Evolução laboratorial da colestase multifatorial em pacientes pediátricos

Palavras-chave: Colestase, Icterícia Neonatal, Recém-Nascido.

Resumo

Introdução: No fígado imaturo do recém-nascido (RN) a colestase neonatal pode ocorrer em associação a um ou vários fatores de risco, sem patologia subjacente. Esta condição denomina-se colestase neonatal multifatorial transitória. Prematuridade, restrição de crescimento intra-uterino ou situações que levam a maior estresse oxidativo (isquemia, comprometimento hemodinâmico, infecções, intervenções cirúrgicas, pausa alimentar, alimentação parenteral e fármacos) estão relacionadas com sua gênese. Objetivo: Avaliar a evolução da colestase neonatal multifatorial quanto a sua duração, assim como verificar as alterações médias das enzimas hepáticas, aspartato aminotransferase (AST), alanina aminotransferase (ALT), e canaliculares, gamaglutamiltransferase (GGT), e da bilirrubina direta (BD), comparando ainda a duração da colestase nos pacientes que fizeram uso do ácido ursodesoxicólico (UDCA) com o tempo de evolução dos que não o fizeram, no intuito de caracterizar melhor essa condição clínica e de chamar a atenção do profissional de saúde sobre sua natureza transitória, evitando dessa maneira a solicitação de exames mais específicos, onerosos e desnecessários. Método: Estudo transversal, com 32 pacientes de zero a 90 dias que apresentavam colestase neonatal multifatorial, acompanhados no ambulatório de hepatologia pediátrica do IMIP, no período de agosto de 2016 a agosto de 2017. Os dados foram coletados através de consulta ao prontuário. A análise estatística dos dados foi realizada por meio do software “R” v.3.3.1. Resultados: A maioria dos pacientes era do sexo masculino (59,38%). A idade média de início da colestase foi de 35,5 dias, e a de término de 171,3 dias. A média de duração da colestase foi de 135,8 dias. O valor médio da BD do início e término da colestase foi de 6,05 e 0,29 mg/dL, respectivamente. Com relação às enzimas hepáticas e canaliculares, as médias dos valores de AST, ALT e GGT do início foram 194,7, 123,8 e 387,9 U/L, e de término 69,1, 56 e 121,6 U/L, respectivamente. Apenas 11 pacientes fizeram uso do UDCA. O tempo médio de duração da colestase neste grupo foi de 114,1 dias. Aqueles que não usaram o UDCA, 21 pacientes, apresentaram icterícia colestática por um tempo médio de 147,1 dias. Conclusão: Diante dos resultados obtidos com a análise retrospectiva dos pacientes com diagnóstico de colestase multifatorial, chama a atenção a natureza transitória e benigna desta condição clínica, com duração média da colestase em torno de 136 dias de vida e declínio importante dos níveis das enzimas hepáticas e canaliculares após resolução do quadro

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lígia Patrícia de Carvalho Batista Éboli, Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP)/Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)

Hepatologista pediatra no Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP) e da Unidade de Transplante de Fígado do Hospital Universitário Oswaldo Cruz. Gastroenterologista e hepatologista pediatra da clínica Real Hepato do Real Hospital Português e Tutora do curso de medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Marianne Fernanda de Melo Duarte, Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)

Acadêmica de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Luciana Maria Marques de Albuquerque, Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)

Acadêmica de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Thaysa Amaral França, Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)

Acadêmica de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Raquel Nogueira Cordeiro, Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS)

Acadêmica de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Diego Laurentino Lima, Hospital dos Servidores do Estado de Pernambuco (HSE)

Cirurgião Geral. Pesquisador. Professor da disciplina de Prática Hospitalar da Universidade Católica de Pernambuco. Mestrando de Ciências da Saúde da Universidade de Pernambuco, Recife, Brasil.

Referências

Tufano M, Nicastro E, Giliberti P, Vegnente A, Raimondi F, Iorio R. Cholestasis in neonatal intensive care unit: Incidence, aetiology and management. Acta Paediatr. 2009;98(11):1756-61. doi: 10.1111/j.1651-2227.2009.01464.x.

Silva ES, Pó I, Gonçalves I. Colestase neonatal – protocolo de abordagem diagnóstica. Acta Pediatr Port. 2010;41(3):141-3.

