Análise das causas dos acidentes automobilísticos nas rodovias federais da Bahia entre 2014 e 2017

Palavras-chave: Saúde pública, Acidentes de trânsito, Mortalidade

Resumo

Estimativas indicam que milhões de pessoas morrem por ano em decorrência de acidentes de trânsito. Por se tratar de um assunto tão sério que, muitas vezes é negligenciado pelas autoridades políticas, o presente estudo teve como objetivo analisar as principais causas dos acidentes automobilísticos nas rodovias federais da Bahia, considerada uma das regiões mais violentas quando o assunto é trânsito. Como material de investigação foi analisado o relatório de acidentes produzido pela Superintendência Regional da Bahia da Polícia Rodoviária Federal no período de 2014 e 2017. Os dados foram tabulados no Software Estatístico SPSS e analisados posteriormente. As causas foram agrupadas em categorias semelhantes. Os resultados mostram que, apesar do número de acidentes em 2017 ter reduzido quando comparado aos anos de 2014 e 2015, os acidentes tornaram-se mais graves na região e estiveram associados com uma maior porcentagem de óbitos. Os dados também indicam que os eventos em que havia ocorrido o consumo de álcool ou de substâncias psicotrópicas são mais graves e produzem um número maior de óbitos. Considerando as categorias apresentadas, a “atitudes imprudentes do condutor” foi a principal causa dos acidentes nas rodovias federais da Bahia no período analisado, principalmente, em decorrência do desrespeito às leis de trânsito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas de Abreu Ribeiro, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG

Médico Especialista em Medicina do Tráfego, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG.

João Luiz Pimentel, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG

Médico Especialista em Medicina do Tráfego, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG.

Helton Ribeiro, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG

Médico Especialista em Medicina do Tráfego, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG

Márcia Lopes Hostalácio Benedito, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG

Psicóloga Especialista em Medicina do Tráfego, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG

Karina Luiza Pereira Ribeiro, Universidade de Iguaçu (UNIG)

Estudante de Medicina da Universidade de Iguaçu- UNIG, Clínica Médica e Psicológica São João, Lavras, MG.

