Hemoglobinopatias

investigação em sangue periférico de acadêmicos de uma universidade de Alfenas - MG

Palavras-chave: Hemoglobinopatias, Hemoglobina S, Traço Falciforme, Anemia, Anemia falciforme

Resumo

formados pela combinação de duas cadeias polipeptídicas do “tipo α” com duas cadeias do “tipo β”, sendo Hb A1, Hb A2 e Hb Fetal os três principais tipos de hemoglobinas no adulto normal. As hemoglobinopatias são doenças causadas por mutações que afetam os genes de globinas, que resultam em alterações estruturais e/ou funcionais das moléculas de hemoglobina. Dentre as hemoglobinas variantes, as mais frequentes na população brasileira são a hemoglobina S e C. O objetivo é detectar hemoglobinas anormais em uma população acadêmica de Alfenas-MG. Para a realização do estudo, foram coletadas 336 amostras de sangue periférico, hemolisadas com saponina e clorofórmio. Em seguida, foi realizada a eletroforese de hemoglobina em pH alcalino para qualificação de hemoglobinas normais e grande parte das anormais. A confirmação da hemoglobina S foi feita pela prova de falcização. Do total de amostras analisadas, 97,62% (n=328) apresentam perfil eletroforético compatível com hemoglobinas AA e 2,38% (n=8) compatível com hemoglobinas AS (traço falciforme). No Brasil, a prevalência média de Hb AS é próxima de 2% na população total. Portanto, os resultados encontrados reafirmam a média encontrada na população brasileira de pessoas com o traço falciforme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Silva Batista, Universidade José do Rosário Vellano

Acadêmica de medicina da Universidade José do Rosário Vellano (UNIFENAS/ Alfenas-MG).
Este trabalho foi apresentado: XIV Seminário de Iniciação Científica na Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, out. 2015; VIII Congresso de Biomedicina, V Jornada de Análises Clínicas, nov. 2015; I Mostra de Trabalhos Científicos no Curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, jun. 2016.

Nayhan Andrade dos Santos, Universidade José do Rosário Vellano

Este trabalho foi apresentado: XIV Seminário de Iniciação Científica na Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, out. 2015; VIII Congresso de Biomedicina, V Jornada de Análises Clínicas, nov. 2015; I Mostra de Trabalhos Científicos no Curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, jun. 2016.
Acadêmico do curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas.

Valéria Bastos Marquetti, Universidade José do Rosário Vellano

Este trabalho foi apresentado: XIV Seminário de Iniciação Científica na Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, out. 2015; VIII Congresso de Biomedicina, V Jornada de Análises Clínicas, nov. 2015; I Mostra de Trabalhos Científicos no Curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, jun. 2016.
Acadêmica do curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas. 

Wesley Blanco Mota, Universidade José do Rosário Vellano

Este trabalho foi apresentado: XIV Seminário de Iniciação Científica na Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, out. 2015; VIII Congresso de Biomedicina, V Jornada de Análises Clínicas, nov. 2015; I Mostra de Trabalhos Científicos no Curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, jun. 2016.
Acadêmico do curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas. 

 

Alessandra dos Santos Danziger Silvério

Este trabalho foi apresentado: XIV Seminário de Iniciação Científica na Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, out. 2015; VIII Congresso de Biomedicina, V Jornada de Análises Clínicas, nov. 2015; I Mostra de Trabalhos Científicos no Curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas, jun. 2016.
Doutora e Professora do curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano-Alfenas. ORCID: 

