Nevo melanocítico intradérmico em meato acústico externo

relato de caso e revisão da literatura

Palavras-chave: Nevo pigmentado, Nevo intradérmico, Meato acústico externo

Resumo

Introdução: Nevos são neoplasias melanocíticas benignas e são os tipos mais comuns de tumores de pele. Podem ocorrer em qualquer parte da pele, mas o aparecimento no meato acústico externo é muito raro. Há pouco menos de 50 casos descritos na literatura inglesa sobre nevo melanocítico em meato acústico e, no Brasil, foi encontrado apenas um caso relatado em 2005. Objetivo: Apresentar um caso de nevo melanocítico intradérmico em meato acústico externo e discutir uma conduta conservadora, diferente dos demais casos já relatados na literatura após uma revisão desta. Importância do problema: Alertar à comunidade científica sobre os possíveis diagnósticos diferenciais das lesões em meato acústico externo e riscos da manipulação deste, frente a uma lesão benigna e assintomática. Comentários: Ressaltamos a possibilidade em conduzir de forma conservadora uma lesão assintomática ou minimamente sintomática, desde que seja descartada qualquer suspeita de malignidade, transformação maligna ou excluídos diagnósticos diferenciais que necessitem de uma intervenção mais invasiva, visto que uma meatoplastia poderia trazer mais danos (estenose meatal) do que benefícios para os pacientes, inclusive para o apresentado neste relato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Marques Borburema, Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba

Pesquisador do Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba/PR. Médico assistente do Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha – Filial do Paraná, Curitiba/PR

Diego Fernando Costa, Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba

Pesquisador do Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba/PR.. Especializando do segundo ano do Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha – Filial do Paraná, Curitiba/PR.

Lorena Cristina Peres Rodrigues Gomes, Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba

Pesquisadora do Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba/PR. Especializanda do primeiro ano do Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha – Filial do Paraná, Curitiba/PR.

Bruno Amaral Hay, Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba

Pesquisador do Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba/PR. Especializandos do terceiro ano do Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha – Filial do Paraná, Curitiba/PR. 

Juliana Cristina Mesti Duarte, Pesquisadora do Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba

Pesquisadora do Centro de Estudos Otorrinolaringológico Lauro Grein Filho, Curitiba, PR. Especializandos do 3º ano do Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha – Filial do Paraná, Curitiba. 

Gilberto da Fontoura Rey Bergonse, Hospital da Cruz Vermelha. Departamento de Otorrinolaringologia – Filial do Paraná, Curitiba

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (2005). Residencia médica em Otorrinolaringologia no Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (CENTRINHO) HRAC-USP - BAURU. Trabalha na especialização de Otorrinolaringologia do Hospital da Cruz Vermelha Brasileira - Filial Paraná em treinamento clinico e cirúrgico com enfase em otologia. Atua em áreas de Otologia, Rinologia e Cabeça e Pescoço. Atua no Hospital Sugisawa nas áreas de otorrinolaringologia e disfagia.

Luiza Pellissari Zardo, Hospital da Cruz Vermelha - PR

Acadêmica do 6º ano da Universidade de Riberão Preto UNAERP

Referências

1. Elder D, Elenitsas R, Murphy G, Xu X. Benign pigmented lesions and malignant melanoma. In: Elder D, editor. Lever’s histopathology of the skin. 9th ed. Philadelphia: Lippincott-Raven; 2005. p.725-31. doi : 10.3126/jpn.v%vi%i.20891.
2. Youngs R, Hawke M, Kwok P. Intradermal nevus of the ear canal. J Otolaryngol. 1988;17:241.
3. Lee FP. Pigmented nevus of the external auditory canal. Otolaryngol Head Neck Surg. 2006;135:124-8. doi: 10.1016/j.otohns.2005.11.027.
4. Lim HJ, Kim YT, Choo OS, Park K, Park HY, Choung YH. Clinical and histological characteristics of melanocytic nevus in external auditory canals and auricles. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2013;270:3035-42. doi: 10.1007/s00405-013-2368-5.
5. Alves RV, Brandão FH, Aquino JE, Carvalho MR, Giancoli SM, Younes EA. Intradermal melanocytic nevus of the external auditory canal. Braz J Otorhinolaryngol. 2005;71:104-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-72992005000100020.
6. Paparella MM, Meyerhoff WL. “How I do It” - otology and neurology: a specific issue and its solution – meatoplasty. Laringoscope. 1978;88:357-9. http://dx.doi.org/10.1288/00005537-197802000-00019.
7. Cochran AJ, Bailly C, Paul E, Dolbeau D. Nevi, other than dysplastic and Spitz nevi. Semin Diagn Pathol. 1993;103-17.
8. Katarkar A, Jain A, Shah P, Shah M. A rare case of intradermal nevus of external auditory canal presenting with otorrhoea. Indian J Otol. 2011;17:20-1. doi: 10.4103/0971-7749.85792.
9. Kim WS and Park KH. Compound Nevus Occurring Near External Auditory Canal: Successful Treatment by CO2 Laser Abrasion. Korean J Audiol. 2013;17:30-1. doi: 10.7874/kja.2013.17.1.30.
10. Bakshi J, Yadav S, Kumar A. An intradermal nevus of the external auditory canal - a rare occurrence. Ann Otolaryngol Rhinol. 2017;4(5):1181. Available from: https://pdfs.semanticscholar.org/a990/d6df8b0ebac1acbc1a9ebd5123706a25590b.pdf.
Publicado
2019-11-27
Como Citar
Borburema, R., Costa, D. F., Gomes, L. C., Hay, B., Duarte, J. C., Bergonse, G., & Zardo, L. (2019). Nevo melanocítico intradérmico em meato acústico externo. Revista De Medicina, 98(6), 431-434. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v98i6p431-434
Seção
Relato de Caso/Case Report