Feridas em pacientes diabéticos

  • Viviane Fernandes Carvalho Universidade de São Paulo,Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas, Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras
  • Pedro Soler Coltro Universidade de São Paulo,Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas, Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras
  • Marcus Castro Ferreira Universidade de São Paulo,Faculdade de Medicina, Disciplina Cirurgia Plástica
Palavras-chave: Ferimentos e lesões/complicações, Pé diabético/complicações, Desbridamento/métodos, Úlcera por pressão, Cirurgia plástica

Resumo

No Brasil, a prevalência do diabetes na população brasileira acima de 40 anos de idade é de 10%, com estimativa de mais de 3,6 milhões de usuários do sistema público. Entre as complicações sérias e onerosas que afetam os pacientes diabéticos, aquelas que ocorrem nos membros inferiores (MMII) representam a maior parte delas (40 a 70%). A microangiopatia atinge os pequenos vasos responsáveis pela irrigação nervosa, os chamados vasa nervorum e é. a desencadeadora da neuropatia periférica, retinopatia e nefropatia diabética. O processo neuropático, pelo fato de favorecer deformidades ósseas no pé, acarreta aumento das pressões plantares. A associação da insensibilidade do pé e do aumento destas pressões resulta em ulceração. Desde 1988, com o desenvolvimento do Pressure Specified Sensory Device™ - PSSD, um só equipamento é capaz de quantificar o limiar de pressão aplicada sobre a pele, necessário para que o paciente sinta o estímulo de um ponto estático e um ponto dinâmico assim como os testes com dois pontos. Consegue-se melhor avaliação do déficit sensitivo nos pés e melhor planejamento de medidas terapêuticas. O tratamento da ferida diabética envolve o controle da isquemia, se necessário e de desbridamento cirúrgico. O sistema a vácuo auxilia na redução do edema, na melhora do aporte sanguíneo ao leito e na formação do tecido de granulação, acelerando o preparo do leito e tornando mais precoce a indicação do tratamento cirúrgico definitivo, através em geral com uso de enxertos de pele

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Viviane Fernandes Carvalho, Universidade de São Paulo,Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas, Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras
Enfermeira-Doutora da Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras do Hospital das Clínicas da da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP).
Pedro Soler Coltro, Universidade de São Paulo,Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas, Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras
Médico Assistente da Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras do Hospital das Clínicas da da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP).
Marcus Castro Ferreira, Universidade de São Paulo,Faculdade de Medicina, Disciplina Cirurgia Plástica
Professor Titular da Disciplina de Cirurgia Plástica da da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).
Publicado
2010-12-19
Como Citar
Carvalho, V., Coltro, P., & Ferreira, M. (2010). Feridas em pacientes diabéticos. Revista De Medicina, 89(3-4), 164-169. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v89i3/4p164-169
Seção
Artigos Médicos