Análise dos fatores que levam mulheres médicas a não optarem por especialidades cirúrgicas

Palavras-chave: Médicas/estatísticas & dados numéricos, Mulheres/educação, Medicina, Mulheres médicas, Escolha profissional

Resumo

Objetivo: Verificar as prováveis causas que levam as mulheres médicas a não optarem por especialidades cirúrgicas. Métodos: foram avaliadas as respostas de 75 médicas, através de um questionário objetivo composto de 15 perguntas sobre a não escolha da área cirúrgica,que foram transformadas em porcentagem e apresentadas em gráficos e tabelas. Resultados: Observou-se que 45,3% das médicas já cogitaram ser cirurgiãs, que o fator mais assinalado como limitante, por 40% das médicas (questão de múltipla escolha), à escolha da área cirúrgica foi o horário de plantões/sobreaviso. Além disso, observou-se, nesta pesquisa, que 86,7% acreditam que é possível ser cirurgiã e constituir família. A característica de personalidade mais utilizada por 72% das médicas participantes deste estudo para definir uma mulher cirurgiã foi: “forte”. E apenas 12% das participantes não acreditam que haja machismo/preconceito por parte dos colegas ou pacientes em relação às cirurgiãs. Conclusão: Além de identificar os possíveis fatores que limitam as mulheres médicas a optarem por especialidades cirúrgicas, conclui-se que mais estudos como este devem ser feitos para que questões laborais (flexibidade de horários, igualdade salarial) e comportamentais (preconceito, machismo) sejam revistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Paulo, Universidade do Vale do Itajaí

Universidade do Vale do Itajaí. Acadêmica do Curso de Medicina, Itajaí, SC, Brasil.

Mariana da Silva Assis, Universidade do Vale do Itajaí

Universidade do Vale do Itajaí. Acadêmica do Curso de Medicina, Itajaí, SC, Brasil. .

Maria Regina Orofino Kreuger, Universidade do Vale do Itajaí

Universidade do Vale do Itajaí. Doutora em Patologia pela Universidade de São Paulo (USP). 

Referências

1. Teixeira SA, Ferreira SL. Discurso sobre a mulher na formação médica. Rev Saúde.Com. 2011;7(2):157-70. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/203.
2. Prates PR. Mulheres médicas. Rev Soc Bras Cardiol RS. 2008;15(4):1-4. Disponível em: http://sociedades.cardiol.br/sbc-rs/revista/2008/15/pdf/mulheres_medicas.pdf.
3. Lins CC, Cruz RAR, Brandão MCM. A mulher na neurocirurgia. 2013; Arq Bras Neurocir. 2013;32(1):7-10. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/0103-5355/2013/v32n1/a3618.pdf.
4. Franco T, Santos EG. Mulheres e cirurgiãs. Rev Col Bras Cir. 2010;37(1):72-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69912010000100015.
5. Ávila CR. Formação das mulheres nas escolas de medicina. Rev Bras Educ Med. 2014;38(1):142-9. https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000100019
6. Scheffer MC, Cassenote AJF. A feminização da medicina no Brasil. Rev Bioét. 2013;21(2):268-77. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-80422013000200010.
7. Scheffer M, et al. Demografia médica no Brasil. São Paulo: FMUSP, CFM, CREMESP; 2018. Disponível em: http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index10/?numero=15&edicao=4278.
8. Trindade APP, Trindade DF. Desafios das primeiras médicas brasileiras. História Ciên Ensino Construindo Interfaces. 2011;4:24-37. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/hcensino/article/view/6435.
9. Christopher JD, Bheeshma R, Coburn N, Nam RK, Detsky AS, Satkunasivam R. Comparison of postoperative outcomes among patients treated by male and female surgeons: a population based matched cohort study. BMJ. 2017;359:j4366. doi: https://doi.org/10.1136/bmj.j4366.
10. Koeche LG, Cenci I, Bortoluzzi MC, Bonamigo EL. Prevalência de erro médico entre as especialidades médicas nos processos julgados pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de Santa Catarina. Arq Catarin Med. 2013;42(4):45-53.
11. Wirtzfeld DA. The history of women in surgery. Can J Surg. 2009;52(4):317-20. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2724816/.
12. Machado N. Com licença, esse lugar é nosso. Rev DR! 2015;87(4):12-17.
13. Aranha T. Apesar das dificuldades, há coragem. Rev DR! 2013;75(1):12-9.
14. Seemann NM, Webster F, Holden HA, Moulton CA, Baxter N, Desjardins C, Cil T. Women in academic surgery: why is the playing field still not level. Am J Surg. 2016;211(2):343-9. doi: 10.1016/j.amjsurg.2015.08.036.
15. Pringle R. Sex and medicine. Cambridge: University Press; 1998.  
Publicado
2020-06-12
Como Citar
Paulo, D., Assis, M., & Kreuger, M. R. (2020). Análise dos fatores que levam mulheres médicas a não optarem por especialidades cirúrgicas. Revista De Medicina, 99(3), 230-235. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i3p230-235
Seção
Artigos/Articles