Avaliação da presença de microrganismos isolados da superfície do diafragma de estetoscópios usados por alunos do curso de medicina do UNIPAM

Palavras-chave: estetoscópios, contaminação biológica, microorganismos, estudantes de medicina, bactérias

Resumo

 

Resumo: As infecções associadas aos cuidados de saúde (IACS) representam no Brasil um problema que requer cuidado, estando entre as seis primeiras causas de óbito no país, de modo que referida causa está fortemente ligada ao desequilíbrio da microbiota e da imunidade do hospedeiro. Dentro os instrumentos que podem contribuir com o aparecimento das IACS, destaca-se o estetoscópio, que pode ser um importante vetor de infecção cruzada, caso não seja higienizado corretamente. O objetivo desse trabalho foi identificar a prevalência e os principais agentes presentes nos diafragmas dos estetoscópios de alunos do curso de Medicina da UNIPAM e também propor a importância de se realizar sua correta higienização. Realizou-se um estudo observacional, transversal e descritivo através da coleta de material microbiológico de 52 estetoscópios. As coletas foram realizadas com auxílio de swab estéril umedecido em solução fisiológica e inoculadas em caldo BHI (Brain Heart Infusion) e inoculado em placas de Petri contendo ágar padrão para contagem (PCA) e ágar eosina azul de metileno (EMB). Para a caracterização das culturas foram utilizados técnicas de identificação bacteriana por inoculação e série bioquímica tradicional, após isso foi realizada a coloração Gram e as características morfo-tintoriais foram analisadas. Dos 52 diafragmas de estetoscópios avaliados, apenas 50% (n=26) apresentaram contaminação com crescimento positivo no meio PCA. As bactérias isoladas tiveram as seguintes morfologias e características tintoriais: cocos Gram negativos e Gram positivos; bacilos Gram positivos e Gram negativos. Sendo que 65% (n=17) eram do tipo Gram negativo, importante organismo presente em infecções. Os resultados permitem observar que as bactérias Gram- negativas prevaleceram sobre as Gram-positivas, as quais são importantes agentes patogênicos houve contaminação dos estetoscópios por gêneros bacterianos associados a doenças. Nesse sentido, pode-se concluir que a prática de higienização do diafragma dos estetoscópios deve ser melhor difundida nas instituições de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lyza Alencar Siqueira, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

Acadêmico de medicina do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), Patos de Minas, MG.

Liliane Silva Anjos, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

Acadêmico de medicina do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), Patos de Minas, MG.

Thainá Pereira do Nascimento, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

Acadêmica de medicina do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), Patos de Minas, MG.

Valeska Balen Ronsoni, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

Acadêmica de medicina do Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), Patos de Minas, MG.

Marilene Rivany Nunes, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

Enfermeira Doutora em Enfermagem em Saúde Pública pela EERP-USP; Docente do Curso de Enfermagem e Medicina do Centro Universitário de Patos de Minas – UNIPAM.

Bethânia Cristhine de Araújo, Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM

Bióloga pela Centro Universitário de Patos de Minas (UNIPAM), Mestre em genética e bioquímica pela UFU, Professora da UNIPAM. 

Referências

1- Moraes CL, et. al. Contaminação de equipamentos e superfícies de unidades de terapia intensiva de uma maternidade pública por Staphylococcus coagulase negativa. Rev Patol Trop. 2013;42(4):387-94. doi: 10.5216/rpt.v42i4.27927.
2- Sales VM, et al. Análise microbiológica de superfícies inanimadas de uma Unidade de Terapia Intensiva e a segurança do paciente. Rev Enf Ref. 2014;3:45-53. http://dx.doi.org/10.12707/RIII1293.
3- Murray P, Rosenthal KS, Pfaller MA. Microbiologia médica. Elsevier Brasil; 2015.
4- Dutra LGB, et al. Prevalência de contaminação bacteriana em estetoscópios. Rev Inst Adolfo Lutz. 2013;72(2):155-60. doi: 10.18241/0073-98552013721557.
5- Neves JDB, et. al. Análise bacteriológica de jalecos de profissionais da saúde de uma clínica escola na cidade de Juazeiro do Norte, Ceará. Rev Interfaces. 2015;3(9):50-4. doi: 10.16891/2317-434X.535.
6- Sales WB, et al. Quantitativo microbiano em jalecos de estudantes da área da saúde em instituição de ensino superior. J Health Sci Inst. 2016;34(4):195-9. Disponível em: https://www.unip.br/presencial/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2016/04_out-dez/V34_n4_2016_p195a199.pdf.
7- Xavier MS, Ueno M. Contaminação bacteriana de estetoscópios das unidades de pediatria em um hospital universitário. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;34(2):217. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822009000200026.
Publicado
2020-06-12
Como Citar
Siqueira, L., Anjos, L., Nascimento, T., Ronsoni, V., Nunes, M., & Araújo, B. (2020). Avaliação da presença de microrganismos isolados da superfície do diafragma de estetoscópios usados por alunos do curso de medicina do UNIPAM. Revista De Medicina, 99(3), 242-245. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v99i3p242-245
Seção
Artigos/Articles