Estado atual da estimulação cardíaca artificial

  • Roberto Costa Universidade de São Paulo - Faculdade de Medicina
  • Noedir Antonio Groppo Stolf Universidade de São Paulo - Faculdade de Medicina

Resumo

A estimulação cardíaca artificial é o método de escolha para o tratamento das bradiarritmias sintomáticas ou que apresentem risco de vida. Está indicada na disfunção sinusal, nos bloqueios da condução átrio-ventricular do 2o grau tipo Mobitz II e do 3o grau adquiridos, e nos pacientes portadores de bloqueios fasciculares associados, cuja lesão anatômica esteja localizada abaixo do feixe de His.
A eficácia do método está relacionada principalmente à escolha adequada do sistema de estimulação que cada paciente deverá receber. De uma maneira geral os pacientes com indicações profiláticas e os portadores de bloqueios do 2º e 3º grau sem alterações miocárdicas ou coronarianas deverão receber sistemas ventriculares enquanto que os pacientes portadores de coronariopatias ou miocardiopatias associadas, assim como os portadores de disfunção sinusal deverão receber sistemas fisiológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Costa, Universidade de São Paulo - Faculdade de Medicina
Médico assistente responsável pelo grupo de marcapasso no Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de Sao Paulo.
Noedir Antonio Groppo Stolf, Universidade de São Paulo - Faculdade de Medicina
Professor Adjunto de Cirurgia Torácica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Publicado
1986-07-30
Como Citar
Costa, R., & Stolf, N. A. (1986). Estado atual da estimulação cardíaca artificial. Revista De Medicina, 66(1), 23-24. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v66i1p23-24
Seção
Não definida