O lugar da história em tempos de crise

  • Jorge Grespan Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Depto. de História
Palavras-chave: Crise, Modernidade, Hermenêutica, Narrativa, Explicação, Crítica

Resumo

A crise dos modelos historiográficos das décadas de 70 e 80, em que a fragmentação dos objetos correspondia à do sujeito, levou a um recente retorno a este último, pela via da hermenêutica de Gadamer e Ricoeur. O presente texto procura discutir também esta alternativa, considerando que os processos sociais da modernidade se autonomizam dos seus agentes e constituem como que um "sujeito automático" a subjugar os sujeitos conscientes e envolvê-los em suas estruturas. O sujeito relativamente consciente e livre só pontua através da crise em que entram aqueles processos sociais, como verificamos na atualidade. A crise representa, assim, o ressurgimento da história enquanto oportunidade decisiva para reordenar, mediante a crítica, a trama da identidade e da diferença, constitutiva tanto da existência social quanto da consciência historiadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2004-12-30