Desafios na redução da mortalidade materna no Município de São Paulo

  • Carlos Eduardo Pereira Vega Secretaria da Saúde do Município de São Paulo
Palavras-chave: Mortalidade materna, Hipertensão induzida pela gravidez, Hemorragia pós-parto, Complicações na gravidez, Aborto, Infecção puerperal.

Resumo

Desde 1993 as causas da mortalidade materna vem sendo estudadas pelo Comitê de Mortalidade Materna do Município de São Paulo. Até o ano de 2016 acumulamos 3505 mortes maternas, sendo 2389 óbitos devidos a causas diretas ou indiretas. A principal causa da mortalidade materna é a hipertensão arterial, com 538 (22,5%) óbitos, seguida pelas complicações hemorrágicas de terceiro trimestre e puerpério com 330 (13,8%) ocorrências. As outras três causas responsáveis pelo óbito materno são as doenças cardiovasculares, complicações de aborto (incluindo os abortos inseguros) e a infecção puerperal. São feitas considerações sobre as cinco principais causas de morte materna e são disponibilizadas sugestões elaboradas pelo Comitê de Mortalidade Materna do Município de São Paulo para a redução desses eventos. As demais causas em menor número, mas não menos importantes, não serão objeto desse estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Pereira Vega, Secretaria da Saúde do Município de São Paulo

Presidente do Comitê de Mortalidade Materna do Município de São Paulo. Secretaria da Saúde do Município de São Paulo. 

Publicado
2018-06-15
Como Citar
Vega, C. E. (2018). Desafios na redução da mortalidade materna no Município de São Paulo. Revista De Medicina, 97(2), 235-243. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v97i2p235-243
Seção
Artigos/Articles