Referências

1. World Health Organization (WHO). Violence; injury prevention. Global status report on road safety: time for action. Geneve: WHO; 2009. Available from: https://www.who.int/violence_injury_prevention/road_safety_status/2009/en/.
2. Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2011: os jovens do Brasil. São Paulo: Instituto Sangari/Ministério da Justiça; 2011. Disponível em: https://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2011/MapaViolencia2011.pdf.
3. Andrade SSCA, Jorge MHPM. Internações hospitalares por lesões decorrentes de acidente de transporte terrestre no Brasil, 2013: permanência e gastos. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(1):31-8. doi: 10.5123/S1679-49742017000100004.
4. Mascarenhas MDM, Barros MBA. Evolução das internações hospitalares por causas externas no sistema público de saúde-Brasil, 2002 a 2011. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24:19-29. doi: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000100003.
5. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras: caracterização, tendências e custos para a sociedade - relatório de pesquisa. Brasília: Polícia Rodoviária Federal/IPEA; 2015. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/150922_relatorio_acidentes_transito.pdf
6. Confederação Nacional do Transporte CNT. Pesquisa CNT de rodovias 2017: relatório gerencial. Brasília: CNT; SEST; SENAT; 2017. Disponível em: http://pesquisarodovias.cnt.org.br/.
7. Ladeira RM, Malta DC, Morais Neto OL, Montenegro MMS, Soares Filho MA, Vasconcelos CH, Mooney M, Naghavi M. Acidentes de transporte terrestre: estudo Carga Global de Doenças, Brasil e unidades federadas, 1990 e 2015. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(1):157-70. doi: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700050013.
8. Morais Neto OL, Andrade AL, Guimarães RA, Mandacarú PMP, Tobias GC. Regional disparities in road traffic injuries and their determinants in Brazil, 2013. Int J Equity Health. 2016;15(1):142. doi: https://doi.org/10.1186/s12939-016-0433-6.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS – DATASUS Informações em saúde. Brasília (DF); 2008 [citado 21 fev. 2010]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02.
10. World Health Organization (WHO). Road traffic injuries. Fact sheet. Geneva: WHO; 2016 [cited 2018 Nov. 12]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/famctsheets/ fs358/en/.
11. Malta DC, Andrade SS, Gomes N, Silva MM, Morais OL, Reis AA, et al. Injuries from traffic accidents and use of protection equipment in the Brazilian population, according to a population-based study. Cien Saude Coletiva. 2016;21(2):399-410. doi: 10.1590/1413-81232015212.23742015.
12. Moyses SJ. Determinação sociocultural dos acidentes de transporte terrestre (ATT). Cien Saude Coletiva. 2012;17(9):2241-3. doi: 10.1590/ S1413-81232012000900005.
13. Cerqueira GL. Consumo de álcool e outras drogas por jovens condutores [citado 11 out. 2018]. Disponível em: https://www.uniad.org.br/wp-content/uploads/2015/10/A0919.pdf.
14. Morais OL, Montenegro MM, Monteiro RA, Siqueira JB, Silva MM, Lima CM. Mortalidade por acidentes de transporte terrestre no Brasil na última década: tendência e aglomerados de risco. Cien Saude Coletiva. 2012;17(9):2223-36. doi: 10.1590/ S1413-81232012000900002.
15. Franco MS, Lins AC, Lima AK, Araújo TL, Amaral RC. Caracterização de pacientes vítimas de acidentes de trânsito admitidos em hospital regional da Paraíba. Rev Interdisciplinar. 2015;8(2):123-29. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/567-2963-1-PB.pdf.
16. Silva JK, Rios MA, Amaral TF, Silva PL. Profile of road transport accidents met by the mobile urgency attendance service. Rev Enfermagem UFPE. 2016;10(1):9-17. doi: 10.5205/reuol.8423-73529-1-RV1001201602.
17. World Health Organization (WHO). Global status report on alcohol and health. Geneva; 2011. Available from: http://www.who.int/substance_abuse/publications/global_ alcohol_report/msbgsruprofiles.pdf.
18. World Health Organization (WHO). Action needed to reduce health impact of harmful alcohol use. Geneva; 2013. Available from: http://www.who.int/ mediacentre/news/releases/2011/alcohol_20110211/en/index.html.
19. Nunes MN, Nascimento LFC. Análise espacial de óbitos por acidentes de trânsito, antes e após a Lei Seca, nas microrregiões do estado de São Paulo. Rev Assoc Med Bras. 2012;58(6):685-90. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-42302012000600013.
20. Campos VR, Salgado R, Rocha MC, Duailibi S, Laranjeira R. Beber e dirigir: características de condutores com bafômetro positivo. Rev Psiquiatr Clin. 2012;39(5):166-71. doi: https://doi.org/10.1590/S0101-60832012000500004.
