A dramatização como estratégia de ensino-aprendizagem na perspectiva discente

um relato de experiência no curso de medicina

Palavras-chave: Dramatização, Educação médica, Comunicação, Simulação de paciente, Aprendizagem, Metodologias de ensino-aprendizagem

Resumo

O ensino médico, historicamente, sempre se baseou em estratégias tradicionais, em que o docente é o integrante ativo no processo de ensino-aprendizagem, no qual o conhecimento é partilhado de forma técnica e compartimentalizada. Porém, as atuais diretrizes educacionais têm orientado o uso de metodologias ativas na formação do profissional médico. O curso de Medicina da Universidade Federal do Vale do São Francisco, campus Petrolina, foi construído sob os moldes de um ensino tradicionalista, entretanto, como o ensino médico de forma ativa tem sido estimulado de maneira intensa, alguns docentes têm experimentado atividades baseadas nessas novas formas de aprendizado, como ocorreu na disciplina de Medicina de Urgência, lecionada a alunos do 8º período, onde os estudantes experimentaram a dramatização como estratégia de ensino e avaliação. Esse trabalho foi realizado com o intuito de relatar a experiência discente com o uso da dramatização como forma de aprendizagem. O processo de criação foi uma experiência que enriqueceu o modo de pensar dos estudantes, que além de adquirir os conhecimentos teóricos, trabalharam sua capacidade de comunicação e exercitaram o trabalho em equipe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samira Rios da Silva, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Graduanda de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco

Ludmila Godinho da Silveira, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Graduanda de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco.

Luna de Paula Fraga, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Graduanda de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco.

Orlando Vieira Gomes, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Professor Assistente do Colegiado de Medicina na Universidade Federal do Vale do São Francisco.

Referências

Roman C, Ellwanger J, Becker G; Silveira A, Machado C, Manfroi W. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clin Biomed Res. 2017;37(4):349-57. doi: 10.4322/2357-9730.73911.

Mitre S, Batista R, Mendonça JM, Pinto NM, Meirelles C, Porto C, Moreira T, Hoffmann L. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Cien Saúde Coletiva. 2008;13(supl. 2):2133-44. doi: 10.1590/S1413-81232008000900018.

Gomes O, Morais RJ, Schwigel PA, Vasconcelos P, Lima TR, Andreto L, Vieira J, Oliveira R. Validade e Confiabilidade do Maastricht Clinical Teaching Questionnaire para Língua Portuguesa. Rev Bras Educ Med. 2019;43(2):15-24. doi: 10.1590/1981-52712015v43n2rb20180061.

World Health Organization. Division of Development of Human Resources for Health. Doctors for health: a WHO global strategy for changing medical education and medical practice for health for all. Geneva: WHO; 1996. Available from: https://apps.who.int/iris/handle/10665/62997.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/ CES nº 4, de 07 de Novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 nov 2001; Sec. 1, p. 38 [citado 05 jan. 2019]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04.pdf.

Araújo JC. Fundamentos da metodologia de ensino ativa (1890-1931). In: 37ª Reunião Nacional da ANPEd, Florianópolis, 2015. Florianóplis: UFSC; 2015 [citado 5 jan. 2019]. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt02-4216.pdf.

General Medical Council. Tomorrow’s doctors: outcomes and standards for undergraduate medical education. London: General Medical Council; September 2009.

Moreno LR. Trabalho em Grupo: experiências inovadoras na área da educação em saúde. In: Batista NA, Batista SH. Docência em saúde: temas e experiências. São Paulo (SP): Senac; 2004. p.85-99.

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25a. ed. São Paulo: Paz e Terra; 2002.

Schramm FM. A autonomia difícil. Bioética. 1998;6(1):27-37. doi: S1413-8123200500010002000067.

Brandão C, Collares C, Marin H. A simulação realística como ferramenta educacional para estudantes de medicina. Scientia Med: Educ Ciên Saúde. 2014;24(2):187-92. doi: 10.15448/1980-6108.2014.2.16189

Moreno LR, Romaña MA, Batista SH, Martins MA. Jornal Vivo: relato de uma experiência de ensino-aprendizagem na área da saúde. Rev Interface. 2005;9(16):195-204. doi: 10.1590/S1414-32832005000100021.

Pimenta S, Anastasiou L. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez; 2002.

Cavassin J. Perspectivas para o teatro na educação como conhecimento e prática pedagógica. Rev Científica/FAP. 2008;3:39-52. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/55546029/08-Juliana-Cavassin.

Amaya C. La dramatización y la enseñanza del español como segunda lengua. 2003. Comunidad de Madrid: Consejería de Educación; 2003.

Calman K. The arts and humanities in health and medicine. Public Health. 2005;119(11):958-9. doi: 10.1016/j.puhe.2005.08.006.

Lorenz KA, Steckart MJ, Rosenfeld KE: End-of-life education using the dramatic arts: the Wit educational initiative. Acad Med. 2004;79(5):481-86. doi: 10.1097/00001888-200405000-00020.

Deloney LA, Graham CJ. Wit: using drama to teach first-year medical students about empathy and Compassion. Teach Learn Med. 2003;15(4):247-51. doi: 10.1207/S15328015TLM1504_06.

Universidade Federal do Vale do São Francisco – UNIVASF. Colegiado de Medicina. Projeto Pedagógico do Curso de Medicina. Petrolina; 2008 [citado 17 jun. 2019]. Disponível em: http://www.medicina.univasf.edu.br/arquivos/PPC%20-%20Projeto%20Pedagogico%20do%20Curso%20de%20Medicina.pdf.

Courtney R. Jogo, teatro & pensamento. 2a. ed. São Paulo: Perspectiva; 2003.

Xavier L. Oliveira G, Gomes A, Machado M, Eloia S. Analisando as metodologias ativas na formação dos profissionais de saúde: uma revisão integrativa. Sanare. 2014;13(1):76-83. doi: 1982-0216-rcefac-16-06-02015.

Publicado
2019-10-15
Como Citar
Silva, S., Silveira, L., Fraga, L., & Gomes, O. (2019). A dramatização como estratégia de ensino-aprendizagem na perspectiva discente. Revista De Medicina, 98(5), 324-328. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v98i5p324-328
Seção
Relato de Experiência/Experience Report