Referências

1. Vrettou C, Kakourou G, Mamas T, Traeger-Synodinos J. Prenatal and preimplantation diagnosis of hemoglobinopathies. Int J Lab Hematol. 2018;40(Suppl 1):74-82. doi: 10.1111/ijlh.12823.
2. Thein SL. Milestones in the history of hemoglobin research (in memory of professor Titus H.J. Huisman). Hemoglobin. 2011:450-62. doi: 10.3109/03630269.2011.613506.
3. Modell B, Darliso M. Global epidemiology of haemoglobin desordens and derived servisse indicators. Bull World Health Organ. 2008;86(6):480-7. doi: 10.2471/blt.06.036673.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Doença falciforme: conhecer para cuidar. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2015 [citado 9 jun. 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falciforme_diretrizes_basicas_linha_cuidado.pdf.
5. Figueiró AlVM, Ribeiro RLR. Vivência do preconceito racial e de classe na doença falciforme. Saude Soc. 2017;26(1):88-99. https://doi.org/10.1590/s0104-12902017160873.
6. Lidonnici MR, Ferrari G. Gene therapy and gene editing strategies for hemoglobinopathies. Blood Cells Mol Dis. 2018;70:87-101. https://doi.org/10.1016/j.bcmd.2017.12.001.
7. Ferreira MKB. Um olhar sobre a assistência prestada na rede pública estadual. Hemocentro Regional de Juiz de Fora [dissertação]. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Medicina; 2012 [citado 9 jun. 2017]. Disponível em: http://www.ufjf.br/pgsaudecoletiva/files/2013/03/doen%C3%87a-falciforme-um-olhar-sobre-a-assist%C3%8ancia-prestada-na-rede-P%C3%9ablica-estadual-Hemocentro-regional-de-Juiz-de-Fora.pdf.
8. Brasil. Ministério da Saúde. Doença falciforme. Diretrizes básicas da linha de cuidado. Brasília; 2015 [citado 01 jun. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falciforme_diretrizes_basicas_linha_cuidado.pdf.
9. Naoum PC, Domingos CRB. Técnicas laboratoriais para identificação das hemoglobinas normais e anormais. In: Naoum PC, editor. Hemoglobinopatias e talassemias. São Paulo: Sarvier; 1997 p.155-6.
10. Vella F. Acid agar gel electrophoresis of human hemoglobin. Am J Clin Pathol. 1968;49(3):440-2. doi: 10.1093/ajcp/49.3_ts.440.
11. Prudêncio BCAB, Covas DT, Bonini-Domingos CR. Comparação de metodologia utilizada para a detecção de hemoglobina S (HbS) em doadores de sangue. Rev Bras Hematol Hemoter. 2000;22(2):99-109. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842000000200006.
12. Brasil. Ministério da Saúde. Triagem neonatal biológica (manual técnico). Brasília; 2016 [citado 01 jun. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/triagem_neonatal_biologica_manual_tecnico.pdf.
13. Lieber SRR. Incidência de hemoglobinopatias numa amostra da população da cidade de São Paulo. São Paulo: Mackenzie; 2012.
14. Santiago RP, Oliveira RM, Soares LF, Figueiredo CVB, Silva DO, Hurtado-Guerrero AF, et al. Hemoglobin variant profiles among Brazilian Quilombola Communities. Hemoglobin. 2017;41(2):83-88. doi: 10.1080/03630269.2017.1321014
15. Rauber JSS. Anemia falciforme: a doença hereditária de maior prevalência no Brasil [Monografia]. Foz do Iguaçu, PR: Universidade Federal do Paraná, Curso de Especialização em Genética para Professores do Ensino Médio; 2014. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/46730.
16. Giovelli LL, Danieli K, Bortolotto AN, Mastella AK, Prior MP, Castro SM, et al. Estudo comparativo entre metodologias de triagem para detecção de hemoglobina S em bancos de sangue. J Bras Patol Med Lab. 2011;47(2):137-40. https://doi.org/10.1590/S1676-24442011000200007.
17. Perin C, Cervo Filho E, Becker FL, Baldisserotto FM, Ramos GZ, Antonello JS, et al. Anemia falciforme. Porto Alegre: Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, Departamento de Ciências Morfológicas, Disciplina de Genética e Evolução; 2000 [citado 9 jun. 2017]. Disponível em: http://genetica.ufcspa.edu.br/seminarios%20textos/AnemiaFalciforme.pdf.
18. Araújo G. Anemia falciforme: prevalência, sintomas, tratamento, causas e traço falciforme. São Paulo; 2013 [citado 9 jun. 2017]. Disponível em: http://www.especialista24.com/anemia-falciforme/.
19. Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Triagem Neonatal. Doenças falciforme e outras hemoglobinopatias. Brasília; 2017 [citado 1 jun. 2018]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-nacional-da-triagem-neonatal/doencas-falciformes-df-e-outras-hemoglobinopatias.
20. Cançado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev Bras Hematol Hemoter. 2007;29(3):204-6. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842007000300002.
21. Martins PRJ, Souza HM, Silveira TB. Morbimortalidade em doença falciforme. Rev Bras Hematol Hemoter. 2010;32(5):378-83. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842010000500010.
22. Felix AA, Souza HM, Ribeiro SBF. Aspectos epidemiológicos e sociais da doença falciforme. Rev Bras Hematol Hemoter. 2010;32(3):203-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842010005000072.
23. Brasil. Ministério da Saúde. Doença falciforme. O quer se deve saber sobre herança genética. Brasília; 2014 [citado 1 jun. 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falciforme_deve_saber_sobre_heranca.pdf.
24. Brasil. Ministério da saúde. Doença falciforme. Brasília; 2018 [citado 3 jun. 2018]. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42891-ministerio-da-saude-amplia-faixa-etaria-de-transplante-para-doenca-falciforme.
25. Oliveira RAG. Anemias e leucemias: conceitos básicos e diagnóstico por técnicas laboratoriais. São Paulo: Roca; 2004.
Publicado
2020-06-12
Como Citar
Batista, G., Santos, N., Marquetti, V., Mota, W., & Silvério, A. (2020). Hemoglobinopatias. Revista De Medicina, 99(3), 246-250. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i3p246-250
Seção
Artigos/Articles