21. Laranjeira R, Pinsky I, Zalesky M, Caetano RI. Levantamento nacional sobre os padrões de consumo de álcool na população brasileira. Brasília: Secretaria Nacional Antidrogas – SENAD; 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/relatorio_padroes_consumo_alcool.pdf.
22. Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. I Levantamento nacional sobre o uso de álcool, tabaco e outras drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras. Brasília: SENAD; 2010.
23. Campos VR, Salgado RS, Rocha MC. Bafômetro positivo: correlatos do comportamento de beber e dirigir na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(1):51-61. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000100007.
24. Malta DC, Soares Filho AM, Montenegro MMS, Mascarenhas MDM, Silva MMA, Lima CM, Morais Neto OL, Temporão JG, Penna GO. Análise da mortalidade por acidentes de transporte terrestre antes e após a Lei Seca – Brasil, 2007-2009. Epidemiol Serv Saude. 2010;19(4):317-28. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742010000400002.
25. Klabunde FC, Ghizzo Filho J, Freitas PF, Nazário NO. Impacto da Lei Seca na Taxa de Mortalidade por acidentes de trânsito, Santa Catarina, entre 2005 e 2011. Arq Catarin Med. 2017;46(2):108-17. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/274/160.
26. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Departamento Nacional de Trânsito. Impactos sociais e econômicos dos acidentes de trânsito nas rodovias brasileiras: relatório executivo. Brasília (DF): IPEA; DENATRAN; 2006. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7456/1/RP_Estimativa_2015.pdf.
27. Almeida LVC, Pignatti MG, Espinosa MM. Principais fatores associados à ocorrência de acidentes de trânsito na BR 163, Mato Grosso, Brasil, 2004. Cad Saude Publica. 2009;25(2):303-12. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000200008.
28. Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Informações sobre Mortalidade. Mortes em acidentes rodoviários no ano de 2012. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/6869/1/TD_2212.pdf.
29. Brasil. Ministério da Saúde. Indicadores e dados básicos- Brasil- 2012. Brasília, DF; 2012. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm.
30. Ferraz C, Raia Jr A, Bezerra B, Bastos T, Rodrigues K. Segurança viária. São Carlos: Suprema Gráfica e Editora; 2012.
31. Bethonico FC, Oliveira LK. Análise exploratória da relação entre a imprudência do condutor e os índices de acidentes. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/felipe_bethonico/publication/268871122_analise_exploratoria_da_relacao_entre_a_imprudencia_do_condutor_e_os_indices_de_acidentes/links/5479d26c0cf293e2da2b5ac6/analise-exploratoria-da-relacao-entre-a-imprudencia-do-condutor-e-os-indices-de-acidentes.pdf.
32. World Health Organization (WHO). Informe sobre la situación mundial de la seguridad vial: es hora de pasar a la acción. Geneva; 2009. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/ factsheets/ fs310/en/index.html.
33. Almeida RLF, Bezerra Filho JG, Braga JU, Magalhães FB, Macedo MCM, Silva KA. Via, homem e veículo: fatores de risco associados à gravidade dos acidentes de trânsito. Rev Saúde Publica. 2013;47(4):718-31. doi: 10.1590/S0034-8910.2013047003657.
34. Barros CS, Dias ML, Silva TFA, Fernandes FECV. Caracterização dos acidentes de transporte terrestre ocorridos em rodovias federais. Arq Cien Saude. 2018;25(1):35-40. doi: https://doi.org/10.17696/2318-3691.25.1.2018.864.
35. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Relatório de pesquisa. Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras caracterização, tendências e custos para a sociedade [monografia]. Brasília (DF): IPEA; 2015 Disponível em: http://www.ipea.gov.br/por-tal/images/stories/PDFs/relatoriopesquisa/150922_relatorio_ acidentes_transito.pdf.
36. Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS; 2015. Sistema de Informação sobre Mortalidade; Óbitos por Residência por Unidade da Federação segundo Região CID 10 Acidente de transporte Óbitos por Residência por Região de Saúde (CIR) segundo Município CID. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2015/matriz.htm.
37. Malta DC, Bernal RTI, Mascarenhas MDM, Monteiro RA, Bandeira de Sá NN, Andrade SSCA, et al. Atendimentos por acidentes de transporte em serviços públicos de emergência em 23 capitais e no Distrito Federal – Brasil, 2009. Epidemiol Serv Saude. 2012;21(1):31-42. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000100004.
38. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); polícia (PRF). Acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras: caracterização, tendências e custos para a sociedade. Relatório de pesquisa. Brasília, DF: Polícia Rodoviária Federal/IPEA; 2015. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=26277.
