Panorama das neoplasias uterinas no período de 2007 a 2016 no estado de Alagoas – Brasil

Palavras-chave: Útero, Neoplasias Uterinas, Saúde da Mulher, Saúde Pública, Indicadores de Morbimortalidade, Epidemiologia, Diagnóstico, Brasil

Resumo

Objetivo: Analisar a variação temporal das neoplasias uterinas na população feminina do estado de Alagoas. Método: Estudo quantitativo, transversal e retrospectivo. Os dados utilizados referem-se a internações e óbitos por neoplasias uterinas em Alagoas, no período de 2007 a 2016, disponíveis nos Sistemas de Informação de Saúde e analisados por estatística descritiva de frequências absoluta e relativa. Resultados: Em Alagoas, de 2007 a 2016, identificou-se 3.525 mulheres diagnosticadas com neoplasias de útero, com média anual de 352,5 casos novos (± 64,3), que foram responsáveis por 4.540 registros de internações hospitalares nas instituições assistenciais de saúde estadual, cuja média foi de 454 internações/ano (± 77,2), e 1.391 óbitos, com média de 139 óbitos anuais (± 13,99). Verificou-se que a população adulta apresentou maior número de óbitos, com 822 registros (57,97%). Notou-se também elevada prevalência no público idoso, com 594 óbitos (41,89%). Quanto à procedência, constatou-se que a 1ª e a 7ª microrregiões de saúde concentram 58,51% dos óbitos locais (830 registros). Conclusão: Em Alagoas, observa-se a necessidade de políticas pública de saúde da mulher efetivas, que aperfeiçoem o acesso precoce para o diagnóstico e o tratamento do câncer de colo uterino, visando à redução dos índices de morbimortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Souza MFM, Malta DC, França EB, Barreto ML. Transição da saúde e da doença no Brasil e nas Unidades Federadas durante os 30 anos do Sistema Único de Saúde. Cienc Saude Coletiva. 2018;23(6):1737-50. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.04822018.
2. Bray F, Jemal A, Grey N, Ferlay J, Forman D. Global cancer transitions according to the Human Development Index (2008-2030): a population based study. Lancet Oncol. 2012;13(8):790-801. https://doi.org/10.1016/S1470-2045(12)70211-5.
3. GirianelliI VR, GamarraII CJ, SilvaIII GA. Os grandes contrastes na mortalidade por câncer do colo uterino e de mama no Brasil. Rev Saúde Pública. 2014;48(3):459-67. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005214.
4. World Health Organization. ICO Information Centre on HPV and Cervical Cancer (HPV Information Centre). Summary report on HPV and cervical cancer statistics in Brazil. 2014. Avaliable from: http://www.hpvcentre.net.
5. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. 2018. Disponível em: https://www.inca.gov.br/estimativa/2018/estimativa-2018.pdf.
6. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. 2016. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/9000f2004b39c00db985bf66c974cd7f/Diretrizes+Brasileiras+2016_vers%C3%A3o+Consulta+P%C3%BAblica.pdf.
7. Olhê L, Oliveira RC, Campanelli RF, Nogueira LDP. Papanicolau na terceira idade: um desafio para a enfermagem. Rev Fabibe. 2013:78-86. Disponível em: http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/28/11122013190008.pdf.
8. Ribeiro CM, Silva GA. Avaliação da produção de procedimentos da linha de cuidado do câncer do colo do útero no Sistema Único de Saúde do Brasil em 2015. Epidemiol Serv Saúde. 2018;27(1):e20172124. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000100004.
9. Instituto Nacional de Câncer. Ações de Controle do Câncer do Colo do Útero. Gestor e Profissional da Saúde. Detecção Precoce no Brasil. 2018. Disponível em: https://www.inca.gov.br/en/node/1194.
10. Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica 13. Controle dos cânceres de colo do útero e da mama. Brasília; 2013. p.18. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/controle_canceres_colo_utero_2013.pdf.
11. Instituto Nacional de Câncer. Ações de controle do câncer do colo do útero. 2018. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-do-colo-do-utero/conceito-e-magnitude.
12. Melo WA, Pelloso SM, Alvarenga A, Carvalho MDB. Fatores associados a alterações do exame citopatológico cérvico-uterino no Sul do Brasil. Rev Bras Saude Mater Infant. 2017;17(4):637-43. http://dx.doi.org/10.1590/1806-93042017000400002.
13. Abreu MNS, Soares AD, Ramos DAO, Soares FV, Nunes FG, Valadão AF, et al. Conhecimento e percepção sobre o HPV na população com mais de 18 anos da cidade de Ipatinga, MG, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2018;23(3):849-60. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018233.00102016.
14. Del Río-Ospina L, Soto-De León SC, Camargo M, Sánchez R, Mancilla CL, Patarroyo ME, et al. The prevalence of high-risk HPV types and factors determining infection in female colombian adolescents. PLoS One. 2016;11(11):e0166502. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0166502.
15. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2a ed. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde; 2013.
16. Sanches TT, Siqueira-Oliveira T, Papp-Moretti C, Tovani-Palone MR, Hishinuma G. Evolução do sistema público de saúde no Brasil frente ao estágio atual da prevenção do câncer de colo uterino em mulheres jovens e adolescentes. Rev Fac Med. 2017;65(1):115-20. http://dx.doi.org/10.15446/revfacmed.v65n1.56855.
17. Silva MAP, Menezes RCE, Oliveira MAA, Longo-Silva G, Asakura L. Atenção Básica em Alagoas: expansão da Estratégia Saúde da Família, do NASF e do componente alimentação/nutrição. Saúde Debate. 2014;38(103):720-32. http://dx.doi.org/10.5935/0103-1104.20140066.
18. McDonald TJ, Goldberg DW, Scarinci IC, Castle PE, Cuzick J, Robertson M, Wheeler CM. Health service accessibility and risk in cervical cancer prevention: comparing rural versus nonrural residence in New Mexico. J Rural Health. 2017;33:382-92. https://doi.org/10.1111/jrh.12202.
19. Santos, L. Região de saúde e suas redes de atenção: modelo organizativo-sistêmico do SUS. Ciênc Saúde Colet. 2017;22(4):1281-9. https://doi.org/10.1590/1413-81232017224.26392016.
Publicado
2019-11-27
Como Citar
Misael, J., Santos Júnior, C., Silva, I., Santos, L., Rocha, F., Batista, M., & Ferreira, A. (2019). Panorama das neoplasias uterinas no período de 2007 a 2016 no estado de Alagoas – Brasil. Revista De Medicina, 98(6), 396-402. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v98i6p396-402
Seção
Artigos/Articles