Similia similibus curentur: o princípio de cura homeopático fundamentado na farmacologia moderna

  • Marcus Zulian Teixeira Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Palavras-chave: Homeopatia, Lei dos semelhantes, Ação farmacodinâmica do medicamento homeopático, Efeito secundário, Efeito rebote.

Resumo

O modelo homeopático de tratamento das doenças utiliza o ‘princípio da semelhança’ como método terapêutico, empregando medicamentos que causam determinados sintomas em indivíduos sadios para tratar sintomas semelhantes em indivíduos doentes (similia similibus curentur), com o intuito de estimular uma reação curativa do organismo contra os seus próprios distúrbios. Esta reação secundária (vital, homeostática ou paradoxal) do organismo está fundamentada no estudo do ‘efeito rebote’ dos fármacos modernos, evento adverso que pode causar transtornos graves após a descontinuação de diversas classes de tratamentos convencionais que utilizam o ‘princípio dos contrários’ como prática terapêutica (contraria contrariis curentur). Embora o fenômeno rebote seja um evento adverso estudado pela farmacologia moderna, ele é desconhecido pelos profissionais da saúde, privando a classe médica de um conhecimento necessário e fundamental ao manejo seguro dos fármacos. Apesar de se expressar numa pequena proporção de indivíduos suscetíveis, o efeito rebote assume importância epidemiológica em vista do enorme consumo de medicamentos pela população e da falta de esclarecimentos sobre o fenômeno. Este artigo apresenta uma revisão atualizada sobre o efeito rebote das drogas, relacionando-o ao princípio de cura homeopático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Zulian Teixeira, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
MD, PhD. Coordenador da disciplina optativa “Fundamentos da Homeopatia” (MCM0773) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP)
Publicado
2013-09-30
Como Citar
Teixeira, M. (2013). Similia similibus curentur: o princípio de cura homeopático fundamentado na farmacologia moderna. Revista De Medicina, 92(3), 183-203. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v92i3p183-203
Seção
Artigos