39. Mascarenhas MDM, Barros MBA. Evolução das internações hospitalares por causas externas no sistema público de saúde – Brasil, 2002 a 2011. Epidemiol Serv Saude. 2015;24(1):19-29. doi: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000100003.
40. Dias LKS. Caracterização dos Acidentes de Trânsito Atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. SANARE Rev Politicas Publicas. 2017;16(1):6-16. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1133/618.
41. Baldoino LS, Oliveira MHR, Baldoino LS, Virgineo MS. Perfil das vítimas de acidentes de trânsito atendidas no hospital público de Floriano-PI. Rev Interdisciplinar. 2018;11(1):41-50. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/1256-3381-1-PB.pdf.
42. Silva I, Monteiro R, Delgado J. Identificação dos trechos críticos para os acidentes de trânsito nas rodovias estaduais da Bahia mediante o uso de geotecnologias. In: Workshop de Gestão, Tecnologia Industrial e Modelagem Computacional. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/gestecimc/article/view/1914/1360.
43. Andrade WS, Santos KOB. Internações hospitalares por acidentes relacionadas ao trabalho notificadas na Bahia. Rev Pesqui Fisioter. 2018;8(2):71-8. doi: http://dx.doi.org/10.17267/2238-2704rpf.v8i2.1903.
44. Cardim A, Reis ALPP. Mortalidade por acidentes de trabalho na macrorregião extremo sul da Bahia. Rev Enfermagem Contemporânea. 2016;5(2):1-9. doi: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i2.1098.
45. Júnior RQS, Cardoso ACC, Carvalho SC, Oliveira ZC, Mazzei MPC. Saúde do homem na Bahia: a internação hospitalar de adultos nos anos 2000 e 2010. Rev Enfermagem Contemporânea. 2017;6(2):139-57. doi: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v6i2.1630.
46. Santos JJ, Santos KOB. Distribuição dos acidentes de transporte fatais entre trabalhadores do Estado da Bahia e no Brasil. Saúde Com. 2016;12(3):622-30. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/308209743.
47. Silva RA, Vieira CX, Nery AA, Abreu FS, Silva NA, Jesus LR. Mortality due to external causes in youth in state of Bahia. Rev Online Pesqui Cuidado Fundamental. 2018;10(1):46-51. doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v10.5975.
48. Ribeiro LS. Consumo abusivo de álcool e envolvimento em acidentes de trânsito: resultados da pesquisa nacional de saúde, Brasil, 2013 [doutorado]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2017. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/24843/2/lucas_ribeiro_icict_mest_2017.pdf.
49. Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. IBGE Coordenação de Trabalho e Rendimento. Pesquisa nacional de saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE; 2014. p.180. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/pns2013.pdf.
50. Confederação Nacional do Transporte - CNT. Pesquisa CNT de rodovias 2017: relatório gerencial. Brasília: CNT/SEST/SENAT; 2017. Disponível em: http://pesquisarodovias.cnt.org.br/.
51. Brasil. Ministério da Defesa. Ministério da Indústria e Comércio. Polícia Rodoviária Federal. Proteção das fronteiras. 2017. Disponível em: https://www.defesa.gov.br/exercicios-e-operacoes/protecao-das-fronteiras.
52. Andrade SM, Soares DA, Braga GP, Moreira JH, Botelho FMN. Comportamentos de risco para acidentes de trânsito: um inquérito entre estudantes de medicina na região sul do Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2003;49(4):439-44. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302003000400038.
53. Stutts JC, Reinfurt DW, Rodgman EA. The role of driver distraction in crashes: an analysis of 1995-1999 Crashworthiness Data System Data. Annu Proc Assoc Adv Automot Med. 2001;45:287-301. Available from: https://europepmc.org/abstract/med/12214356.
54. Bartholomeu D. Traços de personalidade e comportamentos de risco no trânsito: um estudo correlacional. Psicol Argumento. 2017;26(54):193-206. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/viewFile/19685/19013.
55. Barros Aluísio JD, Amaral RL, Oliveira MS, B.; Lima SC, Gonçalves EV. Acidentes de trânsito com vítimas: sub-registro, caracterização e letalidade. Cad Saude Publica. 2003;19:979-86. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000400021.
Publicado
2020-02-03
Como Citar
Ribeiro, L., Pimentel, J. L., Ribeiro, H., Benedito, M., & Ribeiro, K. L. (2020). Análise das causas dos acidentes automobilísticos nas rodovias federais da Bahia entre 2014 e 2017. Revista De Medicina, 99(1), 27-34. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i1p27-34
Seção
Artigos/Articles