Comida e diversão

um holandês "comedor" na Bahia nos inícios do século XIX

Autores

  • Jeferson Afonso Bacelar Universidade Federal da Bahia. Centro de Estudos Afro-Orientais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p187-210

Palavras-chave:

Viajantes estrangeiros, Comida, Prazeres da mesa e da cama, Bahia

Resumo

Uma característica marca o trabalho que venho realizando sobre os viajantes estrangeiros na Bahia no século XIX: a abordagem deles sobre o que comiam. O jovem holandês Ver Huell foi um viajante singular, começando pela permanência involuntária por quase três anos na Bahia. Convivendo em diferentes espaços sociais, conheceu os variados planos da culinária baiana, sobretudo o das camadas populares de Salvador. Com pequenas adversidades, passou a maior parte do tempo no lazer e na diversão, aproveitando também para saborear as “carnes tropicais”. Pouco se conhece de viajante estrangeiro que, como Ver Huell, tenha se adaptado tão bem à realidade social e ao regime alimentar dos baianos, aos prazeres da mesa e da cama.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeferson Afonso Bacelar, Universidade Federal da Bahia. Centro de Estudos Afro-Orientais

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia, professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da UFBA, coordenador adjunto do Centro de Estudos Afro-Orientais (CEAO), pesquisador e coordenador do Programa de Estudos e Pesquisas da Alimentação do CEAO. 

Referências

AGASSIZ, Luiz; AGASSIZ, Elisabeth Cary. Viagem ao Brasil (1856-1866). Coleção O Brasil visto por estrangeiros. Brasília: Senado Federal, 2000.
AMAT, Jean-Marie; VINCENT, Jean-Didier. Por uma nova fisiologia do gosto. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.
ARAÚJO, Emanuel. O Teatro dos Vícios: transgressão e transigência na sociedade urbana colonial. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993.
AUGEL, Moema Parente. Visitantes estrangeiros na Bahia oitocentista. São Paulo/Brasília: Cultrix/INL, 1980.
BACELAR, Jeferson. A comida dos baianos no sabor amargo de Vilhena. Afro-Ásia, Salvador, n. 48, pp. 273-310, jul./dez. 2013.
BACELAR, Jeferson; MOTT, Luiz. A comida baiana: cardápios de um prisioneiro ilustre (1763). Salvador: Edufba, 2016.
BAUD, J. C. Baud. Trecho selecionado do manuscrito autobiográfico. In: VER HUELL, Quirijn Maurits Rudolph. Minha primeira viagem marítima (1807-1810). (2a ed. ampliada.) Trad. e pref. Jan Mauricio Van Holthe. Salvador: Edufba, 2009.
CARELLI, Mário. Culturas cruzadas: intercâmbios culturais entre França e Brasil. Campinas: Papirus, 1994.
DÓRIA, Carlos Alberto. Entre secos e molhados. In: DÓRIA, Carlos Alberto. Formação da culinária brasileira: escritos sobre a cozinha inzoneira. São Paulo: Três Estrelas, 2014.
ELIAS, Norbert. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.
FRANÇA, Jean Marcel Carvalho. A construção do Brasil na literatura de viagem dos séculos XVI, XVII, XVIII: antologia de textos (1591-1808). Rio de Janeiro/São Paulo: José Olympio/Editora Unesp, 2012.
FLANDRIN, Jean-Louis. Preferências alimentares e arte culinária. In: FLANDRIN, Jean-Louis; MONTANARI, Massimo (Org.). História da alimentação. São Paulo: Estação Liberdade, 1998, pp. 640-666.
GOFFMAN, Erving. Comportamento em lugares públicos. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.
GOMES, Laurentino. 1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. São Paulo: Editora
Planeta do Brasil, 2007.
GUENTHER, Louise Helena. The British Community of Bahia, Brazil, 1808-1850. Ph.D. dissertation,
University of Minnesota: 1998.
LAHIRE, Bernard. A cultura dos indivíduos. Porto Alegre: Artmed, 2006.
LEITE, Ilka Boaventura. Antropologia da viagem: escravos e libertos em Minas Gerais no século XIX.
Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.
LEITE, Miriam Lifchitz Moreira. Livros de viagem (1803-1900). Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.
LÉVI-STRAUSS, Claude. Um copinho de rum. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Lisboa: Edições 70, 1979, pp. 378 a 389.
LÉVI-STRAUSS, Claude. A origem dos modos à mesa. (Mitológicas, v. 3) São Paulo: Cosac Naify, 2006.
LIMA, Valéria. J. B. Debret, historiador e pintor: a viagem pitoresca e histórica ao Brasil (1816-1839).
Campinas: Editora Unicamp, 2007.
LISBOA, Karen Macknow. A Nova Atlântida de Spix e Martius: natureza e civilização na viagem pelo
Brasil (1817-1820). São Paulo: Editora Hucitec/Fapesp, 1997.
MENNEL, Stephen. All manners of food: eating and taste in England and France from the Middle Ages
to the present. Champaign: University of Illinois Press, 1996.
MONTANARI, Massimo. Comida como cultura. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.
PRATT, Mary Louise. Os olhos do Império: relatos de viagem e transculturação. Bauru: Edusc, 1999.
REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do Levante dos Malês em 1835. São Paulo:
Companhia das Letras, 2003.
SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil
colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.
VER HUELL, Quirijn Maurits Rudolph. Minha primeira viagem marítima (1807-1810). (2a ed.
ampliada.) Trad. e pref. Jan Mauricio Van Holthe. Salvador: Edufba, 2009.

Downloads

Publicado

2019-03-28

Como Citar

Bacelar, J. A. (2019). Comida e diversão: um holandês "comedor" na Bahia nos inícios do século XIX. Revista Ingesta, 1(1), 187-210. https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p187-210

Edição

Seção

Artigos