, seus pontos de relevo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joao Ernani Furtado Filho, Universidade Federal do Ceará

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), professor do Departamento de História da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

ABREU, João Capistrano Honório de. Capítulos de história colonial (1500-1800). 7ª edição. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988.

ACHILLES, Aristheu. Aspectos da ação do DIP. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa e Propaganda, 1941.

AZEVEDO, Miguel Ângelo de [Nirez]. A história cantada no Brasil em 78 rotações. Fortaleza: Edições UFC, 2012.

BARBALHO, Gracio. O popular em 78 rotações. Natal: Fundação José Augusto, 1982.

CANCELLI, Elizabeth. O mundo da violência: a polícia da era Vargas. 2ª edição. Brasília, DF: Editora UnB, 1994.

CARDOSO JUNIOR, Abel. Francisco Alves: as mil canções do Rei da Voz. Curitiba: Revivendo, 1998.

CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O Anti-semitismo na Era Vargas. São Paulo: Perspectiva, 2001.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial; Teatro de Sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARVALHO, José Murilo de. Forças armadas e política no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CASTRO, Celso. Exército e nação: estudos sobre a história do Exército Brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2012.

CATROGA, Fernando. A geografia dos afectos pátrios: as reformas político-administrativas (sécs. XIX e XX). Coimbra: Almedina, 2013.

CATROGA, Fernando. Ensaio respublicano. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2011.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Tradução: Maria Manuela Galhardo. Lisboa: Difel, 1990.

CUNHA, Euclides da. Ciclo D’Os Sertões. In: CUNHA, Euclides da. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995, v. 2.

FRANCESCHI, Humberto M. Samba de sambar do Estácio: 1928-1931. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2010.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira, t. 2: o Brasil monárquico, v. 7: do Império à República. 7ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os dois corpos do Rei: um estudo sobre teologia política medieval. Tradução: Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LAGO, Mário. Bagaço de beira-estrada. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1977.

LENHARO, Alcir. Sacralização da Política. 2ª edição. Campinas: Papirus, 1989.

MARCONDES, Marco Antonio (ed.). Enciclopédia da música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Editora, 1977.

MATOS, Cláudia. Acertei no milhar: samba e malandragem no tempo de Getúlio. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1982.

MOURA, Roberto. Tia Ciata e a pequena África no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Funarte, 1983.

NABUCO, Joaquim. O Abolicionismo. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002. Coleção Intérpretes do Brasil, v. 1.

OLIVEIRA FILHO, Arthur Loureiro de. Pioneiros do Samba: Carlos Cachaça, Ismael Silva e Bicho Novo. Rio de Janeiro: Museu da Imagem e do Som, 2002.

PARANHOS, Adalberto. Os desafinados: sambas e bambas no “Estado Novo”. São Paulo. Intermeios, 2015.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. 2ª edição. São Paulo: Contexto, 2013.

REVEL, Jacques. A invenção da sociedade. Tradução: Vanda Anastácio. Lisboa: Difel, 1990.

REVEL, Jacques. Proposições: ensaios de história e historiografia. Tradução: Claudia O’Connor dos Reis. Rio de Janeiro: Eduerj, 2009.

SALIBA, Elias Thomé. Raízes do Riso. A representação humorística na história brasileira: da Belle Époque aos primeiros tempos do rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SANDRONI, Carlos. Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro (1917-1933). Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

SANTOS, Alcino et al. Discografia Brasileira em 78 rpm, 1902-1964. Rio de Janeiro: Funarte, 1982. 5 v.

SEVERIANO, Jairo. Yes, nós temos Braguinha. Rio de Janeiro: Funarte, 1987.

SODRÉ, Muniz. Samba: o dono do corpo. 2ª edição. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

TOTA, Antonio Pedro. Samba da legitimidade. Dissertação de mestrado em História, Universidade de São Paulo, 1980.

TUPY, Dulce. Carnavais de guerra: o nacionalismo no samba. Rio de Janeiro: ASB, 1985.

VARNHAGEN, Francisco Adolfo. História das lutas com os holandeses no Brasil: desde 1624 a 1654. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 2002.

VASCONCELOS, Gilberto & SUZUKI JÚNIOR, Matinas. A malandragem e a formação da música popular brasileira. In: FAUSTO, Boris (org.). História geral da civilização brasileira, t. 3: o Brasil republicano, v. 11: economia e cultura (1930-1964). 4ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007, p. 612-638.

VILLA-LOBOS, Heitor. Guia prático: estudo folclórico musical, v. 1. Rio de Janeiro: Irmãos Vitale Editores, 1941.

Fontes

ANDA, nego. Intérprete: Marilu e Regional. Compositores: Vicente Paiva e Sá Roris. [S. l.]: Victor, out. 1943. 1 disco de 78 rotações. 80-0120-B. Samba.

DESCULPA de ocasião. Intérprete: Rosina Pagã, Benedito Lacerda e conjunto. Compositores: Herivelto Martins e Darci de Oliveira. [S. l.]: Odeon, jun. 1942. 1 disco de 78 rotações. 12.159-A. Samba-choro.

FIM do eixo. Intérpretes: Zé & Zilda. Compositor: José Gonçalves [Zé com Fome]. [S. l.]: Victor, out. 1943. 1 disco de 78 rotações. 80-0123-B. Samba.

JOGO Proibido/ Malandro bombardeado. Intérprete: Moreira da Silva. Compositores: Tancredo Silva, David Silva, José Gonçalves e Moreira da Silva. [S. l.]: Continental, mar. 1953. 1 disco de 78 rotações. 16.724-B. Sambas.

ME DÁ, me dá. Intérprete: Carmen Miranda. Compositores: Portelo Juno e Cícero Nunes. [S. l.]: Odeon, ago. 1937. 1 disco de 78 rotações. 11.494-B. Samba-choro.

MULATO patriota. Intérprete: Anjos do Inferno. Compositores: David Nasser e J. Batista. [S. l.]: Columbia, maio 1942. 1 disco de 78 rotações. 55.342-B. Samba

NEGRO artilheiro. Intérprete: Trio de Ouro, Abel Ferreira e orquestra. Compositores: Sinval Silva e Herivelto Martins. [S. l.]: Odeon, jul. 1945. 1 disco de 78 rotações. 12.601-B. Samba.

O BRASIL entrou na guerra.. Intérpretes: Nhô Pai & Nhô Fio. Compositor: Ariowaldo Pires. [S. l.]: Odeon, nov. 1942. 1 disco de 78 rotações. 12.227-A. Moda de viola.

SAMBA de nego. Intérprete: Francisco Alves. Compositor: Pixinguinha [Alfredo da Rocha Vianna]. [S. l.]: Odeon, fev. 1928. 1 disco de 78 rotações. 10.111-B. Samba. Cf. transcrição da letra em Cardoso Junior (1998, p. 88).

TERRA boa. Intérprete: Orlando Silva. Compositores: Ataulfo Alves e Wilson Batista. [S. l.]: Victor, jul. 1942. 1 disco de 78 rotações. 34.938-A. Samba.

TRÊS PALHAÇOS na berlinda. Intérpretes: Ataulfo Alves e sua Academia de Samba. Compositores: Alocin, Odausico Mota e Nelson Trigueiro. [S. l.]: Odeon, mar. 1943. 1 disco de 78 rotações. 12.281-A. Marcha.

Downloads

Publicado

2020-06-10

Edição

Seção

História e Artes