Perfil epidemiológico e avaliação da atenção pré e pós-natal nos pacientes portadores de hérnia diafragmática congênita

estudo descritivo

Palavras-chave: Hérnias diafragmáticas congênitas, Epidemiologia, Cuidado pré-natal, Mortalidade, Terapia

Resumo

OBJETIVO: Avaliar os aspectos epidemiológicos e a assistência pré e pós-natal de pacientes tratados com hérnia diafragmática congênita (HDC) em um hospital terciário no nordeste do Brasil. MÉTODOS: Foi realizado um estudo descritivo, retrospectivo do tipo corte transversal através da análise dos prontuários dos pacientes com diagnóstico de HDC no período entre janeiro de 2008 a dezembro de 2017. Foram estudados aspectos relacionados ao pré-natal, ao puerpério imediato e ao período pós-natal, observando as taxas de sobrevida, características da hérnia e do tratamento da patologia. O estudo se desenvolveu através do preenchimento de formulários de acordo com os dados colhidos nos prontuários desses pacientes e de suas genitoras. RESULTADOS: Entre os 54 pacientes analisados, 64,8% foram diagnosticados no período pré-natal. 38% apresentavam a falha no lado esquerdo do diafragma e 50% dos pacientes tinham registro de fígado intratorácico. 63% dos pacientes foram submetidos à correção cirúrgica. 53,7% dos portadores de hérnia diafragmática congênita evoluíram para óbito. CONCLUSÃO: Observou-se uma elevada taxa de mortalidade entre os pacientes, principalmente daqueles que são portadores de outras malformações além da hérnia diafragmática congênita, sendo necessário investigar e avaliar a presença das mesmas durante o pré-natal e no período pós-natal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Melo Galindo, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Tutor do curso de Medicina na Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS). Cirurgião Pediátrico do Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP), Recife, PE.

Melina Franco Pires, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Estudante de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Raquel Nogueira Cordeiro, Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP

Estudante de Medicina da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE.

Diego Laurentino Lima, Universidade Católica de Pernambuco

Professor da disciplina de Prática Hospitalar da Universidade Católica de Pernambuco. Professor assistente de cirurgia do Centro Universitário Mauricio de Nassau (UNINASSAU). Mestrando de ciências da saúde da Universidade de Pernambuco. Cirurgião Geral. 

 

Caline Siqueira de Medeiros

Médica com formação na Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE. 

Eduardo Vidal de Holanda

Médica(o) com formação na Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS), Recife, PE. 

Referências

1. Tovar JA. Congenital diaphragmatic hernia. Orphanet J Rare Dis. 2012;7:1. doi:10.1186/1750-1172-7-1.
2. Pober BR. Overview of epidemiology, genetics, birth defects, and chromosome abnormalities associated with CDH. Am J Med Genet C Semin Med Genet. 2007;145C(2):158-71. doi:10.1002/ajmg.c.30126.
3. Gallindo RM, Gonçalves FL, Figueira RL, Sbragia L. Manejo pré-natal da hérnia diafragmática congênita: presente, passado e futuro. Rev Bras Ginecol Obstet. 2015;37(3):140-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-720320150005203.
4. Kumar VH. Current concepts in the management of congenital diaphragmatic hernia in infants. Indian J Surg. 2015;77(4):313-21. doi:10.1007/s12262-015-1286-8.
5. Kesieme EB, Kesieme CN. Congenital diaphragmatic hernia: review of current concept in surgical management. ISRN Surg. 2011;2011:974041. doi:10.5402/2011/974041.
6. van den Hout L, Sluiter I, Gischler S, et al. Can we improve outcome of congenital diaphragmatic hernia? Pediatr Surg Int. 2009;25(9):733-43. doi:10.1007/s00383-009-2425-8.
7. Santos E, Ribeiro S. Congenital diaphragmatic hernia – a review. Acta Obstet Ginecol Port. 2008;2(1):25-33.
8. Ruano R, Bunduki V, Silva MM, Yoshizaki CT, Tanuri U, Macksoud JG, et al. Prenatal diagnosis and perinatal outcome of 38 cases with congenital diaphragmatic hernia: 8-year experience of a tertiary Brazilian center. Clinics (Sao Paulo). 2006;61(3):197-202. doi: /S1807-59322006000300003.
9. McGivern MR, Best KE, Rankin J, et al. Epidemiology of congenital diaphragmatic herniain Europe: a register-based study. Arch Dis Child Fetal Neonatal. 2014;100:F137-F144. doi: 10.1136/archdischild-2014-306174.
10. Coran AG, Adzick NS, Krummel TM, Laberge JM, Shamberger RC, Caldamone AA. Pediatric surgery. 7th ed. Philadelphia: Elsevier Saunders; 2012.
11. Wung JT. Hérnia diafragmática congênita. In: Moreira MEL, Lopes JM de A, Carvalho M de, organizadores. O recém-nascido de alto risco: teoria e prática do cuidar. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2004. p.510-24.
12. Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS. Informações de saúde. Nascidos vivos. Download de arquivos - a partir de 1996. Brasília, DF; 2014 [citado 17 ago. 2019]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/sinasc/dados/nov_indice.htm.
13. Estudio Colaborativo Latino Americano de Malformaciones Congénitas. In: XXXXI Reunion Anual del Estudio Colaborativo Latinoamericano de Malformaciones Congenitas, Angra dos Reis; 2009 [citado 17 ago. 2019]. Disponível em: http://www.eclamc.org/descargas/DF-RAE41_Parte%201.pdf.
14. Kosiński P, Wielgoś M. Congenital diaphragmatic hernia: pathogenesis, prenatal diagnosis and management - literature review. Ginekol Pol. 2017;88(1):24-30. doi: 10.5603/GP.a2017.0005.
Publicado
2019-11-27
Como Citar
Galindo, R., Pires, M., Cordeiro, R., Lima, D., Medeiros, C., & Holanda, E. (2019). Perfil epidemiológico e avaliação da atenção pré e pós-natal nos pacientes portadores de hérnia diafragmática congênita. Revista De Medicina, 98(6), 382-388. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v98i6p382-388
Seção
Artigos/Articles