Transtornos de estresse pós-traumático após sepse grave ou choque séptico

  • Fabio Furukawa Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
  • Augusto Nishikawa Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
  • Luiz Monteiro da da Cruz Neto Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
  • Heraldo Possolo Souza Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Palavras-chave: Unidades de terapia intensiva, Transtornos de estresse pós-traumático, Hidrocortisona, Estado terminal, Hipotálamo, Ansiedade, Transtornos do sono.

Resumo

Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) é uma condição médica caracterizada por sintomas de ansiedade e depressão que ocorrem em pessoas que têm uma história de eventos traumáticos. Esta doença foi inicialmente diagnosticada em pacientes que tenham sido expostos a eventos violentos, como estupro ou guerra. Recentemente, no entanto, o TEPT tem sido também reconhecido em pacientes que sobreviveram após internação na unidade de terapia intensiva (UTI). Esse fenômeno parece estar relacionado a uma disfunção do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) observada em pacientes tratados em UTIs. Uma vez que é sabido que a sepse grave e o choque séptico podem levar a uma situação chamada insuficiência de corticosteroides relacionado a doença crítica (CIRCI), formulou-se a hipótese de que o desenvolvimento de PTSD após sepse grave também pode estar relacionado a uma disfunção do eixo HPA durante o tratamento da sepse. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica, utilizando-se diferentes bases de dados e diversas combinações dos termos PTSD, sepse e HPA. Quinze artigos foram recuperados e apenas três preencheram todos os requisitos. Estas três publicações foram revistas aqui. Conclui-se que os dados disponíveis não são suficientes para confirmar uma relação direta entre a disfunção do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal relacionada à sepse e ao desenvolvimento do transtorno de estresse pós-traumático. Embora haja provas concretas sobre a existência dessa correlação, os artigos publicados representam o trabalho de apenas um grupo de pesquisa, incluem poucos pacientes e não levam em consideração o efeito da internação na UTI em suas conclusões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Furukawa, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina

* both authors contributed equally to this work.
Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Emergency Medicine Department - LIM51, São Paulo, SP, Brazil.

Augusto Nishikawa, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina

* both authors contributed equally to this work.
Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Emergency Medicine Department - LIM51, São Paulo, SP, Brazil.

Luiz Monteiro da da Cruz Neto, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Emergency Medicine Department - LIM51, São Paulo, SP, Brazil.
Heraldo Possolo Souza, Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina
Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, Emergency Medicine Department - LIM51, São Paulo, SP, Brazil.
Publicado
2014-10-23
Como Citar
Furukawa, F., Nishikawa, A., da Cruz Neto, L., & Souza, H. (2014). Transtornos de estresse pós-traumático após sepse grave ou choque séptico. Revista De Medicina, 93(1), 26-30. https://doi.org/10.11606/issn.1679-9836.v93i1p26-30
Seção
Artigos