A escravidão e a “verdade” do romance: primeiras leituras e usos públicos de A Cabana do Pai Tomás no Brasil (1852-1858)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159279

Palavras-chave:

Escravidão, Romance realista, Recepção, Literatura, abolicionismo

Resumo

Neste artigo aborda-se as primeiras leituras brasileiras e os usos públicos do romance abolicionista A Cabana do Pai Tomás [1852], da estadunidense Harriet Beecher Stowe. Considerando-se o anseio do romance realista oitocentista de desvelar o social, apresenta-se os procedimentos formais adotados assim como sua recepção por leitores do Brasil escravista. Para tanto, utiliza-se como fontes principais a imprensa e baseia-se nas reflexões de Michel de Certeau sobre a leitura. Houve três modalidades diferentes de leituras: refratárias, ambíguas e entusiásticas, cada qual correspondeu a um modo próprio dos leitores se posicionarem diante de a intensão realista do romance, nem sempre sendo aceito como uma representação verossímil da escravidão. Indica-se a importância do romance em incentivar um debate público acerca da legitimidade da escravidão, ainda que não tenha incentivado defesas de abolicionismo imediatista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo José Zioni Ferretti, Universidade Federal de São João del Rei

Doutor pelo programa de pós-graduação em História Social pelo Departamento de História, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (2004); professor adjunto do curso de História (Cohis) do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São João del Rei

Referências

ª PACOTILHA. Correio Mercantil. Rio de Janeiro, 6 fev./ 1853.

ª PACOTILHA. Correio Mercantil. Rio de Janeiro, 13 fev./ 1853.

ABREU, Márcia. Conectados pela ficção: circulação e leitura de romances entre a Europa e o Brasil. O Eixo e a Roda, Belo Horizonte, v. 22, n.º 1, p. 15-39, 2013. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br>. Acesso em: 11 maio/ 2020. DOI disponível em: <http://dx.doi.org/10.17851/2358-9787.22.1.15-39>.

A CASINHA do Tio Thomaz II. Novo Correio das Modas, Rio de Janeiro, 1853.

ARAVAMUDAN, Srinivas. Introduction. In: ARAVAMUDAN, Srinivas. (ed.) Slavery, abolition and emancipation: writings in the British romantic period. London: Pickering & Chatto, 1999, v. 6.

CANDLER, John; BURGESS, Wilson. Narrative of a Recent Visit to Brazil by... to present an address on the slave trade and slavery, issued by The Religious Society of Friends. London: Edward Marsh, Friend´s book and tract depository, 1853.

CAREY, Brycchan. British abolitionism and the rethoric of sensibility. Writing, Sentiment and Slavery, 1760-1807. New York: Palgrave Mac Millan, 2005.

COHEN, Margareth; DEVER, Carolyn (ed.). The literary channel. The inter-national invention of the novel. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2002.

De CERTEAU, Michel. Ler: uma operação de caça. In: De CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

DONEGÁ, Ana Laura. Publicar ficção em meados do século XIX; um estudo das revistas femininas editadas pelos irmãos Laemmert. Dissertação (Mestrado em Teoria e História Literária) – Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP: 2013.

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: vida e obra. Natal, RN: EDUFRN, 2008.

FERRETTI, Danilo José Zioni. A publicação de A cabana do Pai Tomás no Brasil escravista. O momento europeu da edição Rey e Belhatte (1853). Varia história, Belo Horizonte, v. 33, n.º 61, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br>. Acesso em: 11 maio/ 2020. DOI disponível em: <https://doi.org/10.1590/0104-87752017000100009>.

FLORESTA, Nísia. Variedades - Opúsculo Humanitário. Diário do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 6 maio/ 1853.

FOLHETIM. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 27 fev./ 1853.

FOLHETIM. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 6 mar./ 1853b.

FOLHETIM. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 25 jan./ 1853c.

FOLHETIM. Brasil Commercial, Rio de Janeiro, 3 abril/ 1858.

GOMES, A. Ildefonso. Viva a escravidão, abaixo a liberdade. Correio Mercantil, Rio de Janeiro, 31 jul./ 1855.

GUIMARÃES, Hélio de Seixas. O Pai Tomás no romantismo brasileiro. Teresa; Revista de literatura brasileira, São Paulo, nº. 12/13, 2013. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/teresa/article/view/99408/97896>. Acesso em: 11 maio/ 2020.

HAMON, Philippe. Un discour contraint. In: BARTHES, Roland; BERSANI, Leo et ali (ed). Littérature et réalité. Paris: Editions du Seuil, 1982.

HAVARD, John. Fighting slavery by ‘Presenting facts in Detail’: realism, typology, and temporality in Uncle Tom´s Cabin. American Literary Realism, v. 44, n.º 3, spring, 2012.

ITAMARACÁ. Diário de Pernambuco, Recife, 21 set./ 1857.

JAUSS, Hans Robert. Pour une esthétique de la réception. Tradução de Claude Maillard, prefácio de Jean Starobinski. Paris: Gallimard, 2013.

LYON-CAEN, Judith. La lecture et la vie. Les usages du roman au temps de Balzac. Paris: Tallandier, 2006, p. 25-43; 50-61.

LYON-CAEN, Judith; RIBARD, Dinah. L´historien et la littérature. Paris: La Découverte, 2010.

MAMIGONIAN, Beatriz. Africanos Livres: a abolição do tráfico de escravos no Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2017.

PARRON, Tâmis. A política da escravidão no Império do Brasil (1826-1865). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. Politique de la littérature. Paris: Galilée, 2007.

REYNOLDS, David. Mightier than the Sword: Uncle Tom’s cabin and the Battle for America. W W Norton & Co, 2011.

RIBEIRO, Aline Vitor. Lendo Herriet Beecher Stowe no Brasil: Circulação e traduções culturais do romance A Cabana do Pai Tomás na segunda metade do século XIX. Dissertação (Mestrado em História) - Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos: 2016.

RODRIGUES, Jaime. O infame Comércio: propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800-1850). Campinas, SP: Unicamp/Cecult, 2000.

TOMPKINS, Jane. Sentimental power: Uncle Tom´s Cabin and the politics of literary history. In: TOMPKINS, Jane. Sensational designs. The cultural work of american fiction 1790-1860. New York: Oxford University Press, 1985.

WATT, Ian. A ascensão do romance. Tradução de Hildegard Feist. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

WERNECK, Manuel Peixoto de Lacerda. O Café na Província do Rio de Janeiro. Auxiliador da Indústria Nacional, n.º 9, 3 mar./ 1854.

Downloads

Publicado

2020-09-14

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento