História e alimentação

as confeitarias no Rio de Janeiro do Século XIX (1854-1890)

Autores

  • Thaina Schwan Karls Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição Josué de Castro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p172-186

Palavras-chave:

Rio de Janeiro, Confeitarias, Alimentação, História

Resumo

A segunda metade do século XIX é marcada por um intenso processo de modernização da cidade do Rio de Janeiro. A busca pelo espaço público como local de vivência social e valorização das atividades de lazer começou a melhor se conformar, inclusive com o crescimento e a diversificação do mercado do entretenimento, com destaque para teatros, circos, bailes, práticas esportivas e uma estrutura pública de alimentação, que também se relacionava com a nova configuração urbana, como as confeitarias. Estas, em geral, exerciam funções muito mais amplas que o simples preparo e a venda de doces, portando-se também como padarias e armazéns. Acreditamos que os principais frequentadores eram os integrantes de camadas sociais de maior poder aquisitivo ou os componentes de fatias medianas em ascensão. Frequentar confeitarias poderia ser interpretado como a representação de hábitos modernos, evoluídos e requintados, adequados a um país e a uma cidade que buscavam progredir. Sendo assim, o objetivo deste estudo é apresentar o perfil das confeitarias no Rio de Janeiro no século XIX, utilizando como fontes os periódicos publicados na urbe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaina Schwan Karls, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Instituto de Nutrição Josué de Castro

Doutora em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2017); Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi (2009); Especialista em Padrões Gastronômicos pela Universidade Anhembi Morumbi (2006); Graduada em Gastronomia pela Faculdade Novo Milênio (2004). Professora Adjunta do Curso de Gastronomia do Instituto de Nutrição Josué de Castro (INJC) da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. É membro do Sport - Laboratório de História do Esporte e do Lazer. Trabalha com Projetos de Pesquisa e Extensão na UFRJ. Tem experiência didática, profissional e publicações nas áreas de Gastronomia, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Gastronomia, Culinária Brasileira, Hospitalidade e Comensalidade.

Referências

BELLUZZO, Rosa. Machado de Assis: relíquias culinárias. São Paulo: Editora Unesp, 2010a.
BELLUZZO, Rosa. Nem garfo nem faca: à mesa com os cronistas e viajantes. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010b.
CASCUDO, Luís da Câmara. História da alimentação no Brasil. 3. ed. São Paulo: Global, 2004.
CRULS, Gastão. Aparência do Rio de Janeiro. V. I. Rio de Janeiro: José Olympio, 1949.
FREIXA, Dolores; CHAVES, Guta. Gastronomia no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Editora Senac
Nacional, 2009.
FREYRE, Gilberto. Açúcar: uma sociologia do doce, com receitas de bolos e doces do Nordeste do
Brasil. 5. ed. São Paulo: Global, 2007.
GUERRERO, Enrique Raúl Rentería. O sabor moderno: da Europa ao Rio de Janeiro na República Velha.
Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.
KARLS, Thaina Schwan. Comida, bebida e diversão: uma análise comparada do perfil de restaurantes e
confeitarias do Rio de Janeiro do século XIX (1854-1890). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.
LUCA, Tania Regina de. Fontes impressas: história dos, nos e por meio dos periódicos. In. PINSKY, C. B. Fontes históricas. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2011.
MELO, Victor Andrade de. Mulheres em movimento: a presença feminina nos primórdios do esporte na cidade do Rio de Janeiro (até 1910). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 54, pp. 127-152, dez. 2007.
NEEDELL, Jeffrey D. Belle époque tropical: Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
RENAULT, Delso. Rio de Janeiro: a vida da cidade refletida nos jornais (1850-1870). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1978.
RENAULT, Delso. O dia-a-dia no Rio de Janeiro: segundo os jornais (1870-1889). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Brasília: INL, 1982.
RIOS FILHO, Adolfo Morales de los. O Rio de Janeiro Imperial. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2000. SCHWARCZ, Lilia Moritz. As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo:
Companhia das Letras, 1998.
SILVA, Alberto da Costa. População e sociedade. In: SILVA, Alberto da Costa (Coord.). Crise colonial
e independência (1808-1830). Vol. 1 – História do Brasil Nação (1808-2010). Rio de Janeiro:
Objetiva, 2011, pp. 35-73.
TOSTES, Vera Lúcia Bottrel. O Rio de Janeiro no tempo de D. João VI. In: AMARAL, Sonia Guarita do
(Coord.). O Brasil como Império. 1. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009, pp. 38-57.

Downloads

Publicado

2019-03-28

Como Citar

Karls, T. S. (2019). História e alimentação: as confeitarias no Rio de Janeiro do Século XIX (1854-1890). Revista Ingesta, 1(1), 172-186. https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i1p172-186

Edição

Seção

Artigos