Partição gástrica para o tratamento paliativo de pacientes com tumores gástricos distais obstrutivos e irresecáveis

  • Brian Guilherme Monteiro Marta Coimbra Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
  • Marcus Fernando Kodama Pertille Ramos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo
  • Osmar Kenji Yagi Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo
  • Carlos Eduardo Jacob Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo
  • Ivan Cecconello Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo
  • Bruno Zilbertein Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo
Palavras-chave: Cirurgia, Neoplasias gástricas, Cuidados paliativos, Obstrução da saída gástrica.

Resumo

O câncer gástrico é uma afecção que ainda se mostra muito prevalente. Como agravante, a maioria dos pacientes apresenta-se em estágios avançados da doença, frequentemente com tumores distais obstrutivos e irressecáveis, demandando tratamento paliativo, cujo objetivo é dar ao doente maior qualidade de vida. Dentre as opções terapêuticas, tradicionalmente se opta pela gastroenteroanastomose. Entretanto, devido às altas taxas de complicações desse procedimento, passou-se a empregar a técnica da partição gástrica. Frente aos resultados em estudos comparativos entre essas duas técnicas, nosso serviço passou a realizar a partição gástrica em casos de pacientes portadores de câncer gástrico avançado distal obstrutivo e irressecável, e analisamos retrospectivamente os resultados do emprego dessa técnica em 29 pacientes, em termos de sobrevida e qualidade de vida. Toda a população se apresentava com ECOG performance status de 0, 1 ou 2 e 53,9% dos doentes apresentavam, sob a classificação de obstrução gástrica de GOOSS, graus 0 ou 1. A duração operatória média foi de 169 minutos. No pós-operatório, sob a classificação de complicações de Clavien-Dindo, houve 4 pacientes em grau II e 2 em grau V (dois óbitos, correspondendo a uma mortalidade operatória de 6,9%). O tempo médio para se atingir GOOSS 2 foi de 5 dias e, ao longo do seguimento, 96,15% da população atingiu GOOSS 2 ou 3. A sobrevida média foi de 213 dias. Considerando os resultados satisfatórios obtidos, a técnica de partição gástrica é efetiva e segura, proporcionando sobrevida, manutenção de dieta via oral e qualidade de vida para os pacientes. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Brian Guilherme Monteiro Marta Coimbra, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina

2o lugar Prêmio Oswaldo Cruz – Área: Cirúrgica no 33o COMU - Congresso Médico Universitário da FMUSP, SP, 31 de out. a 02 de nov. de 2014.
Acadêmico de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. E-mail: brian_coimbra_2007@hotmail.com

Marcus Fernando Kodama Pertille Ramos, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo

2o lugar Prêmio Oswaldo Cruz – Área: Cirúrgica no 33o COMU - Congresso Médico Universitário da FMUSP, SP, 31 de out. a 02 de nov. de 2014.
Orientador, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; ICESP – Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. E-mail: marcuskodama@hotmail.com

Osmar Kenji Yagi, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo

2o lugar Prêmio Oswaldo Cruz – Área: Cirúrgica no 33o COMU - Congresso Médico Universitário da FMUSP, SP, 31 de out. a 02 de nov. de 2014. 

Orientador, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; ICESP – Instituto do Câncer do Estado de São Paulo. E-mail: okyagi@uol.com

Carlos Eduardo Jacob, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo

2o lugar Prêmio Oswaldo Cruz – Área: Cirúrgica no 33o COMU - Congresso Médico Universitário da FMUSP, SP, 31 de out. a 02 de nov. de 2014. 

Orientador, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. E-mail: cejacob@uol.com.br

Ivan Cecconello, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo

2o lugar Prêmio Oswaldo Cruz – Área: Cirúrgica no 33o COMU - Congresso Médico Universitário da FMUSP, SP, 31 de out. a 02 de nov. de 2014. 

Orientador, Professor Titular do Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. E-mail: icecconello@hotmail.com

Bruno Zilbertein, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo

2o lugar Prêmio Oswaldo Cruz – Área: Cirúrgica no 33o COMU - Congresso Médico Universitário da FMUSP, SP, 31 de out. a 02 de nov. de 2014. 

Orientador, Professor Livre Docente do Departamento de Gastroenterologia, Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. E-mail: brunozilb@uol.com.br

Publicado
2015-03-05
Como Citar
Coimbra, B. G., Ramos, M. F., Yagi, O., Jacob, C., Cecconello, I., & Zilbertein, B. (2015). Partição gástrica para o tratamento paliativo de pacientes com tumores gástricos distais obstrutivos e irresecáveis. Revista De Medicina, 94(1), 21-28. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v94i1p21-28
Seção
COMU - Prêmio Oswaldo Cruz