Perfil epidemiológico de idosos hipertensos no Brasil: uma revisão integrativa

Palavras-chave: Assistência integral a saúde, Saúde do idoso, Hipertensão/epidemiologia, Fatores de risco, Perfil de saúde, Brasil/epidemiologia.

Resumo

O aumento da população idosa tem consequências diretas sobre os sistemas de saúde pública, uma vez que a velhice está mais intimamente ligada a condições patológicas que comprometem alguns sistemas, como o sistema vascular, por exemplo. Assim, com o envelhecimento, o indivíduo é suscetível a mais morbidades como a hipertensão, que é destacada como fator de risco para a qualidade de vida e declínio na função cognitiva. Por isso, realizou-se este estudo cujo objetivo é descrever o perfil epidemiológico de pacientes hipertensos e idosos matriculados no programa Hiperdia e residentes em estados do Brasil. Foi analisada sua associação com os principais fatores de risco como o tabagismo, o sedentarismo e o excesso de peso. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, composta por publicações relativas aos anos de 2012 a maio de 2016, em português, inglês ou espanhol, indexadas do portal da Biblioteca Virtual de Saúde, BVS, nos seguintes bancos de dados: LILACS; BDENF, MEDLINE e SciELO. A hipertensão é comum nos idosos e tem a sua prevalência aumentada pelo envelhecimento, condicionando assim a morbidade e a mortalidade desta população. Entre os principais fatores de risco encontrados em pesquisa e estudos estão a alta circunferência da cintura, o excesso de peso e, muitas vezes, o consumo de gorduras saturadas. Além destes, estão o hábito de fumar, beber álcool e fazer exercício de forma irregular. Cabe citar que a maioria dos estudos sugere que as mulheres mais velhas são o público mais danificado. Finalmente, o programa Hiperdia é decisivo para melhorar a qualidade de vida, pois faz a regulamentação do atendimento médico e fornece tanto controle quanto sinais para problemas que podem ocorrer dentro da população assistida e deve haver de parte da sociedade e do estado e esforço para aprimorar este programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Álef Lamark Alves Bezerra, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

Discente da Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

Daniel Sarmento Bezerra, Faculdade de Medicina Nova Esperança

Aluno do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina Nova Esperança. End.: Avenida Sergipe, 311, Bairro dos Estados. João Pessoa-PB. CEP: 58030-190. Tel.: (83) 99694-3834. 

Danielle Serafim Pinto, Universidade Federal da Paraíba

Farmacêutica, pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba), doutora em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos pela UFPB; docente da Faculdade de Medicina Nova Esperança. Coordenação de Medicina

André Ricardo Bezerra Bonzi, Faculdade Maurício de Nassau

Discente da Faculdade Maurício de Nassau João Pessoa; e-mail: bonzipb@gmail.com

Ricardo Montenegro Nóbrega de Pontes, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba

Médico pela Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba; e-mail: ricardomontenegro2@yahoo.com.br

José Artur de Paiva Veloso, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba
Graduado em Fisioterapia. Docente pela Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba
Publicado
2018-03-15
Como Citar
Bezerra, Álef, Bezerra, D., Pinto, D., Bonzi, A. R., Pontes, R., & Veloso, J. A. (2018). Perfil epidemiológico de idosos hipertensos no Brasil: uma revisão integrativa. Revista De Medicina, 97(1), 103-107. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i1p103-107
Seção
Artigos de Revisão/Review Articles