Receptores muscarínicos na doença pulmonar obstrutiva crônica: o que é importante saber da Biologia à prática clínica?

  • Letícia Ubaldo Rodrigues Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
  • Caio Teixeira Soares Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
  • Daniel Brandão Venuto Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
  • Renan Guimarães Santana Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
  • Analúcia Rampazzo Xavier Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
  • Cyro Teixeira da Silva Junior Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
  • Elizabeth Giestal de Araujo Universidade Federal Fluminense, Instituto de Biologia, Departamento de Neurobiologia
Palavras-chave: Doença pulmonar obstrutiva crônica, Receptores muscarínicos, Biologia.

Resumo

A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) caracteriza-se por persistente e geralmente progressiva limitação do fluxo de ar associada com uma resposta inflamatória crônica nas vias aéreas e pulmões em resposta a partículas ou gases nocivos. A prescrição de medicamentos como os antimuscarínicos é um item importante para a reabilitação pulmonar em pacientes com DPOC porque melhoram os sintomas, particularmente a dispneia e a capacidade de fazer as atividades diárias. Há evidências de alguns estudos de que também reduzam a tendência a exacerbações. Não há evidências de que broncodilatadores reduzam complicações sistêmicas, comorbidades ou tenham influência sobre a mortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Ubaldo Rodrigues, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina

 Internos da Disciplina de Pneumologia do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Caio Teixeira Soares, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
Internos da Disciplina de Pneumologia do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF).
Daniel Brandão Venuto, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
Internos da Disciplina de Pneumologia do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF).
Renan Guimarães Santana, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
Internos da Disciplina de Pneumologia do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF).
Analúcia Rampazzo Xavier, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
Professora Associada do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da UFF. Doutora em Bioquímica pela Universidade de São Paulo
Cyro Teixeira da Silva Junior, Universidade Federal Fluminense (UFF), Faculdade de Medicina
Professor Doutor em Pneumologia e Neuroimunologia do Departamento de Medicina Clínica da Faculdade de  Medicina da Universidade Federal Fluminense
Elizabeth Giestal de Araujo, Universidade Federal Fluminense, Instituto de Biologia, Departamento de Neurobiologia

Professora Titular do Departamento de Neurobiologia do Instituto de Biologia da UFF. Doutora em Biofísica pela UFRJ.

Publicado
2016-12-15
Como Citar
Rodrigues, L., Soares, C., Venuto, D., Santana, R., Xavier, A., Silva Junior, C., & Araujo, E. (2016). Receptores muscarínicos na doença pulmonar obstrutiva crônica: o que é importante saber da Biologia à prática clínica?. Revista De Medicina, 95(3), 128-132. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v95i3p128-132
Seção
Artigos