Fatores relacionados ao tabagismo e ao seu abandono

  • Diogo Barbalho Cardoso Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
  • Ana Paula Cota Pinto Coelho Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
  • Marcelo Rodrigues Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
  • Andy Petroianu Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
Palavras-chave: Tabagismo, Abandono do uso de tabaco, Grupos etários, Esportes, Bebidas alcoólicas

Resumo

Objetivo: Verificar a prevalência do hábito de fumar em um grupo profissional e evidenciar quais fatores estão relacionados ao tabagismo e ao seu abandono. Casuística e Método: Foram avaliados, prospectivamente, 494 funcionários da Procuradoria Geral de Justiça de Minas Gerais, na cidade de Belo Horizonte, consecutivos e aleatoriamente incluídos, de um total de 1229 pessoas. Eles responderam a questionário relacionado ao tabagismo, com vista à avaliação de fumantes, não-fumantes e ex-fumantes. Foram incluídas as variáveis: idade, gênero, nível educacional, estado civil, prática de atividades esportivas, religião e uso de bebidas alcoólicas. Aos fumantes foi também aplicado o teste de Fagerstrom modificado, para estabelecer o grau de dependência ao vício. Resultados: Nesta amostra, 58% dos funcionários eram do gênero feminino e 42% do gênero masculino. A idade variou entre 16 e 69 anos, com média de 36,1 ± 10,5 anos. Do total pesquisado, 8,2% eram fumantes regulares, 3,5%, fumantes ocasionais, 13,3% ex-fumantes e 74,9% não-fumantes. Entre os fumantes, 76,5% tinham pouca dependência, 13,7% dependência moderada e 9,8% dependência grave. Verificou-se que a prática de religião (p < 0,001), independentemente da crença (p = 0,642), e a prática de atividades esportivas (p = 0,002) são fatores de proteção em relação ao tabagismo. Uso de bebidas alcoólicas (p < 0,001) e idade mais avançada (p = 0,002) correlacionaram-se com o tabagismo. Entretanto, não houve associação do tabagismo com gênero (p = 0,38), nível educacional (p = 0,086), ou estado civil (p = 0,392). Entre os ex-fumantes, os três principais fatores que os levaram a parar de fumar foram: iniciativa própria (23,4%), receio de ter doença grave (13,83%) e odor do cigarro (13,3%). Conclusão: Indivíduos jovens, praticantes de atividade física ou religiosa, não consumidores de bebidas alcoólicas, são menos suscetíveis ao vício do cigarro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diogo Barbalho Cardoso, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
Graduandos do curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.
Ana Paula Cota Pinto Coelho, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
Graduandos do curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.
Marcelo Rodrigues, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
Graduandos do curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais.
Andy Petroianu, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina
Professor Titular do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, Docente Livre da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP, Docente Livre da Escola Paulista de Medicina - UNIFESP, Doutor em Fisiologia e Farmacologia, Pesquisador IA do CNPq.
Publicado
2010-06-19
Como Citar
Cardoso, D., Coelho, A. P., Rodrigues, M., & Petroianu, A. (2010). Fatores relacionados ao tabagismo e ao seu abandono. Revista De Medicina, 89(2), 76-82. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v89i2p76-82
Seção
Aprendendo