A emergência do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte: como, para que e por quem foi criado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.160169

Palavras-chave:

Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, documentos, historiografia, intelectuais, Rio Grande do Norte

Resumo

O presente artigo tem por objeto de estudo o Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte (IHGRN), criado em 29 de março de 1902. Pretende-se analisar as condições de emergência do IHGRN, identificando o conjunto de interesses que possibilitaram a sua criação, bem como o perfil social e político dos seus sócios-fundadores. Foram examinados os vinte e cinco primeiros anos do funcionamento do IHGRN. Esse recorte temporal abarca as atividades realizadas pelos primeiros sócios do grêmio. Foi nesse momento que os sócios-fundadores formularam os objetivos, os interesses e a cultura historiográfica e política que fundamentaram, por muito tempo, as diretrizes da instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Balbino Aires da Costa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Doutor pelo programa de pós-graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ADORNO, Sérgio. Os aprendizes do poder: o bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ALONSO, Ângela. Ideias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

A República, Natal, 3 set. 1902.

BEVILÁQUIA, Clóvis. História da Faculdade do Direito do Recife. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.

BOEIRA, Luciana Fernandes. Como salvar do esquecimento os atos bravos do passado rio-grandense: a Província de São Pedro como um problema político-historiográfico no Brasil Imperial. Tese (Doutorado em História) – programa de pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

BUENO, Almir de Carvalho. Visões de República: idéias e práticas políticas no Rio Grande do Norte (1880-1895). Natal: EDUFRN, 2002.

CASCUDO, Luís da Câmara. Alma Patrícia. Mossoró: Coleção Mossoroense, 1991.

CEZAR, Temístocles. Livros de Plutarco: biografia e escrita da história no Brasil do século XIX. Métis: história & cultura, v. 2, n.º 3, p. 73-94, jan. /jun. 2003.

CEZAR, Temístocles. A geografia servia, antes de tudo, para unificar o Império. Escrita da História e saber geográfico no Brasil oitocentista. Ágora, v. 11, n.º 1. p. 79-97, 2005.

COSTA, Bruno Balbino Aires da. A formação bacharelesca dos norte-rio-grandenses na Faculdade de Direito de Olinda. In: NICOLAU, Magno (org.). Leituras diversas: crônicas, ensaios e contos. João Pessoa: Ideia, 2014. (v. 2)

FERNANDES, Saul Estevam. O Brasil em pedaços ou a História dos meios de resolução das questões de limites interestaduais (1889-1930). Tese (Doutorado em História) – programa de pós-graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

FERNANDES, Saul Estevam. O (in)imaginável elefante mal-ajambrado: a questão de limites entre o Ceará e o Rio Grande do Norte e o exame da formação espacial e identitária norte-rio-grandense na Primeira República. Dissertação (Mestrado em História), programa de pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012.

Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 28 out 1900.

GRIJÓ, Luiz Alberto. Ensino jurídico e política partidária no Brasil: a Faculdade de direito de Porto Alegre (1900-1937). Tese (Doutorado em História) - programa de pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense, 2005.

GUIMARÃES, Lucia Maria Paschoal. Debaixo da imediata proteção imperial: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). 2ª edição. São Paulo: Annablume, 2011.

GUIMARÃES, Manoel Luís Salgado. Historiografia e nação no Brasil: 1838-1857. Rio de Janeiro: EdUERJ. 2011.

GURGEL, Tarcísio. Belle Époque na esquina: o que se passou na República das Letras Potiguar. Natal: Ed. do Autor, 2009.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. Acta da installação do Instituto Historico e Geographico do Rio Grande do Norte. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Natal, v. 1, n.º 1, p. 6-7, 1903.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. Actas das sessões do instituto – 1904. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Natal, v. 6, n.º 2, 1908.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. Necrologia – Desembargador Vicente Simões Pereira de Lemos. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Natal, v. 16, n.º 1-2, p. 331, 1919.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO RIO GRANDE DO NORTE. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Natal, v. 1, n.º 1, p. 4-9, 1903.

INSTITUTO HISTÓRICO, GEOGRÁFICO E ANTROPOLÓGICO DO CEARÁ. Acta da sessão inaugural. Revista do Instituto Histórico, Geográfico e Antropológico do Ceará Fortaleza, t. 1, 1887.

IUMATTI, Paulo Teixeira; VELLOZO, Júlio Cezar de Oliveira. O Conhecimento, política e instituições no Brasil (1889-1934). Reflexos: revue pluridisciplinaire du monde lusophone, v. 2, 2013.

Jornal do Commercio, Rio de Janeiro, 3 dez. 1899.

LYRA, Augusto Tavares de. Recordando dias idos. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Natal, v. 48-49, 1952.

MACÊDO, Muirakytan K. de. A penúltima versão do Seridó: uma história do regionalismo seridoense. Natal: EDUFRN; EDUEPB, 2012.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema. São Paulo: HUCITEC; Brasília: INL, 1987.

OLIVEIRA, Almir Leal de. O Instituto Histórico, Geográfico e Antropológico do Ceará – memória, representações e pensamento social (1887-1914). Tese (Doutorado em História) - programa de pós-graduação em História, Pontífice Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2011.

PEIXOTO, Renato Amado. A máscara da medusa: a construção do espaço nacional brasileiro através das corografias e da cartografia do século XIX. Tese (Doutorado em História) – programa de pós-graduação em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

PEIXOTO, Renato Amado. Espacialidades e estratégias de produção identitária no Rio Grande do Norte no início do século XX. In: PEIXOTO, Renato Amado (org.). Nas trilhas da representação: trabalhos sobre a relação entre história, poder e espaços. Natal: EDUFRN, 2012.

PEIXOTO, Renato Amado; VELHO, Pedro; BARRETO, Sérgio. In: ABREU, Alzira Alves de. (Coord.) Dicionário histórico-biográfico da Primeira República: 1889-1930. Rio de Janeiro: Editora FGV/CPDOC, 2015. (Verbete)

RESENDE, Maria Efigênia Lage de. O processo político na Primeira República e o liberalismo oligárquico. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). O tempo do liberalismo excludente – da Proclamação da República à Revolução de 1930. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileiro, 2010, p. 94-95. (O Brasil republicano; v.1).

RICŒUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Unicamp, 2007.

SANTOS, Pedro Afonso Cristovão dos. Cobiçando o Amazonas: erudição histórica e diplomacia na questão de limites entre Brasil e França no Segundo Reinado (1858-1863). Tese (Doutorado em História) – programa de pós-graduação em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SCHIMIDT, Benito Bisso. O gênero biográfico no campo do conhecimento histórico: trajetórias, tendências e impasses atuais e uma proposta de investigação. Anos 90, Porto Alegre, v. 6, p. 165-192, 1996.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA, Maiara Juliana Gonçalves da. Em cada esquina um poeta, em cada rua um jornal: a vida intelectual natalense (1889-1930). Dissertação (Mestrado em história) - programa de pós-graduação em História e espaços, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2014.

TURIN, Rodrigo. Tempos cruzados: escrita etnográfica e tempo histórico no Brasil oitocentista. 2009. Tese (Doutorado em História) – programa de pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

Downloads

Publicado

2020-09-21

Edição

Seção

Artigos