Anamnese, exame clínico e exames complementares como testes diagnósticos

  • Isabela M. Benseñor Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
Palavras-chave: Anamnese, Exames médicos/prevenção & controle, Exame físico, Testes diagnósticos de rotina.

Resumo

As principais ferramentas de que o médico dispõe para fazer o diagnóstico do paciente são anamnese e exame clínico. Hampton et al. em 1970 mostrou, em 80 pacientes ambulatoriais na Inglaterra que a anamnese isolada era responsável por 82,5% dos diagnósticos, exame clínico por mais 8,75% e exames complementares por mais 8,75%. Estudo realizado no HCFMUSP mostrou que a anamnese era responsável por 40,4% dos diagnósticos, exame clínico por mais 29,4% e exames complementares por mais 29,5%. O exame de laboratório ou de imagem, sempre traz informação sobre a sensibilidade e a especificidade do método; mas não se costuma ensinar a sensibilidade e a especificidade de dados de anamnese ou de manobras do exame clínico. Os resultados de um teste diagnóstico quando comparados a um padrão-ouro permitem a construção de uma table 2 x 2 com quatro possíveis interpretações dos resultados: (1) verdadeiro-positivo, quando positivo na presença da doença; (2) falso-positivo, se o teste revelar-se positivo em paciente sem doença; (3) verdadeiro-negativo, se o teste é negativo e o indivíduo não tem doença; (4) falso-negativo, se o teste é negativo na presença de doença. A partir desses dados pode-se calcular a sensibilidade, a especificidade, o valor preditivo positivo e negativo e as razões de verossimilhança positiva e negativa. A interpretação das informações coletadas na anamnese e no exame clínico como testes diagnósticos refina seu papel na investigação clínica em relação ao diagnóstico final. Os gastos com saúde são finitos e limitados ao orçamento público, e mesmo em um hospital terciário há restrições à realização desses exames causada pelo desbalanço entre demanda e capacidade de realização dos exames. A utilização desse tipo de ferramenta permite priorizar os pacientes que mais precisarão do exame complementar, e como consequência, leva a um melhor gerenciamento do sistema de saúde como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela M. Benseñor, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina.
Professora Associada da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Publicado
2013-12-21
Como Citar
Benseñor, I. (2013). Anamnese, exame clínico e exames complementares como testes diagnósticos. Revista De Medicina, 92(4), 236-241. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v92i4p236-241
Seção
Artigos