Epidemiologia clínica da dor músculo-esquelética

  • Manoel Jacobsen Teixeira Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
  • William Gemio Jacobsen Teixeira Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
  • Fábio Pires de Souza Santos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
  • Daniel Ciampi Araujo de Andrade Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
  • Simone Lopes Bezerra Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem.
  • João Bertuol Figueiró Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas.
  • Massako Okada Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas.
Palavras-chave: Dor/epidemiologia, Doença crônica, Síndromes da dor miofascial/epidemiologia, Fibromialgia/epidemiologia, Doenças reumáticas.

Resumo

Vários estudos demonstram que as mulheres apresentam mais dor do que os homens. Entretanto, os estudos sobre
lombalgia e dor torácica não são conclusivos. Em casos de dores articulares e fibromialgia existe aumento da prevalência com o progredir das idades em ambos os sexos, apesar de haver predominio nas mulheres. As síndromes dolorosas decorrentes das disfunções têmporo-mandibulares são mais comuns nas mulheres que nos homens e apresentam pico de ocorrência nas fases reprodutivas. A diferença na ocorrência da dor nos homens e nas mulheres pode ser devida a vários fatores incluindo os constitucionais, os hormonais, os cognitivos e os culturais, entre outros. O aumento da freqüência da dor com o avanço da idade, especialmente das dores articulares e da fibromialgia, sugere haver associação entre as afecções degenerativas ou acúmulo de casos de dor com o progredir da idade. A redução da freqüência de alguns casos de dor nos idosos pode ser devida à melhora das condições causais com o passar do tempo ou ao aumento da incapacidade ou da mortalidade que remove tais indivíduos das comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Jacobsen Teixeira, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.

Neurocirurgião, Professor Doutor do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, diretor da Liga de Dor do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Centro Acadêmico XXXI de Outubro da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

William Gemio Jacobsen Teixeira, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.

Aluno de Graduação do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e membro da Liga de Dor do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Centro Acadêmico XXXI de Outubro da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Fábio Pires de Souza Santos, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.

Aluno de Graduação do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e membro da Liga de Dor do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Centro Acadêmico XXXI de Outubro da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Daniel Ciampi Araujo de Andrade, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.

Aluno de Graduação do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e membro da Liga de Dor do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Centro Acadêmico XXXI de Outubro da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Simone Lopes Bezerra, Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem.

Aluna de Graduação do Curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e membro da Liga de Dor do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e do Centro Acadêmico XXXI de Outubro da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

João Bertuol Figueiró, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas.

Médico Coordenador da Unidade de Saúde Mental do Centro de Dor do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Massako Okada, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, Hospital das Clínicas.

Médica Neuropediatra, coordenadora do Centro de Dor da Clínica Neurológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e da Liga de Dor do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz da Faculdade de Medicina e do Centro Acadêmico XXXI de Outubro da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo

Publicado
2001-06-29
Como Citar
Teixeira, M., Teixeira, W., Santos, F., Andrade, D., Bezerra, S., Figueiró, J., & Okada, M. (2001). Epidemiologia clínica da dor músculo-esquelética. Revista De Medicina, 80(spe1), 1-21. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v80ispe1p1-21