Treinamento de habilidades cirúrgicas para estudantes de medicina – papel da simulação

Palavras-chave: Educação médica/métodos, Treinamento por simulação/métodos, Especialidades cirurgicas/educação, Estudantes de medicina.

Resumo

O emprego de simulação para o aprendizado das técnicas motoras para a prática cirúrgica é crescente nos programas de graduação, residência e pós-graduação. O desenvolvimento do conhecimento dos processos educacionais e das plataformas pedagógicas fez evoluir a formação educacional médica, com redução do emprego de animais de experimentação e maior utilização de modelos não biológicos e eletrônicos, presentes nos laboratórios de simulação. Além disto, os laboratórios de simulação permitem que novas tecnologias e conceitos educacionais sejam utilizados para ampliação do ensino de cirurgia, incluindo avaliação de conhecimento teórico, processos de tomada de decisão e avaliação de riscos, comunicação em equipe, trabalho em equipe, análise de custos e gestão. Neste contexto, a simulação favorece o ensino baseado em competências. Os modelos de simulação envolvem utilização desde modelos simples de material sintético, como plástico e borracha, até manequins de alta fidelidade com controle informatizado, caracterização de ambientes de sala cirúrgica, ambulatório, enfermaria, além da participação de atores como pacientes, familiares e outros membros da equipe médica. Os objetivos educacionais de diferentes currículos e instituições definirá o grau de sofisticação necessário. O uso de animais permanece como alternativa de treinamento, porém com crescente respeito a normas éticas para sua utilização, respeitando o emprego para situações cada vez mais específicas em que a complexidade é elevada.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-15
Como Citar
Motta, E., & Baracat, E. (2018). Treinamento de habilidades cirúrgicas para estudantes de medicina – papel da simulação. Revista De Medicina, 97(1), 18-23. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i1p18-23
Seção
Artigos/Articles