[1]
R. Pinheiro-Machado e L. Scalco, “Rolezinhos: Marcas, consumo e segregação no Brasi”l, Rev. Estud. Cult., vol. 1, nº 1, jun. 2014.