Remodelamento estrutural de grandes artérias em pacientes com miocardiopatia hipertensiva é correlacionado à geometria ventricular e à disfunção renal

  • Bruno Caldin da Silva Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
  • Luiz Aparecido Bortolotto Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Palavras-chave: Cardiomiopatias/patologia, Hipertensão/etiologia, Insuficiência cardíaca congestiva/complicações, Insuficiência cardíaca/cirurgia, Remodelação ventricular, Frequência cardíaca.

Resumo

Objetivo: Estudar parâmetros funcionais e estruturais de grandes artérias em pacientes hipertensos com diferentes graus de miocardiopatia hipertensiva. Material e métodos:Foram estudados 45 pacientes hipertensos (PA > 140/90mmHg ou em tratamento) e miocardiopatia hipertensiva definida por hipertrofia ventricular esquerda (HVE) (IMVE > 125g/m²) e/ou disfunção sistólica (DS) (FE < 0,50) ao ecocardiograma divididos em 2 grupos: 1)HVE sem DS, 16 pacientes; 2) HVE com DS, 18 pacientes. Dados foram comparados a 11pacientes hipertensos sem HVE ou DS. Parâmetros arteriais (espessura intima-medial-EIM,diâmetro interno, distensibilidade) foram avaliados em artéria carótida direita por equipamento“echo-tracking” e a rigidez aórtica pela medida da velocidade de onda de pulso (VOP) carótidofemoral pelo Complior. Resultados: Os pacientes do grupo HVE com DS apresentaram maior diâmetro de carótida (8,02 ± 0,88mm) e maior EIM (0,88 ± 0,21mm) que os pacientes do grupo controle (7,04 ± 0,73mm e 6,8 ± 0,13mm, p < 0.01), e os pacientes do grupo HVE semDS não apresentaram diferenças em relação aos demais grupos. A VOP e a distensibilidade de carótida foram similares nos 3 grupos de pacientes. Na análise multivariada, a EIM secorrelacionou significativamente com o IMVE (r = 0,44, p < 0,005), enquanto o diâmetro de carótida se correlacionou com a idade e à creatinina sérica (r = 0.54). Conclusão: Em hipertensos com hipertrofia ventricular e disfunção ventricular sistólica há um remodelamento estrutural de grandes artérias. Este remodelamento é relacionado à geometria ventricular e à disfunção renal, sem modificações da função vascular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Caldin da Silva, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Acadêmico do 4º ano do curso médicina da Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
Luiz Aparecido Bortolotto, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Médico-doutor Assistente da Unidade de Hipertensão do Instituto do Coração do hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Publicado
2006-06-21
Como Citar
Silva, B., & Bortolotto, L. (2006). Remodelamento estrutural de grandes artérias em pacientes com miocardiopatia hipertensiva é correlacionado à geometria ventricular e à disfunção renal. Revista De Medicina, 85(2), 58-65. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v85i2p58-65
Seção
Artigos Médicos