Prevalência de síndrome metabólica em pacientes curados de câncer pediátrico

Palavras-chave: Neoplasias/radioterapia, Neoplasias/terapia, Neoplasias/tratamento farmacológico, Glicemia, HDL-colesterol, Doenças metabólicas, Criança.

Resumo

O câncer atinge cerca de doze mil crianças por ano no Brasil. Parte delas, quando submetida a tratamento, tende a possuir maiores chances de desenvolver Síndrome Metabólica. Introdução: As crianças e adolescentes tratadas de câncer tendem a desenvolver a síndrome metabólica devido a alterações que os radioterápicos e quimioterápicos propiciam. Essas disfunções acometem os tecidos: adiposo, osteomuscular, endotelial; o trato gastrointestinal e o fígado. Objetivos: Analisar a prevalência de síndrome metabólica em crianças curadas de câncer e comparar as variáveis estudadas. Materiais e Métodos: Avaliamos trinta e oito pacientes do Hospital GPACI que tenham terminado o tratamento de câncer há, no mínimo, cinco anos. Foram investigadas variáveis como: glicemia, pressão arterial, circunferência abdominal, HDL, triglicerídeos, tipo de câncer, tipo de tratamento e histórico familiar. Como grupo controle, utilizamos 20 irmãos dos pacientes analisados sob os mesmos parâmetros. Resultados: Sobreviventes tiveram maior chance de desenvolver síndrome metabólica (RR 2,1 Mid-p 0,27). Tanto no grupo controle quanto no grupo de curados, o HDL foi o índice que teve mais alterações, estando abaixo ou igual a 45mg/dL em 46% dos voluntários. Comparando o grupo estudado com o grupo controle, a circunferência abdominal foi o fator de maior relevância (RR 5,2 Mid-p 0,02). Discussão: Contrastamos a prevalência de síndrome metabólica encontrada nos curados de câncer tanto com seus irmãos quanto com crianças e adolescentes dos Estados Unidos da América. Em ambas as comparações, a prevalência no grupo estudado foi maior, o que é semelhante a outras pesquisas realizadas. Conclusão: A circunferência abdominal foi o fator que apresentou significância estatística e maior risco de acometer os sobreviventes de câncer infantil. Diferentemente de outros estudos, os outros índices não tiveram significância estatística, provavelmente pelo tamanho da amostra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Saragiotto, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Sorocaba, Sorocaba, SP, BR
Aluna da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba - PUC-SP
Gustavo Ribeiro Neves, Hospital GPACI, Sorocaba, SP
Médico do Hospital GPACI
Marcelo Gil Cliquet, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Sorocaba, Sorocaba, SP, BR
Professor da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba - PUC-SP
Marina Mayumi Murazawa, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Sorocaba, Sorocaba, SP, BR
Aluna da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba - PUC-SP
Thiago Cardona Felipe, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP, Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Sorocaba, Sorocaba, SP, BR
Aluno da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba - PUC-SP
Publicado
2018-03-15
Como Citar
Saragiotto, B., Neves, G., Cliquet, M., Murazawa, M., & Felipe, T. (2018). Prevalência de síndrome metabólica em pacientes curados de câncer pediátrico. Revista De Medicina, 97(1), 36-43. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i1p36-43
Seção
Artigos/Articles