Loomes KM, Erlichman J. Approach to evaluation of cholestasis in neonates and young infants. UpToDate. 2017 Jun [cited 2017 July 27]. Available from: https://www.uptodate.com/contents/approach-to-evaluation-of-cholestasis-in-neonates-and-young-infants?source=search_result&search=Definition%20of%20multifactorial%20cholestasis&selectedTitle=1~150

Best C, Gourley GR. Management of neonatal cholestasis. Therapy. 2009;6(1):75-81. https://doi.org/10.2217/14750708.6.1.75.

Fawaz R, Baumann U, Ekong U, Fischler B, Hadzic N, Karpen S, et al. Guideline for the evaluation of cholestatic jaundice in infants: joint recommendations of the North American Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition and the European Society for Pediatric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2017;64(1):154-68. doi: 10.1097/MPG.0000000000001334.

Carreira MSP. Fisiopatologia e fatores de risco associados ao desenvolvimento de colestase no período neonatal [dissertação]. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar – Universidade do Porto; 2014. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/0d33/e4df3e43154aa99f2280132187a47b7a47b5.pdf.

Pinto R, Silveira TR. Colestase neonatal: uma abordagem prática. Bol Cient Pediatr. 2016;05(3):92-102. Disponível em: http://www.sprs.com.br/sprs2013/bancoimg/170118174030bcped_05_03_a05.pdf.

Carvalho E, Ivantes CAP, Bezerra JA. Atresia das vias biliares extra-hepáticas: conhecimentos atuais e perspectivas futuras. J Pediatr. 2007;83(2):105-20. https://dx.doi.org/10.2223/JPED.1607.

Nazer H. Cholestasis Treatment & Management. 2017 Aug [cited 2017 Oct 27]. In: Medscape. Available from: https://emedicine.medscape.com/article/927624-treatment

Albers M, de Gast-Bakker D, van Dam N, Madern G, Tibboel D. Male sex predisposes the newborn surgical patient to parenteral nutrition-associated cholestasis and to sepsis. Arch Surg. 2002;137(7):789-93. doi: 10.1001/archsurg.137.7.789.

Simões AP, Santos MC, Nunes A, Martins M, Bispo MA, Palminha JM. Colestase neonatal: contribuição da clínica e dos exames complementares para o diagnóstico diferencial (dez anos de experiência). Acta Pediatr Port. 1999;30(6):459-66.

Oswari H, Widjaja R, Rohsiswatmo R, Cleghorn G. Prognostic value of biochemical liver parameters in neonatal sepsis-associated cholestasis. J Paediatr Child Health. 2013;49(1):E6-11. doi: 10.1111/jpc.12053.

Repa A, Lochmann R, Unterasinger L, Weber M, Berger A, Haiden N. Aggressive nutrition in extremely low birth weight infants: impact on parenteral nutrition associated cholestasis and growth. PeerJ. 2016;4:e2483. doi: 10.7717/peerj.2483.

Chen C, Tsao P, Chen H, Chou H, Hsieh W, Chang M. Ursodeoxycholic acid (UDCA) therapy in very-low-birth-weight infants with parenteral nutrition-associated cholestasis. J Pediatr. 2004;145(3):317-21. doi: 10.1016/j.jpeds.2004.05.038.

Kim A, Lim R, Han Y, Park K, Byun S. Parenteral nutrition-associated cholestasis in very low birth weight infants: a single center experience. Pediatr Gastroenterol Hepatol Nutr. 2016;19(1):61-70. doi: 10.5223/pghn.2016.19.1.61.

Liu P, Guo L, Huang L, Zhao D, Zhen R, Yuan X, et al. Analysis of factors affecting the prognosis of neonatal cholestasis. Int J Clin Exp Med. 2015; 8(5): 8005-9. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4509307/.

Lane E, Murray K. Neonatal cholestasis. Pediatr Clin North Am. 2017;64(3):621-39. doi: 10.1016/j.pcl.2017.01.006.

Satrom K, Gourley G. Cholestasis in preterm infants. Clin Perinatol. 2016;43(2):355-73. doi: 10.1016/j.clp.2016.01.012.

Thibault M, McMahon J, Faubert G, Charbonneau J, Malo J, Mohamed I, et al. Parenteral nutrition-associated liver disease: a retrospective study of ursodeoxycholic acid use in neonates. J Pediatr Pharmacol Ther. 2014;19(1):42-8. doi: 10.5863/1551-6776-19.1.42.

Publicado
2019-10-15
Como Citar
Éboli, L. P., Duarte, M., Albuquerque, L., França, T., Cordeiro, R., & Lima, D. (2019). Evolução laboratorial da colestase multifatorial em pacientes pediátricos. Revista De Medicina, 98(5), 309-314. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v98i5p309-314
Seção
Artigos/Articles