Avaliação do reparo ósseo por microtomografia por raio-X

  • Márcia Regina Milanetti Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos
  • José Marcos Alves Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Departamento de Engenharia Elétrica
  • Alessandro Hakme da Silva Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos
  • Simone Orlandi Introini Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos
Palavras-chave: Calo ósseo/radiografia, Calo ósseo/fisiologia, Microtomografia por raio-X, Osso e

Resumo

A microtomografia 3D por raio-X proporciona medidas quantitativas e tridimensionais da estrutura do calo e essas medidas podem potencialmente estar relacionadas com a resistência do calo. A avaliação quantitativa do reparo ósseo por meio de novas metodologias tem importante aplicação nas pesquisas experimentais relacionadas a tecnologias invasivas e não invasivas para a estimulação do mesmo. O objetivo desse estudo foi avaliar o reparo ósseo por meio da μCT em defeito ósseo em fêmur de rato. Trinta ratos machos da classe Wistar com peso médio de 300g foram divididos em grupos experimentais de 10 animais em cada grupo. Os animais foram anestesiados e um furo com 1,2mm de diâmetro foi realizada na porção medial do fêmur utilizando-se uma broca odontológica. No 7º, 14º e 21º pós-cirúrgico, os animais dos grupos experimentais 1, 2 e 3, respectivamente, foram sacrificados e o fêmur esquerdo excisado. Os fêmures foram envolvidos em gaze e mergulhas em solução PBS e armazenados em um saco plástico em freezer a -20º até a análise microtomográfica. Os fêmures foram escaneados pelo microtomógrafo 1172 (SkyScan, Bélgica). Os softwares NRecon, Dataviewer, CT-Analyzer and CT-Vol, fornecidos pelo fabricante do microtomógrafo, foram utilizados para as seguinte análises: a) análise visual das reconstruções microtomográficas dos fêmures através de secções transversais, coronais e sagitais; b) segmentação do calo ósseo nas reconstruções através de algoritmo de processamento de imagem para quantificação dos parâmetros volume total do calo ósseo (TV), volume do calo ósseo mineralizado (BV), relação BV/TV e densidade mineral óssea volumétrica do calo ósseo (BMD); c) visualização 3D do calo ósseo. A análise estatística dos parâmetros medidos utilizou o teste t de Student com um nível de significância p < 0,05. Houve um aumento estatisticamente significante nos valores dos parâmetros BV/TV e BMD na comparação entre os grupos experimentais 1 e 2. A comparação entre os grupos 3 e 4 não apresentou significância estatística. Os resultados são coerentes com dados encontrados na literatura sobre a fisiologia óssea, porém o algoritmo de processamento de imagem utilizado necessita aprimoramento em alguns de seus procedimentos para se obter melhor resultado de segmentação do calo ósseo na região de interesse

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Regina Milanetti, Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos
Fisioterapêuta, Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia – USP, Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil. mrmila@sc.usp.br
José Marcos Alves, Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Departamento de Engenharia Elétrica
Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia – USP, Escola de Engenharia de São Carlos, Departamento de Engenharia Elétrica, São Carlos, SP, Brasil
Alessandro Hakme da Silva, Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos
Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia – USP. Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil
Simone Orlandi Introini, Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos
Programa de Pós-Graduação Interunidades Bioengenharia – USP. Escola de Engenharia de São Carlos, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Instituto de Química de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil
Publicado
2011-06-17
Como Citar
Milanetti, M. R., Alves, J. M., Silva, A., & Introini, S. (2011). Avaliação do reparo ósseo por microtomografia por raio-X. Revista De Medicina, 90(2), 89-93. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v90i2p89-93
Seção
Artigos